Navegue:
Lucro da Vale (VALE3) cai 19,6% no 1º trimestre, para US$ 4,46 bi, abaixo das expectativas

Lucro da Vale (VALE3) cai 19,6% no 1º trimestre, para US$ 4,46 bi, abaixo das expectativas

Resultado foi impactado por volumes de venda menores, devido a fortes chuvas

Escritório da Vale

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

O lucro líquido da Vale (VALE3) diminuiu 19,6% no primeiro trimestre de 2022, em comparação com o mesmo período do ano passado, atingindo US$ 4,46 bilhões.

O número ficou 8% abaixo da projeção dos analistas do JP Morgan, que esperavam lucro de US$ 4,818 bilhões. A XP Investimentos, por sua vez, esperava que o resultado líquido ficasse positivo em US$ 4,553 bilhões, enquanto o Itaú BBA projetava US$ 4,932 bilhões.

De acordo com o balanço da companhia, publicado na noite desta quarta-feira (27), os principais fatores por trás da queda de desempenho foi a redução no volume de vendas de minério de ferro e pelotas devido à intensidade das chuvas e à produção menor do Sistema Norte.

Por outro lado, o resultado foi parcialmente compensado por um aumento nos preços realizados para minério de ferro e pelotas e pelo impacto positivo de US$ 1,1 bilhão da venda das operações de minério de ferro e manganês do Centro-Oeste. Diferentemente do que JP, BBA e XP esperavam, porém, o aumento nos preços não foi capaz de compensar a perda de volumes.

A receita líquida total diminuiu 13,9%, para US$ 10,812 bilhões no primeiro trimestre, inferior à previsão do JP Morgan, de US$ 12,896 bilhões. O Ebtida (lucro antes de juros, impostos, depreciação, amortização) ajustado das operações continuadas caiu 27% no período, para US$ 6,38 bilhões, na mesma base de comparação. O Ebitda ajustado proforma, que exclui despesas relacionadas a Brumadinho e doações associadas à Covid-19, teve queda de 26,1% no trimestre.

Por área de negócio, a receita operacional líquida de minerais ferrosos retraiu 16,1% no primeiro trimestre, para R$ 8,734 bilhões, em base anual, enquanto, em metais básicos, a receita foi de US$ 1,932 bilhão queda de 2,82% na mesma base de comparação.

Mesmo com os resultados abaixo do esperado pelo mercado, a mineradora acredita que será capaz de cumprir suas projeções para 2022.

“No primeiro trimestre de 2022, enfrentamos fortes chuvas em Minas Gerais, atrasos de licenciamento no Norte e desempenho abaixo do esperado em alguns ativos. No entanto, aproveitamos os volumes sazonalmente menores para realizar atividades de manutenção que nos levarão a operações mais seguras e produção sólida a frente”, diz a companhia, no balanço.

Preço médio do minério em baixa

No trimestre, o preço médio realizado do minério de ferro foi de US$ 141,4 por tonelada, uma diminuição de 10% em relação ao mesmo período de 2021. Em pelotas, o preço médio ficou em US$ 194,6 por tonelada, alta de 1%.

Os custos e outras despesas da mineradora somaram US$ 5,124 bilhões no período, alta de 10% na comparação anual, enquanto com Brumadinho as despesas subiram 39% e alcançaram US$ 160 milhões.

Recompra de ações

Além de divulgar o balanço, a Vale anunciou na noite de hoje um programa de recompra de até 10% das ações em circulação, o que corresponde a 500 milhões de ações.

O programa, que será implementado ao longo dos próximos 18 meses, foi anunciado perto do fim do programa de recompra anterior da companhia, em que aproximadamente 168 milhões de papéis foram recomprados, de um total de 200 milhões.

“A continuidade do programa de recompra demonstra a confiança dos gestores nas perspectivas de negócio da Vale e no potencial de consistentemente criar e compartilhar valor. Guiados pela nossa disciplina na alocação de capital, consideramos que a recompra de nossas ações seja um dos melhores investimentos disponíveis para a companhia”, afirma a Vale, em fato relevante.

Compartilhe:

Compartilhe: