Petrobras prevê investir US$ 13 bilhões até 2025 na Bacia de Campos

A petroleira tem focado nos ativos com potencial de gerar mais valor no médio e no longo prazo e possibilidade de maior lucratividade

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

A Petrobras divulgou seu plano de investimento na última quarta-feira, 21, e prevê aplicar US$ 13 bilhões na Bacia de Campos entre os anos de 2021 e 2025.

A petroleira tem focado nos ativos com potencial de gerar mais valor no médio e no longo prazo e possibilidade de maior lucratividade.





Ela produz atualmente 710 mil barris de óleo equivalente (boe) por dia na Bacia de Campos, o que representa 25% da produção de óleo e gás no Brasil. São cerca de 280 poços produtores e 29 plataformas marítimas em operação, que produzem tanto no pós-sal quanto no pré-sal.

Segundo a companhia, essa bacia petrolífera continuará com forte produção, destacando que já foram investidos na região nos últimos 10 anos US$ 53 bilhões, colocando em operação mais de 270 poços, além de 10 novos sistemas de produção.

Leia também:   Eztec registra alta de 20,7% em suas vendas líquidas no 2º trimestre

Ainda está programada para 2023 a instalação de duas plataformas no campo de Marlim, com capacidade de produzir, juntas, 150 mil barris de petróleo por dia (bpd) e processar 560 mil barris de líquidos por dia.

De acordo com a Petrobras, essas plataformas permitirão a ampliação da produção das jazidas até 2048 com a continua geração de riquezas e a manutenção de empregos e serviços de apoio na região.

Além disso, a estatal prevê uma unidade para 2024 para o complexo integrado do Parque da Baleias, com potencial de produzir sozinha 100 mil bpd de óleo e processar 240 mil barris de líquidos por dia.





Outro aspecto positivo dessa estratégia é que, com novos donos, esses ativos têm recebido investimentos para potencialização da produção, pelo menos seis novas empresas passaram a atuar na região. Empresas que adquiriram campos na região que eram operados pela Petrobras têm promovido uma dinamização do setor de óleo e gás e perspectivas de incremento nas economias locais.

Leia também:   Magalu confirma follow on restrito de R$ 3 bilhões

Segundo dados da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), quatro das empresas que compraram ativos na região já apresentaram planos de desenvolvimento que somam R$ 13,2 bilhões.

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp