Navegue:
Incertezas no comando da Petrobras pesam e Ibovespa fecha em baixa

Incertezas no comando da Petrobras pesam e Ibovespa fecha em baixa

Índice tem recuo de 0,24%, aos 121.279 pontos

Foto de prédio da Petrobras, com foco em logo

Foto: Agência Petrobras

Por:

Compartilhe:

Por:

Diante das incertezas em torno do comando da companhia, as ações da Petrobras (PETR4) tiveram baixa e pressionaram o Ibovespa, que fechou o pregão em queda de 0,24%. A possibilidade de novas sanções contra a Rússia também pesou sobre os mercados globalmente.

Com a queda de 0,24%, o principal índice da Bolsa de valores brasileira fechou aos 121.279 pontos, com R$ 11,5 bilhões em volume negociado. No ano até aqui, o saldo segue de alta de 15,7%, enquanto o balanço desde o início de abril é de avanço de 1,07%.

Apesar do aumento das tensões no leste europeu, as bolsas estrangeiras não acompanharam a queda do Ibovespa. Em Nova York, o Nasdaq teve alta de 1,9%, o S&P 500 subiu 0,84% e o Dow Jones avançou 0,3%. Na Europa, o índice Euro Stoxx 50 fechou com ganhos de 0,83%.

Veja também:
Volta às ruas e dinheiro gringo devem segurar Bolsa em alta (mas só até as eleições)

Dança das cadeiras na Petrobras

O principal motivo por trás da baixa do Ibovespa foi a Petrobras (PETR4), cujas ações fecharam em queda de 0,94%.

Durante o final de semana, Rodolfo Landim anunciou a renúncia à indicação para o conselho da companhia e, ao longo da segunda-feira, surgiram notícias de que Adriano Pires teria desistido de assumir a presidência da estatal.

Atualmente presidente do Flamengo, Landim divulgou uma nota no domingo (3) aos sócios do clube afirmando que abriu mão de sua indicação. O nome do executivo havia sido uma indicação do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

“Apesar da importância da Petrobras para o nosso país, e da enorme honra para mim em exercer este cargo, gostaria de informá-lo que resolvi abrir mão desta indicação para o ainda maior fortalecimento do Flamengo”, afirmou Landim no documento.

Mais tarde, a Coluna da Malu Gaspar, do jornal O Globo, afirmou que Pires desistiu de assumir o posto. O Palácio do Planalto e o Ministério de Minas e Energia não confirmaram a informação.

A jornalista diz que os motivos para Pires e Landim tomarem esta atitude são os mesmos – conflitos de interesse que seriam criados com a presença deles na petroleira.

Na visão da equipe de analistas da Ativa Research, o papel pode enfrentar volatilidade até que as novas indicações sejam anunciadas. “Havíamos recebido os dois nomes de forma positiva, dado suas conhecidas trajetórias e expertise no mercado de óleo e gás, bem como pela facilidade na interlocução com o Executivo disposta pela dupla”, disseram, em comentários ao mercado.

Mais sanções à vista

O clima voltou a esquentar no leste europeu depois de notícias de que centenas de civis foram mortos na cidade ucraniana de Bucha, perto de Kiev. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelesky, disse em discurso televisionado que isso tornou mais difícil negociar com a Rússia, que negou as alegações de massacre.

Com isso, autoridades do Ocidente deram sinais de que mais sanções contra a Rússia podem estar por vir. O presidente da França, Emmanuel Macron, defendeu a criação de restrições nos setores de carvão mineral e petróleo. Já o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou em entrevista coletiva que está buscando mais sanções, sem dar detalhes, e voltou a chamar o presidente russo, Vladimir Putin, de “criminoso de guerra”.

Com a expectativa de mais sanções, o petróleo Brent fechou em alta de 3%, a US$ 107,53.

O minério de ferro também subiu, dando suporte a empresas como Usiminas (USIM5) e Vale (VALE3), que tiveram altas de 1,96% e 1,01%, respectivamente.

Leia mais:
Vale (VALE3) é a ação mais recomendada pelo 4º mês seguido; veja indicações de 15 corretoras para abril

Para Rodrigo Santin, CIO da Legend, a queda do Ibovespa nesta segunda também se deve ao fato da B3 (B3SA3) ter revisado para baixo a ordem de grandeza do fluxo estrangeiro na Bolsa brasileira em 2022.

Na sexta, a operadora da Bolsa divulgou que, em vez de RS 91,1 bilhões, os estrangeiros na verdade ingressaram com R$ 64,1 bilhões no mercado brasileiro no primeiro trimestre – uma diferença de R$ 27 bilhões. Santin acredita que esse fato causou um “mau humor” geral.

Por aqui, a greve dos servidores do Banco Central continua causando perturbações na divulgação de dados econômicos. O Boletim Focus, que costuma ser publicado toda segunda-feira, não foi divulgado nesta semana.

Destaques do pregão

No fechamento, as maiores baixas do Ibovespa eram de CCR (CCRO3), Qualicorp (QUAL3) e BRF (BRFS3), com perdas de 3,09%, 2,89% e 2,5%, respectivamente. Na ponta oposta, Minerva (BEEF3), Carrefour (CRFB3) e Marfrig (MRFG3) tiveram as maiores altas do dia, de 3,05%, 2,84% e 2,77%, nesta ordem.

Nas principais notícias corporativas, a Vale comunicou, na noite de sexta-feira (1), que está em “discussões avançadas” para vender as empresas que compõem o Sistema Centro-Oeste. “Essa iniciativa de desinvestimento está em linha com a estratégia de simplificação de portfólio e foco nos principais negócios e oportunidades de crescimento, pautados pela alocação de capital disciplinada”, disse a empresa.

A Totvs (TOTS3) subiu 1,93% depois da aquisição da Gesplan, empresa de planejamento e gestão financeira, por R$ 40 milhões.

Fora do Ibovespa, a Estapar (ALPK3) teve alta de 8,65% após concluir a aquisição da Zul Digital.

Outro papel que disparou foi o de Fertilizantes Heringer (FHER3), com alta de 6,52%, depois de a companhia anunciar seu novo conselho de administração e sua nova diretora, que foram indicados pela suíça EuroChem, que comprou a Heringer no início deste ano.

A Blau Farmacêutica (BLAU3), por sua vez, subiu 5,21%. O conselho de administração da companhia, que há pouco mais de uma semana decidiu pagar dividendos em abril, aprovou o pagamento de R$ 24,9 milhões em juros sobre capital próprio.

Compartilhe: