Navegue:
Em cenário de sell-off, UBS mantém aposta em commodities e energia

Em cenário de sell-off, UBS mantém aposta em commodities e energia

Em meio à venda generalizada de ativos, banco vê espaço para melhora no sentimento do mercado

Stock,Trading,With,Bull,And,Bear

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

A preocupação com o impacto de novos lockdowns na China, a expectativa de aceleração da alta da taxa de juros nos EUA e o aumento dos riscos geopolíticos provocaram um movimento de sell-off  (venda generalizada de ativos) nos mercados nos últimos dias, com as bolsas americanas fechando em terreno negativo e o Ibovespa batendo sete dias de queda consecutivos, o que não acontecia desde 2016.

Apesar desse cenário, o UBS continua recomendando exposição a commodities e ações de energia, e ainda não vê uma recessão na Europa como cenário-base.

No mercado de renda fixa, as taxas de juros dos títulos do Tesouro americano já refletem uma alta da taxa básica de juros até o fim do ano para perto de 3%, mas para o banco o movimento pode ter sido exagerado.

“O nível de expectativas para o aperto monetário pelo Fed [Federal Reserve , banco central americano] aumentou a tal ponto que poderia fornecer um catalisador para uma melhora no sentimento do mercado, se a inflação começar a cair e começar a haver uma percepção de que o Fed pode ter mais flexibilidade em torno do movimento de alta das taxas”, afirma o banco em relatório.

Queda no lucro de empresas chinesas

Na China, o banco acredita que os bloqueios neste ano desacelerarão a economia, prevendo um crescimento menor do PIB (Produto Interno Bruto) da segunda maior economia do mundo neste ano, de 4,2% neste ano.

O banco ainda reduziu a previsão para crescimento de lucro das empresas do MSCI China (benchmark para a bolsa chinesa) para 2022 de 13% para 11%. “O atual valuation, próximo de 10 vezes o preço/lucro, já refletiu a redução de crescimento dos lucros para os próximos 12 meses”, destaca o banco.

Por outro lado, o UBS espera que o governo chinês intensifique o apoio fiscal e monetário para sustentar a economia. “Nós mantemos nossa recomendação de preferência para a China em nossos portfólios da Ásia e continuamos a ver valor”, destaca o banco em relatório.

Nos EUA, algumas decepções

Sobre os lucros dos EUA, existe o risco de decepções, em especial entre as empresas que foram beneficiárias da pandemia, como a Netflix, que derrubou o mercado na semana passada ao apresentar uma queda do número de assinantes, a primeira em uma década.

Mas no geral, o banco avalia que a temporada de resultados do primeiro trimestre das empresas americanas começou bem.

Até o momento, 25% das empresas do S&P 500 reportaram resultado, com 80% superando as expectativas em pelo menos 6%.

Como resultado, as margens de lucro estão se mantendo e superando as expectativas. “As estimativas de lucro por ação das 500 empresas do S&P 500 para 2022 e 2023 são de US$ 230 e US$ 245 (crescimento de 10% e 7%, respectivamente)”, destacou o banco.

E como investir nesse cenário?

O banco espera que a inflação provavelmente reduzirá o ritmo de alta, mas tende a permanecer acima das faixas pré-pandemia. Em um ambiente de crescimento moderado e preços elevados, o banco espera que os mercados de ações terminem o ano com valorização.

O banco acredita que as expectativas de um Fed mais agressivo já foram precificadas no mercado, embora os riscos para os lucros tenham aumentado.

Nesse cenário, o UBS continua com uma visão favorável para a alocação em commodities, que
oferecem benefícios de diversificação e tiveram um desempenho historicamente bom durante os regimes de inflação. “Vemos espaço para mais uma alta de 10% dos índices amplos de commodities nos próximos seis meses e preferimos a exposição ativa a commodities“, aponta o banco em relatório.

No relatório, a instituição financeira ainda continua com uma visão de privilegiar as ações de valor, de empresas mais maduras e geradoras de caixa (como aquelas do setor de energia) em relação a companhias de crescimento, como tecnologia, onde os valuations tendem a ser mais dependentes de lucros futuros.

“As ações de energia continuam baratas e achamos que estão apenas descontando [refletindo] o preço do petróleo na média de US$ 70 por barril”, aponta em relatpório.

O banco recomenda uma exposição mais equilibrada entre os setores cíclicos e defensivos, com energia e saúde sendo as maiores preferências. “O segmento farmacêutico é tradicionalmente relativamente resiliente a períodos de crescimento mais lento ou movimentos de aversão a risco, e os valuations parecem subprecificados”, diz trecho do relatório.

Oportunidades na renda fixa

Na renda fixa, o aumento das taxas dos títulos mostra que as oportunidades começam a surgir. “Vemos valor nos contratos de cinco anos de credit default swap (CDS) [que refletem o risco de calote de um título] dos papéis europeus, bem como em uma seleta cesta de títulos de curto prazo de mercados emergentes”, destaca o UBS.

O banco também vê oportunidade nos títulos high yield, de alto rendimento, atrelados ao ESG (com foco ambiental, social e de governança).

Finalmente, para investidores dispostos a correr mais risco, o empréstimo direto pode fornecer
oportunidades de rendimento superiores aos retornos dos títulos públicos.

Compartilhe:

Compartilhe: