Resultado trimestral da Ultrapar, BB e outras companhias

Posto de combustível do Ipiranga
Ultrapar (UGPA3)

A Ultrapar registrou um lucro líquido ajustado de R$ 307 milhões no terceiro trimestre de 2019, cifra inferior em relação ao mesmo período do ano passado. A receita líquida do grupo teve queda de 3%, passando de R$ 23,8 bilhões para R$ 23,2 bilhões no 3T19 – o que reflete o preço menor dos combustíveis vendidos pela rede Ipiranga.

Para o Bradesco BBI, a Ultrapar vem apresentando uma recuperação consistente e o resultado confirma a avaliação. Enquanto o Ipiranga mostrou recuperação de participação de mercado, a Oxiteno foi beneficiada pela depreciação do câmbio e corte de custo.

Seus papéis operam em alta na Bolsa de Valores de São Paulo, com desempenho maior que 6% às 13h50 – ficando em segundo lugar na lista de maiores alta do Índice Bovespa. Acompanhe a cotação em tempo real pelo TradeMap.

Ultrapar (UGPA3), às 13h50, no TradeMap
Ultrapar (UGPA3), às 13h50, no TradeMap
Banco do Brasil (BBAS3)

O Banco do Brasil mostrou um resultado forte no terceiro trimestre deste ano. A companhia apresentou lucro líquido contábil de R$ 4,25 bilhões, um crescimento de 34% no comparativo anual.

Já o lucro ajustado atingiu o valor de R$ 4,54 bilhões no 3T19, o que representa uma alta de 33,5% em relação ao mesmo intervalo de tempo de 2018 – e segue linha com o resultado ajustado.

“O resultado do trimestre foi influenciado pelos aumentos da margem financeira bruta e da recuperação de crédito, que impactou na redução da Despesa de PCLD Líquida”, informou em seu release o BB.

Para o Itaú BBA, “o lucro superou as estimativas do consenso em 4%, explicadas por margens financeiras mais fortes, provisões para perdas com empréstimos mais baixas e uma taxa tributária efetiva mais baixa”.

As ações do Banco do Brasil registravam alta de 0,21% às 14h, mas aponta um crescimento tímido frente ao Ibovespa.

Banco Inter (BIDI4)

O Banco Inter (BIDI3; BIDI4; BIDI11) reportou queda de 38,1% em seu lucro líquido do terceiro trimestre de 2019, passando de R$ 19,1 milhões no 3T18 para R$ 11,8 milhões. Entre janeiro e setembro deste ano, a companhia acumula alta de R$ 56,8 milhões.

De acordo com analistas, o balanço reflete a dificuldade que o Banco Inter vem enfrentando para monetizar sua base crescente de clientes.

Em seu relatório financeiro, o banco aponta que atingiu a marca de 3,3 milhões de contas digitais, um valor 211% superior em relação ao mesmo período de 2018. Em setembro, a companhia registrou mais de 12 mil novas contas por dia útil.

Apesar do resultado atingir R$ 297,3 milhões em receitas gerais, crescimento anual de 37,8%, o lucro reportado pesou na avaliação do mercado e seus ativos registram forte queda durante o pregão desta quinta-feira, 7. As units do Inter apresentavam desempenho negativo de mais de 5% às 14h20.

Gráfico diário de BIDI4
Azul (AZUL4)

A companhia aérea Azul obteve prejuízo líquido de R$ 438 milhões no terceiro trimestre de 2019, enquanto no 3T18 houve prejuízo de R$ 47,8 milhões.

Além do mais, a Azul também divulgou o resultado excluindo a variação cambial, fechando com lucro líquido de R$ 441,4 milhões, alta de 56,7% frente ao mesmo período do ano anterior.

“Nossa receita total aumentou 25% na comparação anual, alcançando um valor recorde de R$ 3 bilhões, e, ao mesmo tempo, nossa margem operacional expandiu para 18,5%, mantendo nossa posição como uma das aéreas mais rentáveis do mundo”, disse a Azul em nota.

Carrefour (CRFB3)

O Grupo Carrefour Brasil teve lucro líquido ajustado de R$ 448 milhões no terceiro trimestre de 2019, uma cifra 14,7% maior do que o número registrado entre julho e setembro de 2018.

As vendas brutas também apresentaram um bom resultado, atingindo a marca de R$ 15,143 bilhões, crescimento de 8,4%.

Movida (MOVI3)

A Movida registrou lucro líquido de R$ 60,2 milhões no terceiro trimestre deste ano, número 45,8% maior do que o mesmo período de 2018. De acordo com a empresa, esse foi o maior valor reportado durante o intervalo de três meses.

Assim como o lucro, a receita líquida também teve desempenho positivo, somando R$ 960,8 milhões no 3T19, crescimento de 57,1% frente ao 3T18.

Comgás (CGAS5)

A Comgás divulgou seu lucro líquido do 3T19 com crescimento de 100% em relação ao 3T18, passando de R$ 187,4 milhões para R$ 437,8 milhões. Já o lucro normalizado somou R$ 372,9 milhões entre julho e setembro deste ano, alta de 27,1 p.p. frente ao mesmo intervalo de tempo de 2018.

“A receita líquida da companhia atingiu R$ 2,6 bilhões no período, refletindo o repasse do aumento do custo do gás nas tarifas, reflexo da variação cambial, que é uma das referências dos contratos de fornecimento de gás”, informou a Comgás em nota.

NotreDame (GNDI3)

A NotreDame apresentou lucro líquido de R$ 99,7 milhões entre julho e setembro de 2019, o que representa uma alta de 5,9% ante o 3T18, quando reportou R$ 94,2 milhões. Já o lucro líquido ajustado fechou o trimestre em R$ 155,7 milhões, crescimento de 22,4%.

Guararapes (GUAR3)

A dona da Riachuelo, Guararapes, encerrou o terceiro trimestre de 2019 com queda de 18,5% no comparativo anual, passando de R$ 83,3 milhões para R$ 67,9 milhões.

Por sua vez, a receita líquida consolidada cresceu 9,2%, atingindo R$ 1,885 bilhão no 3T19.

Foto: Divulgação

Escrever um comentário