Navegue:
Ibovespa interrompe sequência de altas e cai com pressão de commodities

Ibovespa interrompe sequência de altas e cai com pressão de commodities

Índice teve recuo de 0,29%, aos 118.737 pontos

petróleo

Foto: Pixabay

Por:

Compartilhe:

Por:

Depois de engatar oito altas seguidas, o Ibovespa inverteu o sinal e fechou o pregão em baixa, derrubado pela forte queda das commodities, em especial o petróleo, diante do aumento de casos de Covid-19 e novas medidas de bloqueio na China.

Assim, o principal índice da Bolsa de valores brasileira teve queda de 0,29%, aos 118.737 pontos, com R$ 10,44 bilhões em volume negociado. O balanço de março, porém, segue sendo de alta de 4,95%, enquanto a valorização desde o início do ano é de 13,28%.

A baixa do Ibovespa ocorre na contramão das Bolsas internacionais.  Em Nova York, o Nasdaq teve alta de 1,31%, o S&P 500 subiu 0,72% e o Dow Jones teve avanço de 0,27%. Na Europa, o índice Euro Stoxx 50 teve ganhos de 0,5%.

Petróleo derruba o Ibovespa

O petróleo tipo Brent fechou em queda de 6,71%, a US$ 109,49, impactado pela notícia de piora no surto de Covid-19 na China. A cidade de Xangai anunciou que colocará metade da cidade sob lockdown para realizar testes em massa. A percepção do mercado é que a política de bloqueios pode desacelerar a economia chinesa em 2022 – e, consequentemente, a demanda por petróleo.

Junto com o Brent, as ações de petroleiras brasileiras recuaram em bloco: Petrobras (PETR4) teve baixa de 2,17% e PetroRio (PRIO3), de 0,79%.

A estatal, aliás, ganhou uma atenção maior na reta final do pregão após a coluna Radar, da revista Veja, publicar que o presidente Jair Bolsonaro teria decidido retirar o general Joaquim Silva e Luna do comando da empresa. De acordo com reportagem, o anúncio deverá ser feito nas próximas horas.

Na direção oposta à do petróleo, o minério de ferro bateu uma máxima de sete meses na Bolsa de Dalian, em alta de 4,4%, a US$ 136,5, seguindo a decisão de China de aumentar a injeção de fundos para combater possíveis apertos de liquidez do mercado, de acordo com a agência de notícias Reuters. Com isso, a Vale (VALE3) teve alta de 0,12%, ajudando a limitar a queda do Ibovespa.

Nesta segunda-feira, a Vale atualizou os valores de reparação do rompimento da barragem em Brumadinho (MG), informando que cerca de 13 mil pessoas impactadas pelo acidente conseguiram acordos de indenização que, somados, superam R$ 3 bilhões. Além disso, a mineradora informou que pretende investir mais US$ 4,36 bilhões até 2035 para concluir o processo de descaracterização de mais 23 barragens.

A queda do petróleo também reflete as declarações do presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, que podem abrir caminho para um acordo de paz entre o país e a Rússia.

Segundo a Reuters, Zelensky falou à imprensa russa no domingo (27) e disse que a Ucrânia está aberta a discutir um status de neutralidade em relação à Rússia, abdicando de ingressar na aliança militar da Otan. Zelensky, porém, ressaltou que a Ucrânia se recusa a discutir a desmilitarização, uma das exigências da Rússia para encerrar a guerra.

Bancos Centrais também mexem com os mercados

Em outra frente, os investidores seguem de olho na política monetária dos bancos centrais, em especial do Federal Reserve. A percepção é que o Fed precisará ser mais agressivo para conter a inflação, o que é negativo para o mercado de ações. Além disso, os bloqueios na China ajudam a azedar o clima.

Diante do sentimento de aversão ao risco, o dólar, considerado um ativo de proteção, teve um dia de alta. A moeda americana subiu 0,53%, cotada a R$ 4,7726.

