Ordem na Bolsa: o que é e como funciona?

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Ao tomar a decisão de investir na bolsa de valores e abrir o home broker pela primeira vez, você provavelmente teve que lidar com a seguinte situação: escolher um tipo de ordem para prosseguir com a aplicação. Mas, afinal, o que isso quer dizer?

Basicamente, as ordens são instruções enviadas da sua corretora à bolsa para, assim, operar a venda ou compra de algum título. Entender esse processo é necessário para que o procedimento seja efetuado com sucesso.





Neste artigo vamos abordar os tipos de ordens na bolsa e para que cada uma serve. Vamos nessa, investidor(a)?

Veja também: o que é horizonte de investimento? 

Ordens na bolsa - Infográfico desenvolvido por TradeMap
Infográfico desenvolvido por TradeMap





Tipos de ordens

No mercado acionário existem vários tipos de ordens para operar na bolsa de valores, entre eles:

Ordem limitada
Ordem a mercado
Ordem stop loss
Ordem stop móvel

Abaixo explicamos as principais características e diferenças entre eles. Veja só:

Ordem limitada

A ordem limitada, como o próprio nome já diz, limita um preço da operação. Dessa forma, é possível ter controle total do procedimento, ficando assim:

  • Ordens de venda: limite de valor mínimo

  • Ordens de compra: limite de valor máximo

Geralmente a ordem limitada é usada por quem não costuma acompanhar o mercado acionário e, por isso, deseja adquirir determinado papel por um preço menor ou vendê-lo mais caro. Vale lembrar que neste caso é importante selecionar a data de validade da ordem.

Para que este tipo de ordem na bolsa seja, de fato, executada, é necessário chegar ao preço desejado ou ainda melhor – abaixo do valor para comprar e acima da quantia para vender. Vamos a um exemplo?

Imagine que cada ativo do TradeMap seja negociado a R$ 15 na bolsa de valores, mas João deseja comprar um papel por R$ 14,95. Neste caso, ele faria uma ordem limitada de compra no valor determinado e ela só seria executada caso a ação chegasse a R$ 14,95 ou abaixo disso.

Ordem a mercado

A ordem a mercado é a mais usada por investidores na hora de operar na bolsa de valores. Isso ocorre porque ela é um tipo de ordem em que faz a negociação de modo quase instantâneo.

No momento em que um acionista faz uma ordem a mercado, colocando a quantidade de ações que deseja comprar ou vender, a negociação dos papéis é feita de forma imediata pelo preço em vigor naquele momento.





Portanto, a ordem a mercado qualifica a quantidade e características dos ativos a serem comprados ou vendidos, sem que o preço seja fixado ou vinculado a uma data de validade.

Dessa forma, em uma negociação de compra, a ordem é executada pelo melhor preço de venda no momento solicitado. Já na negociação de venda, a ordem é realizada pelo preço do melhor comprador.

Para encerrar este tópico, podemos dizer que a ordem a mercado nada mais é do que a forma mais rápida para operar no mercado acionário.

Ordem stop loss

O mercado acionário proporciona também um parâmetro de preço para que a compra ou venda seja, de fato, efetuada. Ela é chamada de ordem stop loss, o que significa que o investidor pode programar um valor e, quando ele for atingido, o sistema dispara uma ordem limitada.

Na prática, a ordem stop loss é usada como um limitador de preço e, assim, evitar que o investidor tenha grandes perdas. Após delimitar o valor para o ativo – um pouco abaixo do preço normalmente operado –, caso o papel caia até essa faixa, ela é executada imediatamente.

Se o preço obtiver o efeito contrário e as ações aumentarem, a ordem stop loss não será executada.

Ordem stop móvel

Nesta etapa, a ordem stop móvel é muito semelhante à ordem stop loss, sendo que aqui o investidor tem uma ajuda para proteger seus ganhos.



O trader pode colocar esse tipo de ordem em prática baseado em uma porcentagem de mercado. Dessa forma, caso a ação suba, a ordem não é executada, continuando a gerar lucros. No entanto, se o preço do ativo cair, a ordem de venda é realizada.

Em uma linguagem mais simples, ao adquirir um título e constatar sua valorização, o acionista executa a ordem stop móvel para evitar perda de dinheiro com uma potencial desvalorização.

Foto: Simon Dawson/Reuters 

Gostou do artigo? Então deixe seu comentário abaixo e participe desse texto também! Ah, e baixe o TradeMap para ficar por dentro do mercado financeiro! Até a próxima, investidor!

googleplay
appstore
Leia também:   O que é a renda fixa? Conheça os primeiros passos para começar a investir

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp