Sequoia Logística define faixa indicativa e pode movimentar R$ 1,1 bilhão em IPO

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

A Sequoia Logística e Transportes definiu entre R$ 14,25 e R$ 17,75 a faixa indicativa de preços na sua oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês).

Se considerarmos o meio da faixa, de R$ 16, e a quantidade de 70.175.438 ações na oferta base, a operação pode movimentar cerca de R$ 1,123 bilhão.





De acordo com o prospecto enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), há a possibilidade de a oferta ser acrescida em até 20% com um lote adicional, ou seja, 14.035.088 papéis, e com um lote suplementar de até 15%, ou 10.526.315 ativos ordinários.

O IPO consiste na distribuição primária, quando os recursos levantados vão para o caixa da companhia, e secundária, quando os atuais acionistas vendem parte de suas fatias ao mercado. Considerando o meio da faixa indicativa, as ofertas podem movimentar R$ 449,123 milhões e R$ 637,684 milhões, respectivamente.

O documento entregue à CVM aponta que o procedimento de bookbuilding deve terminar no 5º dia de outubro e, assim, fixar o preço por ação da oferta pública.

Segundo o jornal Valor Econômico, os principais acionistas vendedores são a gestora Warbug Pimcus, que tem uma fatia de 70,50% e pode reduzir para até 10,67%, se forem exercidos os lotes adicional e suplementar; Fram Capital, que tem 26,20% e pode cair para até 12,16%; e o fundador Armando Marchesan Neto, que tem 0,60% e pode cair para 0,49%.

O início da negociação das ações na Bolsa de Valores de São Paulo está previsto para 7 de outubro, com liquidação um dia depois, sob o ticker SEQL3.





A operação é coordenada pelo BTG Pactual, Santander, Morgan Stanley e ABC Brasil.

O que é bookbuilding?

De um modo resumido, o bookbuilding é o processo em que o coordenador da oferta estuda e avalia, em conjunto com os investidores, como seria a demanda de seus ativos no mercado.

Dessa forma, a empresa que pretende abrir capital ou fazer novas ofertas deve saber qual a intenção de compra dos acionistas e chegar a um preço razoável para o IPO ou novas ofertas (follow on). Leia mais.

Foto: Divulgação

Leia também:   Nubank recebe aprovação do BC para adquirir a Easynvest

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp