Navegue:
Ibovespa cai 1% com inflação acima do esperado e exterior negativo

Ibovespa cai 1% com inflação acima do esperado e exterior negativo

Após abrir o pregão em alta, índice fechou no negativo, aos 112.007 pontos

Celular com aplicativo TradeMap

Foto: João Tessari/TradeMap

Por:

Compartilhe:

Por:

Depois de começar a manhã em alta, o Ibovespa virou para queda após a divulgação de dados de inflação acima do esperado pelo mercado, seguindo também a tendência negativa do exterior, que recuou com a continuidade das tensões no leste europeu.

O principal índice da Bolsa de valores brasileira encerrou o dia com queda de 1,01%, aos 111.756 pontos, com R$ 23,35 bilhões em volume negociado. Com isso, o saldo de fevereiro foi para baixa de 0,14%, enquanto a performance desde o início do ano é de alta de 6,62%.

Preços mais altos assustam o mercado

Maior divulgação econômica do dia, o IPCA -15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15), a prévia da inflação oficial, avançou 0,99% em fevereiro. O indicador aponta aceleração dos preços neste mês, já que o índice havia subido 0,58% em janeiro.

O dado veio acima do esperado pelo mercado e marcou a maior alta para um mês de fevereiro desde 2016, quando o indicador subiu 1,42%. Analistas ouvidos pela agência Broadcast esperavam uma elevação de 0,87%.

A normalização das cadeias de produção decorrente do avanço da vacinação e do fim das medidas de restrição à mobilidade, conforme explica Rachel de Sá, chefe de economia da Rico Investimentos, tem sido prejudicada pela elevação das commodities. “Assim, os preços seguem bastante pressionados para produtores ao redor do mundo, o que deve seguir pressionando os custos aos consumidores”, completa.

Rachel de Sá diz ainda que a recente desvalorização do dólar, que fechou o pregão de hoje em baixa de 0,95%, a R$ 5,0042, depois de romper o piso de R$ 5 ao longo do dia, não deve ser suficiente para diminuir as pressões inflacionárias, mesmo que reduza o preço de produtos importados.

No longo prazo, porém, o fortalecimento do real, aliado ao enfraquecimento da atividade econômica e ao crédito mais caro que recorrem da elevação dos juros, podem contribuir para uma desaceleração da inflação, segundo a economista.

Movimento do exterior também é de queda

Em relação ao conflito entre Rússia e Ucrânia, líderes ocidentais seguiram criticando a postura russa, com direito a sanções, que podem se tornar mais severas a depender do desenrolar da situação.

A tensão continuou a pesar sobre as Bolsas estrangeiras. Em Nova York, o Nasdaq teve baixa de 2,57%, o S&P 500 caiu 1,76% e o Dow Jones recuou 1,38%. Na Europa, o índice Euro Stoxx 50 teve perdas de 0,3%.

De acordo com a agência de notícias Reuters, Andrey Turchak, membro de alto escalão do partido governista da Rússia, disse que as tropas do país só entrarão nas regiões separatistas da Ucrânia, reconhecidas no início da semana como estados independentes por Moscou, se os grupos que lideram estas regiões pedirem.

Porém, segundo o portal de notícias Newsweek, citando fontes da agência de inteligência dos Estados Unidos, a Rússia estaria se preparando para uma invasão em grande escala nas próximas 48 horas.

Com a escalada das tensões, o petróleo, que operava em queda ao longo da manhã, virou, com o Brent fechando estável a US$ 96,84. Com isso, e em meio às expectativas para o balanço que será divulgado após o fechamento de hoje, a Petrobras (PETR4) teve avanço de 1,42%.

Leia também:
Com Petrobras (PETR3) na liderança, confira os papéis mais comprados pelo investidor estrangeiro em fevereiro

Destaques do pregão

No fechamento do Ibovespa, as maiores quedas eram de 3R Petroleum (RRRP3), Banco Inter (BIDI11) e CVC (CVCB3), com recuos de 12,49%, 12,12% e 6,31%, respectivamente. Na outra ponta, SulAmérica (SULA11), Rede D’Or (RDOR3) e Eletrobras (ELET6) lideravam as altas, com ganhos de 25,16%, 8,82% e 3,27%.

A derrapada da 3R Petroleum veio depois de a companhia divulgar lucro líquido de R$ 19,7 milhões no quarto trimestre de 2021. No intervalo de outubro a novembro do ano anterior, a companhia havia apurado prejuízo de R$ 147,5 milhões.

Contudo, alguns números do resultado não agradaram os investidores. Para Jansen Costa, sócio-fundador da Fatorial Investimentos, o mercado não gostou do resultado pelo lifting cost, o custo operacional médio para extrair cada barril de petróleo. O valor subiu entre os terceiro e o quarto trimestre, passando de US$ 8,49 por barril para US$ 9,64.

A equipe de analistas do BTG Pactual também chamou atenção para fato de que o Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado do quatro trimestre ficou 13% abaixo do esperado, a R$ 82,6 milhões, que também é uma queda de 21% em relação ao terceiro trimestre.

Além disso, as despesas gerais e administrativas saltaram 168% em 12 meses, pressionadas pelo pagamento de bônus por metas corporativas e individuais. O mercado entendeu que a estrutura do pagamento variável aos executivos não está alinhado aos acionistas minoritários.

A Gerdau (GGBR4) também teve forte queda, de 3,35%, mesmo após registrar lucro líquido de R$ 3,56 bilhões no quarto trimestre do ano passado, alta de 237% em relação a igual trimestre do ano anterior. Na teleconferência de resultados, a companhia informou que os resultados de 2022 devem continuar fortes, mas prefere ser cautelosa em relação à distribuição de dividendos aos acionistas.

Outra companhia que caiu com o balanço foi a Localiza (RENT3), que teve baixa de 5,23% depois de anotar lucro líquido de R$ 442,1 milhões no quarto trimestre, alta de 10% em relação a igual período do ano anterior. Porém, devido a uma estratégia da companhia para priorizar o crescimento, a receita líquida consolidada caiu 8,3% no trimestre, e a margem Ebitda também apresentou redução entre os períodos.

Na tarde de hoje, o Cade manteve sua decisão de dezembro, quando aprovou a fusão entre a Localiza e a Unidas (LCAM3) com algumas exigências, segundo reportagem do Valor.

Também neste movimento, a Raia Drogasil (RADL3) caiu 6,02% após reportar lucro líquido de R$ 187,2 milhões no quarto trimestre do ano passado, queda de 5,7% em relação a igual período do ano anterior. A companhia, porém, conseguiu elevar o lucro líquido do ano todo em 40,7%, para R$ 815,15 milhões.

Para completar, a BRF (BRFS3) recuou 4,6% depois de registrar lucro líquido de R$ 964 milhões no quarto trimestre do ano passado, alta de 6,9% em comparação a igual período do ano anterior. Porém, o resultado líquido da companhia caiu 62,8% em 2021, devido à queda das margens da companhia.

Na direção oposta, SulAmérica e Rede D’Or dispararam com a notícia do colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, de que a administração da Rede D’Or teria aprovado a compra da seguradora SulAmérica, que divulga seus resultados do quarto trimestre após o fechamento.

A Eletrobras subiu um dia depois de seus acionistas aprovarem os pontos necessários para a privatização da companhia, que acontecerá por meio da venda de novas ações. A expectativa é de que a operação aconteça no primeiro semestre deste ano e seja grande o suficiente para reduzir a participação do governo federal na companhia de 70% para 45%.

O apoio dos acionistas era um dos passos necessários para a privatização. O próximo é a aprovação, pelo Tribunal de Contas da União (TCU), do modelo desenhado pelo governo federal para a venda da estatal.

A boa notícia para a estatal beneficiou todas as elétricas, que subiram em bloco e lideraram os ganhos do Ibovespa.

Compartilhe:

Compartilhe: