Vale faz acordo para aumentar capacidade do projeto de energia solar

O projeto “Sol do Cerrado” em Minas Gerais tem operação prevista para o último trimestre de 2022

Vale
Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

A mineradora Vale (VALE3) fechou acordo com a empresa norte-americana Nextracker para a compra de  painéis fotovoltaicos com rastreadores para seu complexo de geração solar em Minas Gerais. 

A tecnologia dos rastreadores permite que os painéis fotovoltaicos sigam o movimento do sol durante o dia, de modo que a produtividade e capacidade de captação da energia solar aumente. 



O projeto solar “Sol do Cerrado” da Vale começou em dezembro do ano passado, quando a companhia estimou investimentos na ordem de US$ 500 milhões para a implementação do empreendimento, com operação prevista para o último trimestre de 2022.

De acordo com a Nextracker, os rastreadores solares, também conhecidos como “trackers”, resultam em ganhos de desempenho de 20% a 30% ao permitir que os painéis captem melhor a luz do sol. O fornecimento acordado é o suficiente para atender os 766 megawatts de capacidade das usinas, que ficarão na região mineira de Jaíba.

“Para esse projeto, devemos começar o fornecimento agora depois da metade do ano, entre agosto, setembro, e terminar em 2022, aproximadamente no final do primeiro trimestre”, disse o diretor de vendas da Nextracker para o Brasil, Nelson Falcão.

“Sol do Cerrado” 

Ao anunciar o projeto solar em Minas Gerais, a Vale disse esperar que o complexo reduza em cerca de US$ 70 milhões os custos anuais da empresa com energia elétrica.



Também destacou na ocasião que o investimento é alinhado com sua agenda de ações ligadas a questões ambientais, sociais e de governança (ESG). 

Entre as metas da mineradora estão reduzir as emissões absolutas de carbono em 33% até 2030 e se transformar em uma empresa com emissão líquida zero nos chamados escopos 1 e 2 até 2050.

Um total de US$ 2 bilhões devem ser destinados às medidas para a redução de suas emissões de carbono.

*com informações de Reuters 

Leia também:   Neoenergia conclui aquisição de participações na Coelba, Cosern e Afluente T com a Previ

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais