BC altera regras do compulsório e mudanças devem injetar R$ 135 bi na economia

Bacen, foto de Rahel Patrasso - Xinhua
Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

[vc_column width=”1/1″][vc_column_text css=”.vc_custom_1580925754915{padding-right: 13% !important;padding-left: 13% !important;}”]

O Banco Central anunciou nesta quinta-feira, 20, alterações nos depósitos compulsórios. De acordo com a autarquia monetária, as medidas podem injetar R$ 135 bilhões na economia brasileira a partir de março, quando as mudanças ocorrem.

Vale lembrar que o compulsório é formado por uma parte do dinheiro depositado nos bancos pelos correntistas. Esses recursos ficam mantidos no Banco Central e são utilizados para ter uma estabilidade financeira e combater a inflação do país.

Uma das medidas anunciadas pelo BC reduz a parcela recolhida compulsoriamente de recursos a prazo, passando de 31% para 25%. A medida, que entra em vigor a partir de 16 de março, liberará R$ 49 bilhões na economia, aponta a instituição bancária.

A outra ação foi o aumento da parcela dos recolhimentos compulsórios considerados no indicador de Liquidez de Curto Prazo (LCR). Na prática, essa medida significa uma redução estimada em R$ 86 bilhões na necessidade de as instituições carregarem outros ativos líquidos de alta qualidade (High Quality Liquid Assets – HQLA) necessários para o cumprimento do LCR.

“Em decorrência das duas medidas, o percentual de cada nova captação de depósito que a instituição financeira deve direcionar para o cumprimento desses requisitos regulatórios deve se reduzir em média em 8,5 pontos percentuais”

disse o Bacen em nota à imprensa

Entretanto, apesar dos bancos terem mais dinheiro disponível com a mudança, eles não são obrigados a liberá-lo para empréstimo. Com isso, a injeção na economia pode ficar aquém do estimado.

Foto: Rahel Patrasso/Xinhua

[/vc_column_text][/vc_column]

Leia também:   Lá vamos nós de novo: mercados tombam com variante africana; veja os cenários

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Tags:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

BLACK

WEEK

tag
Dias
Horas
Min.
Seg.