Arábia Saudita suspende compras de 11 frigoríficos brasileiros

O país é o segundo maior comprador da carne brasileira, ficando atrás somente da China

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

A Arábia Saudita suspendeu a compra de carne de aves de 11 frigoríficos brasileiros por contaminação microbiológicainformou o governo federal nesta quarta-feira, 12, pelo site oficial. 

A suspensão foi publicada pela Saudi Food and Drug Authority (SFDA) na quinta-feira passada, 06, na nova lista de plantas brasileiras autorizadas a exportar, excluindo os referidos estabelecimentos. 





O comunicado oficial da Arábia Saudita à Embaixada do Brasil em Riade foi feito somente três dias depois da publicação, em 09 de maio. 

A SFDA informou que a suspensão terá vigência a partir do dia 23 deste mês, com a justificativa de que os produtos exportados pelas empresas envolvidas teriam ultrapassado limites e padrões microbiológicos. 

Vale ressaltar que país é o segundo maior comprador da carne brasileira, ficando atrás somente da China.  

“Não foram apresentados dados a respeito dos limites suspostamente ultrapassados, nem dados científicos acerca da metodologia utilizada nas análises que teriam sido realizadas. O Itamaraty [Ministério das Relações Exteriores do Brasil] tampouco foi informado pelas autoridades sauditas da natureza das detecções”, disseram os ministérios de Relações Exteriores e da Agricultura em nota conjunta  

 Na nota, os ministérios ainda afirmam que não houve a possibilidade de apresentação de defesa técnica pelo Brasil. 

Veja quais frigoríficos foram suspensos: 

  • Seara Alimentos (5 unidades)em Brasília (DF), Amparo (SP), Campo Mourão (PR), Ipumirim (SC), Caxias do Sul (RS);
  • Vibra Agroindustrial (3 unidades)em Pato Branco (PR)Itapejara D’Oeste (PR) e Sete Lagoas (MG);
  • JBS (2 unidades): em Passo Fundo (RS) e Montenegro (RS);
  • Agroaraçá (1 unidade): em Nova Araçá (RS). 

Foto: JBS/Dilvulgação





Leia também:   Presidente do BCE vê aumento da inflação na zona do euro em 2021

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp