Navegue:
Bolsa brasileira fecha mais um dia de alta, ancorada em commodities e exterior

Bolsa brasileira fecha mais um dia de alta, ancorada em commodities e exterior

Mercado ignora dados macroeconômicos e Bolsa brasileira sobe ancorada em balanços do primeiro trimestre

Foto de tela com cotações de ações

Foto: Shutterstock

Por:

Gabriel Bosa

Compartilhe:

Por:

Gabriel Bosa

Ajudado pelas ações ligadas às commodities e pela performance das Bolsas dos Estados Unidos, que subiram refletindo os balanços do primeiro trimestre, o Ibovespa engatou mais uma alta e fechou o pregão desta quinta-feira (28) com ganhos de 0,52%, aos 109.918 pontos.

A alta não foi suficiente para reverter a tendência do mês: desde o início do abril, o principal índice da Bolsa brasileira acumula perdas de 8,4%. O saldo de 2021, porém, segue de valorização de 4,86%.

O desempenho positivo do Ibovespa se deu em grande parte à disparada das Bolsas dos EUA: o Nasdaq saltou 3,06%, o S&P 500 teve ganhos de 2,47% e o Dow Jones subiu 1,85%. Na Europa, o índice Euro Stoxx 50 fechou em alta de 1,13%.

Leia mais:
Queda da Bolsa em abril é boa oportunidade para comprar ações, diz Órama

Por lá, a falta de grandes notícias sobre a guerra na Ucrânia, os lockdowns na China e a política monetária do Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA) fez com que os mercados se concentrassem nos balanços.

Indicadores econômicos em segundo plano

Quem mais brilhou neste pregão foi a Meta (FBOK34), cujas ações fecharam em alta de 17,59%, depois de a controladora do Facebook divulgar lucros de R$ 7,47 bilhões – queda de 21% em relação ao mesmo período de 2021, mas acima do esperado pelo mercado. Os BDRs da empresa, negociados no Brasil, tiveram avanço de 8,6%.

Nem mesmo as notícias de que o PIB (Produto Interno Bruto) americano caiu 1,4% entre janeiro e março, no primeiro recuo trimestral desde o segundo trimestre de 2020, foi capaz de afetar os mercados. A expectativa era de alta de 1,1%. De acordo com o BEA (Bureau of Economic Analysis), a inflação, impulsionada pelo espalhamento da variante Ômicron do coronavírus e pela invasão da Ucrânia pela Rússia, contribuiu para o desempenho.

Por aqui, porém, o IGP-M (Índice Geral de Preços ao Mercado), conhecido por ser o indicador que mede a inflação no atacado e por reajustar os contratos de aluguel e outros serviços desacelerou em abril, mostrando uma alta ainda importante, de 1,41%, mas abaixo do registrado em março, de 1,74%.

Além de perder ritmo, a inflação veio abaixo do esperado pelo mercado, que acreditava em uma expansão dos preços de 1,7%, de acordo com analistas ouvidos pela Reuters.

Outro dado importante divulgado nesta quinta foi o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), que mostram que o Brasil gerou 136,1 mil postos de trabalho com carteira assinada. Os números mostram desaceleração de 58% em relação a fevereiro, e de 11% contra março de 2021.

Dia de alta para ações de commodities

Por aqui, as ações da Vale (VALE3) ficaram entre os destaques do dia, com alta de 2,47% – não tanto repercutindo o balanço divulgado na noite de ontem (27), e sim o programa de recompra de ações anunciado pela mineradora.

Veja também:
Vale (VALE3): lockdowns na China podem afetar vendas, mas ainda não são problema

O lucro líquido da companhia diminuiu 19,6% no primeiro trimestre, em comparação com o mesmo período do ano passado, atingindo US$ 4,46 bilhões, abaixo das expectativas de instituições financeiras como JP Morgan, XP Investimentos e Itaú BBA.

O que animou, porém, foi o programa de recompra de até 10% das ações em circulação, o que corresponde a 500 milhões de ações. “A continuidade do programa de recompra demonstra a confiança dos gestores nas perspectivas de negócio da Vale e no potencial de consistentemente criar e compartilhar valor”, disse a companhia, no fato relevante.

A alta de 3,02% no minério de ferro na bolsa de Dalian, para US$ 128,82, também ajudou as ações da mineradora, assim como de outras companhias ligadas à commodity, com destaque para Usiminas (USIM5) e Gerdau (GGBR4), com avanços de 4,07% e 2,91%, respectivamente.

Assim como o minério, o petróleo também teve um dia de alta, refletindo incertezas em relação às dinâmicas de oferta e demanda. O Brent fechou com avanço de 2,2%, a US$ 107,26, levando consigo as petroleiras brasileiras: Petrobras (PETR4) teve alta de 0,67%, PetroRio (PRIO3) subiu 2,7%, e 3R Petroleum (RRRP3) avançou 3,21%.

Mas não foi só a alta da commodity que impulsionou as ações do setor. A Petrobras, que publicou na noite de ontem a produção total de petróleo, líquido de gás natural e gás natural para o primeiro trimestre, mostrou uma continuação da tendência de alta vista nos trimestres anteriores. No período, a estatal alcançou a produção de 2,79 milhões de boed (barris de óleo equivalentes por dia), uma alta de 1,15% na comparação anual.

Em relatório, o BTG Pactual considerou o desempenho operacional da Petrobras no primeiro trimestre como positivo, destacando os números sólidos no segmento de E&P (exploração & produção). “O mix também foi positivo, com campos do pré-sal altamente rentáveis produzindo mais do que nunca”.

Diante disso, o banco passou a considerar um novo recorde de lucro da estatal no primeiro trimestre do ano, sendo suportado pela alta do petróleo no período, abrindo espaço para dividendo bilionário.

Leia:
Petrobras (PETR4) pode ter lucro recorde mesmo sem surpresa em prévia, dizem analistas

A PetrRio (PRIO3), por sua vez, informou na noite de ontem que finalizou a compra da participação da Petrobras na concessão de Albacoara Leste por US$ 2,2 bilhões.

Na visão da equipe de analistas da Ativa Investimentos, a transação é positiva para as duas empresas: “PetroRio impulsiona sua estratégia de crescimento via aquisições e Petrobras ganha ainda mais robustez em seu plano de desinvestimentos e melhor alocação de capital”, disseram, em comentários ao mercado.

Balanços impulsionam aéreas

A grande líder entre as maiores altas do Ibovespa, porém, foi a Embraer (EMBR3), que subiu 6,53%, também refletindo o balanço do primeiro trimestre. A fabricante de aeronaves reportou uma queda de 18,1% no prejuízo líquido na comparação com o mesmo período de 2021, atingindo R$ 428 milhões.

O UBS-BB classificou os resultados como esperados, apesar das vendas abaixo do previsto, e destacou a margem bruta, que atingiu 20% no primeiro trimestre de 2022, ante 8,3% as expectativas do banco e 9,5% no mesmo período em 2021.

“O desempenho da margem bruta é encorajador e parece que o ambiente de jatos executivos continua muito forte, o que deve fornecer uma base sólida para o crescimento”, avaliou a instituição financeira.

Além da Embraer, a Gol (GOLL4) também teve forte alta, de 3,61%, depois de divulgar seu balanço do primeiro trimestre, revertendo o prejuízo do mesmo período do ano passado em lucro de R$ 2,6 bilhões. A companhia atribuiu a evolução nos números à demanda do setor corporativo por viagens.

Ações

No fechamento, as maiores altas do Ibovespa eram de Embraer, Cielo (CIEL3) e Banco Inter (BIDI11), com ganhos de 6,53%, 4,94% e 4,28%, respectivamente. Na outra ponta, as maiores quedas eram de Grupo Soma (SOMA3), Assaí (ASAI3) e Marfrig (MRFG3), que perdiam 2,36%, 2,27% e 2,27%, nesta ordem.

O setor de bancos voltou a cair em bloco, no terceiro dia de desvalorização: Santander (SANB11) caiu 0,59%; Itaú (ITUB4), 0,82%; Bradesco (BBDC4), 0,92%; e Banco do Brasil (BBAS3), 0,18%. Na avaliação de Eliz Sapucaia e Régis Chinchila, analistas da Terra Investimentos, os bancos estão “se ajustando às expectativas de maiores provisões de endividamento após balanço do Santander apontar para este caminho”.

O Santander divulgou seus números do primeiro trimestre na terça-feira (26), e apresentou um aumento de 0,92 ponto percentual no índice de inadimplência para períodos de mais de 60 dias na comparação entre o primeiro trimestre do ano passado e o deste ano, passando de 2,8% para 3,7%. Já a inadimplência superior a 90 dias aumentou 0,77 p.p. no mesmo comparativo, chegando a 2,9% no final de março.

Leia também:

Santander começa 2022 com lucro maior, mas inadimplência também sobe; veja balanço

Bitcoin

Na esteira da recuperação do mercado internacional, sobretudo a alta acima de 3% da Nasdaq, o Bitcoin (BTC) voltou a operar no campo positivo. Por volta das 16h40 (de Brasília), a principal cripto do mercado era negociada a US$ 39.966, com ganho de 1,43% em 24 horas, de acordo com dados do Mercado Bitcoin disponíveis na plataforma TradeMap.

O clima positivo também se estendia aos pares digitais. O Ethereum (ETH) somava alta de 4,16%, a US$ 2.960, enquanto a Terra (LUNA) registrava avanço de 0,65%, a US$ 88,75, segundo dados da CoinDesk.

Compartilhe:

Compartilhe: