Senado dos EUA aprova pacote de US$ 2 trilhões para aliviar impactos do Covid-19 na economia

Senados EUA, foto de Tom Brenner - Reuters

O senado dos Estados Unidos aprovou na madrugada desta quinta-feira, 26, por unanimidade, um pacote de estímulos de US$ 2 trilhões para aliviar impactos da pandemia do novo coronavírus na economia do país. O plano deve ajudar trabalhadores, empresas e o sistema de saúde.

→ Leia também: Presidente do Fed diz que EUA já podem estar em recessão por conta do coronavírus

Após ser aprovado por 96 votos, o texto será votado pela Câmara dos Representantes, controlada por democratas, na sexta-feira, 27, antes de ser promulgado pelo presidente Donald Trump.

Do valor total do pacote, US$ 500 bilhões vão ser destinados para financiar empresas, cidades e Estados, enquanto desse montante, US$ 58 bilhões vão para companhias aéreas de passageiros e de carga – um dos setores mais afetados pelo Covid-19, já que mexe na demanda de voos.

O valor equivalente a aproximadamente R$ 10,2 trilhões representa um montante maior que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em valores correntes – em 2019, ficou em R$ 7,3 trilhões.

Na última terça-feira, a Organização Mundial de Saúde (OMS) alegou que está vendo “aceleração muito grande” em número de casos de coronavírus nos EUA, o que representa potencial para o país se tornar o novo epicentro do vírus.

O que está previsto no pacote?

O pacote prevê remuneração direta à maioria dos americanos, ampliação de benefícios de seguro-desemprego, dinheiro para estados e programa para pequenas empresas poderem remunerar seus funcionários que precisam ficar em casa como medida de contenção à pandemia do Covid-19.

De acordo com a agência Reuters, o plano também deve incluir:

  • US$ 350 bilhões para empréstimos a pequenas empresas e 250 bilhões para auxílio-desemprego
  • US$ 100 bilhões para hospitais e sistemas de saúde, junto com dinheiro adicional para outras necessidades ligadas a saúde
  • US$ 150 bilhões para ajuda a governos locais e estatais para combaterem o surto

Foto: Tom Brenner/Reuters

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram
Compartilhar no reddit
Compartilhar no whatsapp

Assine a nossa Newsletter!