Bolsas mundiais caem nesta sexta com retorno da aversão ao risco

Os investidores deverão ficar de olho nas diversas divulgações de indicadores de atividade e de inflação que estão saindo lá fora e por aqui

Mapa mundi pixabay
Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

Nesta sexta-feira (1º), as bolsas globais sinalizam dia de cautela, com o retorno da aversão ao risco com a proximidade do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) em diminuir seus estímulos monetários e com o aumento dos temores sobre desaceleração do crescimento econômico.

Além disso, inflação elevada, gargalos na cadeia de suprimentos, crise energética global e riscos regulatórios provenientes da China também seguem no radar dos investidores.

Na Ásia, os mercados fecharam em queda, salvo a bolsa chinesa, que segue fechada por conta do feriado local.

No mesmo caminho, as bolsas europeias abriram no campo negativo, refletindo a divulgação dos indicadores de atividades e de inflação.

O índice de gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) industrial da zona do euro caiu de 61,4 em agosto para 58,6 em setembro, atingindo o menor patamar desde fevereiro, de acordo com pesquisa final divulgada pela IHS Markit.

Leia também:   Azul (AZUL4) deve continuar sob pressão após Latam rejeitar fusão, diz Morgan

O destaque da queda na atividade se deve aos gargalos na cadeia de oferta, provocando pressões sobre os custos das matérias-primas, que podem persistir e manter a inflação elevada. Apesar da queda, o resultado está bem acima da marca de 50, o que aponta que a manufatura do bloco continua subindo.

Enquanto isso, a taxa anual de inflação ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) da zona do euro atingiu 3,4% em setembro, apresentando aceleração se comparado à alta de 3% observada em agosto, segundo dados preliminares divulgados pela agência de estatísticas da União Europeia, a Eurostat.

Na Alemanha, o PMI industrial também apresentou reduções, saindo de 62,6 em agosto para 58,4 em no mês passado. Foi o menor nível em oito meses, segundo a IHS Markit.

Já os futuros americanos acompanham a elevação ao risco, mostrando dia de cautela. Na agenda econômica dos Estados Unidos teremos a divulgação de indicadores de atividade e de inflação.

Leia também:   Bolsas globais operam sem tendência nesta quinta; PEC e PIB ganham os holofotes por aqui

Além disso, o mercado deverá acompanhar o desenrolar do pacote de infraestrutura de Joe Biden. A presidente da Câmara americana, Nancy Pelosi, deverá aprovar o texto ainda hoje.

Em relação às commodities, o preço do petróleo apresenta leve baixa, enquanto o minério de ferro segue sem cotação por conta do feriado chinês.

No Brasil, os investidores deverão ficar de olho nas diversas divulgações de indicadores de atividade e de inflação que estão saindo lá fora e por aqui.

Às 10h, no horário de Brasília, será divulgado o PMI industrial relativo a setembro. Na agenda, ainda tem a palestra do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, às 11h.

Além da agenda, os investidores também deverão acompanhar o desenrolar do auxílio emergencial na PEC dos Precatórios e as tensões sobre o preço dos combustíveis e do gás de cozinha.

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais

Não vá ainda...

Baixe o nosso App!

O maior hub do mercado financeiro
na palma da sua mão!

Popup out planos