Navegue:
Com tensão geopolítica, Ibovespa fecha em queda de 0,57% e zera ganhos da semana

Com tensão geopolítica, Ibovespa fecha em queda de 0,57% e zera ganhos da semana

Índice registrou recuo de 0,57%, aos 112.879 pontos

Celular com aplicativo TradeMap

Foto: João Tessari/TradeMap

Por:

Compartilhe:

Por:

O Ibovespa engatou a segunda queda seguida nesta sexta-feira (18), fechando em baixa de 0,57%, aos 112.879 pontos, derrubado pela continuidade das ameaças de conflito no leste europeu e pelo vencimento de opções sobre ações, que costuma trazer volatilidade. O volume negociado foi de R$ 18,98 bilhões.

Com as duas quedas, o saldo da semana, que teve três dias de alta, foi de recuo de 0,61%. No ano até aqui, por outro lado, o Ibovespa registra ganhos de 7,69%, enquanto o avanço desde o início de fevereiro é de 0,87%.

A mesma tensão geopolítica que pressionou o Ibovespa pesou sobre as bolsas ao redor do mundo, que sofreram também com mais uma intervenção do governo chinês sobre o setor de tecnologia.

Em Nova York, o Nasdaq teve baixa de 1,23%, o S&P 500 recuou 0,68% e o Dow Jones caiu 0,68%, no último pregão antes do feriado do Dia dos Presidentes, que manterá os mercados fechados na segunda-feira (21). Na Europa, o índice Euro Stoxx 50 fechou em baixa de 0,95%.

Tensão geopolítica segue fazendo peso

Apesar de a confirmação de uma reunião entre o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, e o ministro do Exterior da Rússia, Sergey Lavrov, na semana que vem, o alívio das tensões no leste europeu foi ofuscado por bombardeios no leste da Ucrânia e pelo anúncio do líder separatista da região, Denis Pushilin, de retirada dos residentes de sua região separatista para a Rússia, que irá fornecer acomodação para as pessoas que deixam a Ucrânia.

Leia mais:

Conflito entre Rússia e Ucrânia pode levar meses, diz UBS; saiba como se posicionar

O minério de ferro subiu 0,63% em Qingao, a US$ 130,94 por tonelada, mas caiu 1,4% em Dalian. Com este cenário, a Vale (VALE3), que chegou a registrar alta de 1% ao longo do dia, fechou em alta mais leve, de 0,21%.

Outras blue chips, como os bancos, subiram – mas sem força suficiente para sustentar o Ibovespa. Banco do Brasil (BBAS3) fechou em alta de 2,04%; Bradesco (BBDC4), de 0,57%; Santander (SANB11), de 0,88%; e Itaú (ITUB4), de 0,38%

A Petrobras (PETR4), por sua vez, teve alta de 0,61%, apesar dos preços do petróleo, que tiveram sua primeira semana negativa desde dezembro em meio a expectativas sobre um possível acordo nuclear com o Irã e à crise entre a Rússia e a Ucrânia.

Em relatório distribuído nesta sexta, o Bank of America (BofA) elevou seu preço-alvo para as ações em 18,1%, para R$ 16,50, devido às prévias operacionais fortes e à perspectiva de aumento no preço do petróleo em 2022.

Por aqui, o governo segue causando ruído no cenário fiscal, dessa vez por solicitar R$ 1,7 bilhão extra para gastos com servidores, principalmente militares e da Receita Federal, o que depende da manutenção de vetos do orçamento que ainda devem ser votados pelo Congresso.

Destaques do pregão

No fechamento, as maiores quedas do Ibovespa eram de Rumo (RAIL3), Locaweb (LWSA3) e Natura (NTCO3), com perdas de 8,81%, 7,12% e 5,65%. Na direção oposta, Cielo (CIEL3), MRV (MRVE3) e Banco do Brasil (BBAS3) tiveram as maiores altas, com avanços de 12,3%, 2,73% e 2,04%, respectivamente.

A queda da Rumo (RAIL3) veio um dia depois de a empresa reportar prejuízo líquido de R$ 384 milhões no quarto trimestre do ano passado. No mesmo período do ano anterior, a companhia havia obtido lucro líquido de R$ 3 milhões. No ano, a empresa reduziu praticamente à metade o lucro alcançado em 2020. O montante passou de R$ 305 milhões para R$ 156 milhões.

A Cosan (CSAN3), por sua vez, caiu 4,81% à espera dos resultados do quarto trimestre de 2021, que serão divulgados após o fechamento de hoje.

A JBS (JBSS3) teve queda significativa, de 2,6%, depois de o braço de participações do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), conhecido como BNDESPar, confirmar a venda de 50 milhões de ações ordinárias da companhia, que equivalem a aproximadamente R$ 1,9 bilhão. Com a venda, a participação do BNDES na empresa caiu para 19,45%.

Ainda, a JBS, que é dona de 80% da Plgrim’s Pride Corporation, uma das maiores empresas de produção de proteína animal dos EUA, anunciou na noite de ontem que desistiu de comprar o restante das ações em circulação do negócio, em um movimento que fecharia o capital da companhia, que tem papéis negociados em Nasdaq.

Na direção oposta, a Cielo disparou depois de anunciar a venda da Merchant E-Solutions, seu braço de operação nos Estados Unidos, na tentativa de aumentar o foco em seu ramo de negócios principal: serviços de pagamento no Brasil. A Merchant E-Solutions será vendida para a Sam I Acquisiton Corp., uma subsidiária da Integrum Holdings, em transação que pode chegar a US$ 290 milhões.

A alta nas ações da EDP Energias do Brasil (ENBR3), de 1,9%, segue refletindo o balanço positivo reportado nesta semana, além do anúncio de pagamento de R$ 1,2 bilhão em dividendos e juros sobre o capital próprio.

A Alliar (AALR3), fora do Ibovespa, subiu 4,76% depois de negar o pedido de convocação de uma assembleia geral extraordinária de acionistas, cujo objetivo seria deliberar a eventual suspensão do exercício dos direitos políticos do acionista Fonte de Saúde (do empresário Nelson Tanure) e dos acionistas integrantes do bloco de controle da empresa.

Compartilhe:

Compartilhe: