Navegue:
Um novo capítulo: Musk ironiza atual CEO do Twitter (TWTR34) e compra segue suspensa; ação cai

Um novo capítulo: Musk ironiza atual CEO do Twitter (TWTR34) e compra segue suspensa; ação cai

Ações do Twitter caíram 8,18% na bolsa de Nova York (NYSE) na segunda, cotadas abaixo do valor do fim de abril

Logo da rede social Twitter na tela do smartphone no carrinho de compras com dinheiro e foto de Elon Musk em segundo plano

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

Elon Musk voltou a se manifestar a respeito da compra do Twitter. Desta vez, o bilionário fundador da Tesla ironizou o atual CEO da empresa, Parag Agrawal, que publicou uma série de tuítes explicando que o processo de eliminar contas fakes, motivo pelo qual o comprador decidiu suspender a aquisição, não era fácil.

Agrawal argumentou na segunda-feira (16) que menos de 5% dos usuários diários da rede social têm contas voltadas para spam. Depois disso, publicou: “Nossa estimativa é baseada em várias revisões humanas (em réplicas) de milhares de contas, que são amostradas aleatoriamente, de forma consistente ao longo do tempo, de contas que contamos como usuários diários ativos e monetizáveis. Fazemos isso a cada trimestre e fazemos isso há muitos anos”.

Musk então respondeu: “Já tentou ligar para eles?”, e posteriormente o bilionário ironizou outro tuíte do atual CEO com um emoji de cocô “💩”.

Nesta terça-feira (17), Musk declarou em seu perfil no twitter que sua oferta foi baseada “na precisão dos registros da SEC do Twitter”. E completou dizendo que o CEO do Twitter teria se recusado publicamente a mostrar uma prova de que menos de 5% dos perfis seriam de contas falsas”. “O acordo não pode avançar até que ele o faça”, finalizou.

Como resultado, as ações da rede social caíram 8,18% na bolsa de Nova York (NYSE) na segunda, e fecharam o pregão avaliadas em US$ 37,39, um valor menor que o do fim de abril, quando Musk fez a proposta. Nesta terça, por volta das 10h50, as ações caíam 1,43% no mercado americano.

Relembre o caso

A negociação para compra do Twitter começou no início de abril, quando Musk se tornou um dos principais acionistas da companhia, ao adquirir 9% das ações da empresa. Na ocasião, de acordo com um documento publicado pelo Twitter na SEC (a Comissão de Valores Mobiliários americana), o bilionário comprou cerca de 73,5 milhões de papéis da companhia, pelo valor de US$ 2,9 bilhões.

Posteriormente, o empresário recusou um assento no conselho de administração do Twitter, depois de ter insinuado que faria mudanças na empresa após se tornar um acionista relevante.

A indicação de Musk para o conselho do Twitter foi anunciada no dia 5 de maio e seu ingresso no colegiado seria formalizado no dia 9, mas o executivo-chefe da companhia, Parag Agrawal, divulgou um comunicado dizendo que o dono da Tesla havia recusado o cargo.

Vale ressaltar que Musk sempre fez críticas públicas à rede social, chegando a afirmar no passado que o Twitter estaria prejudicando a democracia ao não aderir aos princípios de liberdade de expressão.

Depois de recusar a posição no conselho, começaram a surgir os boatos de que Musk iria comprar a empresa. Segundo uma notícia da Reuters do dia 25 de abril, o Twitter fecharia a venda por cerca de US$ 43 bilhões em dinheiro. Na mesma data, o jornal americano The Wall Street Journal informou que a rede social e o dono da Tesla haviam se reunido para discutir uma proposta e que o valor teria chegado a US$ 46,5 bilhões.

Leia mais:
Tudo calculado: Por que Elon Musk comprou o Twitter, afinal?

O dono da Tesla confirmou depois a operação de compra, por cerca de US$ 44 bilhões. Pelos termos acordados, Musk fecharia o capital do Twitter, que tem ações negociadas em Bolsa desde o fim de 2013.

Quase 20 dias depois de anunciar a aquisição, contudo, Musk afirmou na última sexta-feira (13) que o acordo para a compra está temporariamente suspenso, colocando a rede social em compasso de espera. A iniciativa tem reverberado nas ações da rede social tanto aqui quanto nos Estados Unidos.

Em post publicado em seu perfil na própria rede social, o bilionário afirmou que suspendeu a iniciativa porque aguarda mais detalhes a respeito da quantidade de contas falsas existentes no site. E, inclusive,ssa era uma das condições para a compra, de que a plataforma tivesse menos de 5% de perfis deste tipo.

Compartilhe: