Navegue:
Ações de commodities ajudam e Ibovespa anota alta de 1,4% no pré-Carnaval

Ações de commodities ajudam e Ibovespa anota alta de 1,4% no pré-Carnaval

Depois de dias agitados, saldo da semana é de alta de 0,23%

Gráfico de mercado no TradeMap

Foto: João Tessari/TradeMap

Por:

Compartilhe:

Por:

Depois de uma semana agitada e de ter fechado o último pregão em queda, o Ibovespa seguiu o exterior e registrou alta nesta sexta-feira, impulsionado pelas ações de empresas ligadas a commodities, que têm grande peso sobre o índice.

Assim, o Ibovespa, que só voltará a funcionar às 13h de quarta-feira (2), fechou o último pregão antes do Carnaval em alta de 1,39%, aos 113.141 pontos, com R$ 33,31 bilhões em volume negociado. O desempenho foi capaz de inverter o saldo da semana, que encerrou com avanço de 0,23%. No ano até aqui, o balanço é de alta de 7,94%, enquanto a performance de fevereiro foi de alta de 0,88%.

Além das ações de commodities, a alta das Bolsas do exterior também ajudou o índice brasileiro. Em Nova York, o Dow Jones anotou alta de 2,51%, o S&P 500 subiu 2,22% e o Nasdaq ganhou 1,64%. Na Europa, o índice Euro Stoxx 50 teve avanço de 3,69%.

Montanha-russa nos mercados

O alívio nos mercados veio com as sanções do Ocidente à Rússia. Até o momento, as nações ocidentais puniram bancos e proibiram o comércio de alguns itens, mas não impuseram nenhum tipo de sanção ou restrições às exportações de petróleo e gás, o que seria visto como prejudicial para a economia mundial.

No entanto, mesmo com as sanções, a Rússia não deu trégua e prosseguiu com seus ataques à Ucrânia. Estados Unidos e Europa, por sua vez, reiteraram que não irão enviar suas tropas para o conflito, mas que seguirão apoiando o exército ucraniano com o envio de insumos.

O alívio do sentimento dos mercados, porém, veio de sinalizações da Rússia de que estaria disposta a negociar com a Ucrânia, ainda que uma solução diplomática pareça distante.

Leia mais:
Conflito na Ucrânia deve segurar tendência de alta de ativos brasileiros; saiba as ações mais afetadas

Nesse cenário, os preços das commodities vêm oscilando. Tanto o petróleo Brent quanto o minério de ferro fecharam em baixa, mas não apagaram os ganhos da semana, com o Brent registrando avanços de 1,49% e o minério, de 1,78%.

Com isso, as empresas ligadas a commodities lideraram os ganhos do Ibovespa neste pregão: CSN (CSNA3) teve a maior alta, de 6,81%, seguida por 3R Petroleum (RRRP3), que subiu 5,64%, e Vale (VALE3), com ganhos de 5,42%. A Petrorbras (PETR4), por sua vez, teve avanço de 1,83%.

O diretor executivo de Comercialização e Logística da Petrobras, Cláudio Mastella, disse na quinta-feira (24) que a companhia está monitorando a evolução da crise entre a Rússia e a Ucrânia, que, até o momento, se acha restrita à região. Por isso, analisou não ver impacto na segurança de atendimento aos clientes no Brasil, supridos por refinarias no país e pela importação de outras áreas no mundo.

Com relação aos preços, entretanto, Mastella enxerga impacto de elevação muito forte na volatilidade no mercado. “Hoje ocorreu um pico que ainda não se estabilizou”, disse. O mercado todo está observando o que está acontecendo e tentando avaliar as consequências da crise, a partir dos desdobramentos da situação na Ucrânia, disse.

Além de seguir a tendência das commodities, a alta da Vale (VALE3) foi ajudada pelo seu balanço. A mineradora registrou lucro líquido de US$ 5,427 bilhões no quarto trimestre de 2021, mais de sete vezes o resultado alcançado em igual período do ano anterior, de US$ 739 milhões.

Em relação à guerra envolvendo Rússia e Ucrânia, executivos da Vale, durante a teleconferência de resultados da empresa, sinalizaram para uma alta nos preços de níquel e pelotas de minério de ferro, a depender da duração das tensões no leste europeu.

No Brasil, o principal efeito dos conflitos deverá ser sentido sobre a inflação, principalmente devido à disparada das commodities. Na análise de Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, uma escalada da pressão inflacionária poderia, inclusive, requerer uma política monetária mais austera – mas isso depende da duração do conflito, segundo o especialista.

Destaques do pregão

A Hypera (HYPE3) teve alta de 2,79% depois de comunicar lucro líquido de R$ 353,1 milhões no quarto trimestre, alta de 12,1% em relação a igual período do ano anterior. Em 2021, a companhia acumulou lucro líquido de R$ 1,33 bilhão, expansão de 2,7% ante o número de 2020.

Na direção oposta, as principais quedas do Ibovespa no fechamento eram de Qualicopr (QUAL3), Locaweb (LWSA3) e CCR (CCRO3), com perdas de 7,15%, 6,9% e 5,24%, respectivamente.

A queda da Qualicorp reflete as notícias de compra da SulAmérica (SULA11) por parte da Rede D’Or (RDOR3), que detém participação de 30% na Qualicorp – ou seja, estaria integrando uma concorrente na operação de planos de saúde, explicam analistas da Ativa Investimentos em comentários ao mercado.

Em relação à Locaweb, Matheus Spiess, analista da Empiricus, acredita que os dados do IGP-M (Índice Geral de Preços ao Mercado), índice que reflete preços no atacado e apresentou alta de 1,83% em fevereiro, pressionam a curva de juros no Brasil, o que acaba prejudicando empresas de tecnologia.

Estas companhias são prejudicadas pelo aumento nas taxas de juros porque boa parte de seu crescimento é esperado para o futuro. Quando os juros sobem, passa a ser menos arriscado para o investidor buscar essa rentabilidade do que aguardar o retorno previsto com as ações destas companhias.

A CCR caiu depois de reportar prejuízo líquido de R$ 133,2 milhões no quarto trimestre do ano passado, perda 78,1% maior que a de igual trimestre do ano anterior, de R$ 74,8 milhões.

A resseguradora IRB Brasil (IRBR3) caiu 3,17% depois de a companhia divulgar seus resultados do quarto trimestre de 2021, com prejuízo 42,4% menor do que no mesmo período do ano anterior, de R$ 379,9 milhões. A empresa, porém, teve crescimento nas despesas com sinistros.

Apesar da redução do prejuízo, o mercado esperava números mais fortes, uma vez que a empresa havia declarado que projetava que 2021 seria um ponto de inflexão, com retorno de lucratividade e crescimento.

Compartilhe:

Compartilhe: