Banco Central deve reduzir previsão de crescimento da economia, diz Campos Neto

Presidente da instituição também disse que futuro do teto de gastos precisa ser decidido logo

jfcrz 191119mcal56022953
Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

O Banco Central (BC) estuda reduzir a previsão para o crescimento da economia, afirmou o presidente da instituição, Roberto Campos Neto.

“Quando se olha para o crescimento, vemos atualizações negativas consecutivas. Temos relatório de inflação e provavelmente revisaremos o crescimento para baixo. Estamos tentando entender o amplo intervalo de estimativas, os números mais pessimistas e qual a premissa implícita ali”, disse Campos Neto num evento promovido pelo Bank of America.

Na última semana tanto o governo federal quanto instituições financeiras reduziram suas estimativas para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em 2021 e 2022. As alterações refletem principalmente a perspectiva de que a alta dos juros vai limitar a atividade econômica.

A estimativa mais recente do BC a respeito do crescimento da economia foi divulgada em setembro, junto com o Relatório Trimestral de Inflação (RTI). Na ocasião, a instituição elevou a projeção de alta do PIB 2021 de 4,6% para 4,7%, e afirmou que esperava expansão de 2,1% na economia em 2022. A próxima projeção será divulgada em 16 de dezembro, com a próxima edição do RTI.

Inflação

Campos Neto reiterou que a inflação se espalhou de forma mais ampla e mais forte do que o BC previa, e que isso se deve tanto a fatores domésticos como a fatores externos.

Leia também:   Puxado por serviços, Caged mostra criação de 253.083 vagas com carteira em outubro

“Um ponto interessante é que, quando se olha nos últimos anos, pode ir bem para trás, em geral o Brasil tinha inflação e importava deflação. Neste momento estamos tendo problema inflacionário e importando inflação”, afirmou.

Um outro elemento que ajuda a manter a inflação em alta é a quantidade de estímulos injetados na economia e que ainda está circulando no mercado.

O conjunto destes incentivos em várias economias é um dos motivos pelos quais o mercado espera uma inflação mais persistente no médio prazo. “O mundo estava preparado para uma depressão que não veio”, disse o presidente do BC.

Cenário fiscal turbulento

Campos Neto também comentou sobre o cenário fiscal e disse que o BC tenta separar a melhora dos indicadores no curto prazo e a perspectiva para o futuro.

A avaliação é de que, comparado ao que se esperava um ano atrás, o Brasil teve uma forte consolidação fiscal – com a dívida bruta atualmente em 83% do PIB, ou quase 20 pontos porcentuais abaixo do que se previa.

Leia também:   Expectativa x realidade: analistas projetavam um Brasil bem diferente em 2021; saiba o que mudou

Apesar disso, o aumento das taxas de juros de longo prazo sugere que a percepção é de piora da situação fiscal, e isso tem a ver com as mudanças em discussão no Congresso no teto de gastos – mecanismo que limita o crescimento das despesas públicas à inflação.

“Quando você olha para 2017, o fiscal não estava bom, mas foi o ano em que colocamos o teto em vigor. O fato de ter um teto que aponta ao mercado onde [a despesa] estará dava permissão para governo expandir” os gastos, disse Campos Neto. “O fato de o conceito do teto estar sendo desafiado explica o que estamos vendo na ponta longa” dos juros, acrescentou.

O presidente do BC acrescentou que por causa destes questionamentos seria importante o governo concluir a discussão sobre a nova estrutura do teto de gastos o quanto antes, para indicar que “temos instrumento em vigor que dará previsibilidade de onde vão os gastos”.

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais

Não vá ainda...

Baixe o nosso App!

O maior hub do mercado financeiro
na palma da sua mão!

Popup out planos