Por aqui, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, reafirmou, em entrevista ao programa Canal Livre, da Band, na noite de domingo (27), que um novo aumento de 1 ponto na Selic (que levaria a taxa a 12,75% ao ano) é suficiente para levar a inflação à meta em 2023.

Como sempre, ponderou que o BC pode mudar de ideia se necessário. “Se houver impacto da guerra, podemos mudar. Mas entendemos que 12,75% seria taxa capaz de levar a inflação à meta no horizonte relevante”.

Apesar disso, analistas ouvidos semanalmente do Boletim Focus continuam esperando inflação cada vez maior para este ano e o próximo. O levantamento semanal mostra que o mercado espera uma alta de preços de 6,86% em 2022 e 3,8% em 2023. Além disso, o mercado manteve a aposta em uma taxa básica de juros de 13% no final deste ano e de 9% em 2023.

Apesar da alta do dólar e da piora nas projeções do Focus, os juros futuros focaram nas declarações de Campos Neto e fecharam em baixa.

Destaques do pregão

Apesar da queda nos juros futuros, as maiores baixas do Ibovespa no fechamento eram de Locaweb (LWSA3), Copel (CPLE6) e Banco Pan (BPAN4), com perdas de 4,57%, 3,31% e 3,3%, respectivamente.

A queda da Locaweb segue o fato de que a equipe de analistas do Bradesco BBI rebaixou sua recomendação sobre a ação, explica Marcelo Oliveira, fundador e analista da Quantzed. A instituição financeira publicou um relatório na sexta-feira (25) no qual recomenda que os investidores vendam seus papéis da empresa.

Segundo a equipe de análise do banco, a recomendação foi cortada após a divulgação dos resultados do quarto trimestre de 2021 da empresa. Para eles, os números não agradaram o mercado e indicam que as margens da Locaweb serão fracas neste ano, e que as sinergias das aquisições só serão observadas em 2023.

Já a queda do Banco Pan vem depois de a companhia informar que, amanhã, será realizado um leilão na Bolsa para a venda de ações preferenciais que decorrem das frações de ações remanescentes da incorporação da Mosaico (MOSI3).

Na opinião da equipe de analistas da Ativa Investimentos, em comentários ao mercado, a queda de ações como Locaweb e Banco Pan, mais expostas à alta dos preços e da curva de juros, também reflete a piora nas perspectivas de inflação.

Os grandes bancos também caíram, depois de terem acumulado valorização na semana passada. Itaú (ITUB4) teve baixa de 0,07%; Bradesco (BBDC4), de 0,49%; Santander (SANB11), de 1,52%; e Banco do Brasil (BBAS3), de 0,96%.

Fora do Ibovespa, a petroleira Enauta (ENAT3) caiu 5,85% depois de afirmar que não encontrou petróleo no poço exploratório localizado na Bacia Sergipe-Alagoas. A companhia possui 30% de participação em nove blocos da Bacia, em sociedade com as americanas ExxonMobil e Murphy Oil.

Os frigoríficos subiram em bloco, refletindo a alta do dólar. No fechamento, as maiores altas do Ibovespa eram de Marfrig (MRFG3), Minerva (BEEF3) e Ambev (ABEV3), com ganhos de 4,02%, 3,66% e 2,93%, nesta ordem.

Em notícias do setor, a Marfrig e a Previ fecharam um acordo para apoiar a indicação de Aldo Luiz Mendes, ex-vice-presidente de finanças do banco e ex-diretor do Banco Central, para a chapa que irá compor o conselho de administração da BRF (BRFS3). Ele entrará no lugar de Oscar de Paula Bernardes Neto na chapa que havia sido proposta originalmente pela Marfrig.

A escolha da nova chapa ocorrerá em assembleia nesta segunda-feira.

Os papéis do Assaí (ASAI) subiram 2,53%, refletindo dados da consultoria McKinsey sobre a performance do setor de atacarejo no ano passado. O segmento teve alta de 10% em 2021, contra a queda de 2,55% do varejo tradicional.

Compartilhe:

Compartilhe: