Navegue:
Ibovespa fecha em baixa, com mercado dividido entre aceno de Ucrânia e sanções dos EUA

Ibovespa fecha em baixa, com mercado dividido entre aceno de Ucrânia e sanções dos EUA

Índice reigstrou recuo de 0,35%, aos 111.203 pontos

Celular com aplicativo TradeMap

Foto: João Tessari/TradeMap

Por:

Compartilhe:

Por:

Depois de registrar a maior queda do ano no pregão de segunda-feira (7), o Ibovespa, que chegou a subir durante a tarde, fechou em baixa novamente, dividido entre declarações do presidente da Ucrânia, Voldymyr Zelenski, que apontam para uma possível resolução do conflito, e as sanções dos EUA ao petróleo russo, que geram mais temores de inflação.

O principal índice da Bolsa de valores brasileira fechou em baixa de 0,35%, aos 111.203 pontos, com R$ 31,12 bilhões em volume negociado. No ano até aqui, o saldo segue de alta de 6,09%, enquanto a performance acumulada em março é de baixa de 1,71%.

A queda leve do Ibovespa acompanhou o movimento das Bolsas ao redor do mundo. Em Nova York, o Nasdaq teve baixa de 0,28%, o Dow Jones caiu 0,56% e o S&P 500 registrou perdas de 0,7%. Na Europa, o índice Euro Stoxx 50 teve queda de 0,19%.

Sinais mistos vindos do exterior

Na tarde de hoje, os mercados de ações ganharam força e os preços do petróleo diminuíram o ritmo de alta após o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenski, afirmar em entrevista à rede americana ABC News que o país desistiu de entrar na aliança militar da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). A declaração é relevante porque esta era uma das exigências da Rússia para parar a guerra com o país.

Além das declarações de Zelenski, o cessar-fogo temporário da Rússia para permitir a retirada de civis das cidades ucranianas de Kiev, Chernigov, Sumy e Mauripol também forneceu certo alívio aos mercados.

O que realmente dominou o noticiário de hoje, porém, foi o anúncio do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, de que o país irá banir as compras de petróleo e gás da Rússia em reação à invasão da Ucrânia.

Leia mais:
Sanções dos EUA e do Reino Unido a petróleo russo têm efeito limitado nos mercados; investidores seguem atentos a Petrobras

O Reino Unido também anunciou que, até o final deste ano, deixará de importar petróleo e derivados da Rússia. A informação foi dada pelo secretário de Energia britânico, Kwasi Kwarteng, que acrescentou que esse período dará tempo ao mercado para substituir as compras do país presidido por Vladimir Putin.

O petróleo tem subido quase sem parar desde que a Rússia invadiu a Ucrânia, porque o mercado já esperava um embargo internacional às exportações russas da commodity.

Isso, em contrapartida, pode impedir a desaceleração da inflação – que está em níveis historicamente altos em vários países do mundo, inclusive no Brasil – e forçar os bancos centrais a aumentarem os juros com mais vigor. Em tese, isso seria negativo para a economia e para os preços das ações, dado que a renda fixa passaria a oferecer retornos maiores e menos voláteis do que a renda variável.

Commodities seguem se destacando

O petróleo tipo Brent fechou o pregão de hoje em alta de 3,87%, a US$ 127,98, fazendo com que as petroleiras listadas na Bolsa brasileira subissem em bloco: Petrobras (PETR4) teve alta de 2,08%; PetroRio (PRIO3), de 1,42%; e 3R Petroleum (RRRP3), de 1,98%.

A alta da Petrobras vem depois de queda de 7,1% no pregão de ontem, em meio a diversas especulações envolvendo um possível reajuste de preço nos combustíveis, que não ocorre desde meados de janeiro.

Leia também:
Petrobras (PETR4): XP calcula defasagem de 58% na gasolina e BTG vê perdas de R$ 16 bilhões com subsídios

O minério de ferro também teve alta, mesmo com as medidas da China para conter o avanço dos preços das commodities, com restrição da oferta da Rússia. Apesar disso, as mineradoras e siderúrgicas fecharam em queda, em um movimento de realização de lucros.

No fechamento, a maior queda do Ibovespa era de CSN (CSNA3), que perdeu 4,8%, seguida de Vale (VALE3), que teve baixa de 4,39%.

Na direção oposta, as maiores altas eram de Azul (AZUL4), Gol (GOLL4) e BRF (BRFS3), com avanços de 7,1%, 7,09% e 7,03%, respectivamente.

A alta da Azul e da Gol vem depois de as duas companhias terem perdido cerca de um quarto do valor de mercado em apenas três pregões. Este movimento de baixa foi motivado principalmente pelo aumento nos preços do petróleo e a expectativa de crescimento nas despesas com combustíveis.

A Azul informou ainda que seu tráfego de passageiros consolidado (RPK) aumentou 20,1% no mês de fevereiro de 2022 no comparativo com o mesmo período em 2021. O número é acompanhado de um avanço de 20,7% na oferta da empresa (ASK), o que resultou numa taxa de ocupação de 78% no período. Contudo, a taxa registra uma queda de 0,4 ponto percentual na comparação anual.

Para Bernard Faust, operador da mesa de renda variável da One Investimentos, o movimento do Ibovespa no dia é de repique, ou seja, as ações que sofreram nos últimos pregões se recuperam.

Ele acredita que a guerra na Ucrânia continuará a dar o tom das performances da Bolsa brasileira, o que pode levar volatilidade a muitos papéis, a depender da duração do conflito.

“Vejo muita especulação nas performances do dia, tanto nas ações que sobem quanto nas que caem. Vemos o mercado dividido em dois grupos — o primeiro é aquele que acredita que o conflito na Rússia deve perdurar mais tempo e o segundo o que acha que, pelas sanções, deve ter um arrefecimento em breve”, comenta Faust.

Compartilhe:

Compartilhe: