Senado aprova a MP da Eletrobras; texto deve voltar à Câmara para análise

Com 42 votos a 37, o texto precisará ser novamente analisado pelos deputados

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Senado aprovou nesta quinta-feira, 17, o texto-base da medida provisória que viabiliza a privatização da Eletrobras (ELET3:ELET6) por 42 votos a 37. 

Após esta aprovação, acontecerá a análise dos destaques (pedidos de alteração pontual no conteúdo da MP) pelos senadores. 





Devido às mudanças na versão aprovada pela Câmara dos Deputados ao final de maio, o texto será analisado novamente pelos deputados na próxima segunda-feira, 21, às 15h.  

No dia seguinte à votação, 22, a medida oficialmente perderá a validade. 

A sessão de hoje do Senado até a votação do texto-base durou mais de 7 horas.  

Para chegar ao resultado, o relator do texto, Marcos Rogério, precisou alterar certos pontos, apresentando três versões do relatório. 





Na última, Rogério decidiu remover a exigência de contratação de térmicas movidas a gás natural antes da desestatização e retirou os incentivos às usinas a carvão mineral. 

Uma das principais críticas era que o texto aprovado pelos deputados definia a construção das usinas somente em pontos longes à oferta de gás doméstico, o que poderia acabar elevando custos e, assim, desestimulando a sua produção no país. 

Uma parte dos senadores criticou os chamados “jabutis”, mudanças no objeto original da MP, que foram incluídos na proposta na Câmara e no Senado. 

Principal objetivo da proposta 

Hoje, a União possui aproximadamente 60% das ações da Eletrobras, controlando a estatal. Com a privatização, estima-se que a participação na empresa cairia para 45% das ações ordinárias. 

Além disso, a União poderá realizar uma oferta secundária de ações, podendo vender sua participação na Eletrobras. 

Outras previsões da proposta são: 

  • a participação de cada acionista não poderá passar de 10%;  
  • aumento do capital social da empresa por meio de uma oferta pública de ações; 
  • a União terá ação preferencial de classe especial, a “golden share”, podendo vetar deliberações a respeito do estatuto social da companhia. 

O relatório  

Em seu relatório, Rogério elevou o número de energia de usinas térmicas a gás que a União será obrigada a contratar, de 6 mil megawatts (MW) para 8 mil MW, o suficiente para atender cerca de 10 milhões de brasileiros 

Este é um dos dispositivos mais criticados por aqueles que são contrários às propostas por prever que as usinas precisam estar localizadas até mesmo em locais onde não existe infraestrutura e/ou insumo.  

Por isso, será necessária a construção de gasodutos em valores bilionários, que serão pagos pelos consumidores por meio das tarifas. 





Esta mudança passa a contemplar os estados do Sudeste, que não eram atendidos no texto aprovado pelos deputados, além das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. 

Estas usinas precisarão entrar em operação entre 2026 e 2030, com contratos de geração de energia por 15 anos.  

Além disso, a proposta manteve a permissão da prorrogação dos contratos das usinas contratadas no âmbito do Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa) e a contratação mínima de 40% de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) nos próximos leilões mesmo após ultrapassados os 2 mil MW. 

Estes tópicos também irão gerar repasse de custos aos consumidores, de acordo com os senadores contrários à medida provisória. 

Foto: Eletrobras/Divulgação

Leia também:   Demanda por voos da Gol cresce 282% em um ano

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp