Navegue:
Produção industrial cai 0,4% em junho após quatro meses de alta

Produção industrial cai 0,4% em junho após quatro meses de alta

Setor acumula queda de 2,2% no primeiro semestre e de 2,8% nos últimos 12 meses

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

Após quatro meses de alta, a produção industrial recuou 0,4% em junho na comparação com maio, de acordo com dados divulgados nesta terça-feira (2) pelo IBGE. A última queda da indústria aconteceu em janeiro deste ano, com um tombo de 1,9%.

Com o resultado do mês retrasado, que veio um pouco pior do que o esperado – analistas ouvidos pela Reuters esperavam uma queda de 0,3% – a produção industrial acumula queda de 2,2% no primeiro semestre e de 2,8% em 12 meses.

“A indústria não havia recuperado a perda de janeiro mesmo com os quatro meses de crescimento em sequência, período em que houve alta acumulada de 1,8%”, apontou o gerente da pesquisa, André Macedo, no material de divulgação do levantamento. “Isso reflete as dificuldades que o setor industrial permanece enfrentando, como o aumento nos custos de produção e a restrição de acesso a insumos e componentes para a produção de bem final.”

De acordo com o pesquisador, o comportamento do setor vem sendo marcado por paralisações da atividade industrial e reduções de jornada de trabalho. A indústria ainda vem sendo impactada pelo aumento nos juros e redução da renda das famílias.

“Ainda que a taxa de desocupação venha caindo nos últimos meses, há um contingente de aproximadamente 10 milhões de desempregados no país. A característica dos postos de trabalho que estão sendo criados aponta para uma precarização do mercado de trabalho e isso é refletido na massa de rendimento, que não está crescendo.”

 

De acordo com o IBGE, a variação negativa foi disseminada pela maior parte das atividades econômicas acompanhadas pela pesquisa, com destaque para produtos farmoquímicos e farmacêuticos, que recuaram -14,1%.

Juros altos e recessão global são desafio

Os dados são divulgados na véspera da decisão sobre juros do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central), que deve subir a taxa básica a 13,75% ao ano nesta quarta-feira. Para parte dos economistas, um cenário de fraqueza da atividade no final do segundo trimestre pode deixar o BC mais confortável para anunciar que vai parar de subir juros no encontro desta semana.

Em maio, mesmo em um ambiente de inflação elevada, aumento de custos e falhas na cadeia mundial de suprimentos, a produção industrial brasileira havia conseguido avançar 0,3%, a quarta alta consecutiva e superior à observada em abril.

Leia mais: 
Inflação e falta de insumos tiram fôlego da indústria, que deve sofrer mais no 2º semestre

Os dados de junho são uma prévia das dificuldades que o setor terá que enfrentar no segundo semestre: um ambiente de juros altos no Brasil e possibilidade de recessão global com o aperto monetário em economias de peso, como a americana.

⇨ Quer buscar um alto retorno com risco controlado? Na Renda Fixa, é possível! Inscreva-se neste curso gratuito!

 

Compartilhe:

Compartilhe: