Navegue:
Varejo surpreende em abril, mas 2º tri deve desacelerar em relação ao 1º

Varejo surpreende em abril, mas 2º tri deve desacelerar em relação ao 1º

Comércio atinge o quarto mês consecutivo de alta com avanço de 0,9%; inflação pressionada e juros devem mudar cenário positivo

Shopping Corredor

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

As vendas no varejo subiram 0,9% em abril ante março, o quarto mês seguido de resultado positivo, conforme dados divulgados nesta sexta-feira (10) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Em paralelo com abril do ano passado, o salto foi de 4,5%.

O desempenho do comércio veio bem acima do esperado pelo mercado. Analistas ouvidos pela Reuters projetavam aumento de 0,4% na comparação mensal, e de 2,6% na base anual.

O resultado de abril indica que o consumo das famílias brasileiras deve se sustentar no campo positivo no segundo trimestre, apesar de em menor grau em relação ao avanço de 1,3% observado entre janeiro e março, afirmam analistas ouvidos pela Agência TradeMap.

Para Luciano Rostagno, estrategista-chefe do Banco Mizuho, o desempenho é reflexo dos programas para estimular a economia lançados pelo governo federal nos últimos meses, como a liberação dos saques de FGTS e a distribuição do Auxílio Brasil para as famílias de baixa renda. 

“Os dados sugerem que o consumo continuou dando suporte para o crescimento da economia no começo do segundo trimestre”, afirma.

⇨ Acompanhe seus ganhos e gastos e cuide melhor do seu dinheiro. Baixe o GranaMap!

Eduardo Vilarim, economista do Banco Original, também chama a atenção para a manutenção da força do varejo a despeito da retomada mais robusta do setor de serviços, que subiu após o arrefecimento das medidas de distanciamento social impostas pela pandemia da Covid-19.

Leia mais:
IPCA surpreende e reduz chance de alta de juros em agosto, mas receio com inflação continua

“No começo do ano se acreditava que aconteceria uma troca entre os bens de consumo pelas atividades presenciais. Mas o que se observa é que os dois setores estão avançando”, diz.

Inflação e juros devem pressionar vendas

Apesar de os resultados de abril terem surpreendido positivamente, a desaceleração em comparação aos meses anteriores acende um sinal de alerta. Em janeiro, as vendas do varejo cresceram 2,4%, seguido por duas altas consecutivas de 1,4% em fevereiro e março, para o avanço de 0,9% em abril.

A perda de fôlego é reflexo da corrosão do poder de compra das famílias pela inflação. Em abril, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) bateu o pico de 12,13% em 12 meses, o registro mais alto para o mês desde 2003.

Mesmo com o corte para 11,73% nos 12 meses encerrados em maio, a inflação pressionada acima dos dois dígitos deve impactar no bolso dos brasileiros, e, consequentemente, na queda do consumo a partir do segundo semestre.

“É o mesmo movimento que observamos no passado, quando o governo também adotou medidas para alavancar o consumo, mas com efeito limitado e que depois perde força na medida que a inflação corrói o poder de compra”, diz Rostagno.

Copom se reúne na semana que vem

Para Claudia Moreno, economista do C6 Bank, os dados de abril são um prenúncio de uma queda a partir dos próximos meses. “Seguimos com a visão de que comércio e serviços estão tomando um último fôlego antes da desaceleração projetada para o segundo semestre”, disse.

O esfriamento econômico previsto para o segundo semestre também passa pelo aumento dos juros pelo Banco Central para tentar controlar a variação de preços.

O Copom (Comitê de Política Monetária) se reúne na próxima semana para definir novo aumento da Selic, atualmente a 12,75% ao ano. O consenso do mercado é para o acréscimo de 50 pontos-base, elevando a taxa para 13,25%.

Há expectativa de novo aumento no encontro marcado para agosto, também de 50 pontos-base, encerrando o ciclo de alta em 13,75% ao ano.

Apesar de os juros estarem em elevação há mais de um ano, foi somente a partir do fim de 2021 que a taxa alcançou níveis contracionistas, ou seja, quando cria dificuldades para a economia com o encarecimento do crédito.

Como há o efeito de defasagem de cerca de seis meses, o impacto real do aperto deve começar a ser sentido a partir do segundo semestre.

Apesar das pressões do IPCA e dos juros, Vilarim chama a atenção para a recuperação acima do esperado do mercado de trabalho como um fator de alento ao setor.

“Dependendo da composição do IPCA e dos salários, podemos ver a massa salarial aumentando, e se for em um nível satisfatório, pode haver um efeito positivo”, explica.

Compartilhe:

Compartilhe: