Na mira da privatização, Correios lucram R$ 1,5 bilhão em 2020

Segundo a estatal, o resultado foi influenciado pela esteira de expansão do comércio eletrônico

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Os Correios registraram um lucro líquido de R$ 1,5 bilhão em 2020, o melhor resultado em pelo menos uma década. Os dados foram enviados pelo presidente da estatal, Floriano Peixoto Vieira Neto, ao Ministério da Economia na última quinta-feira, 20.

Segundo o Estadão, no documento, ele ressalta que o desempenho “garante à empresa uma imagem institucional sólida”, além de deixá-la “em condições bastante favoráveis no contexto dos estudos de desestatização que estão sendo conduzidos a seu respeito”.





Desde 2010, os Correios registraram lucro acima de um bilhão apenas em 2012, quando reportou R$ 1,113 bilhão. Já entre 2013 e 2016, a companhia acumulou prejuízo de R$ 3,943 bilhões.

Leia também:   Follow on da EcoRodovias deve movimentar R$ 2,7 bilhões

Enquanto isso, o resultado positivo de 2020 foi influenciado pela esteira de expansão do comércio eletrônico, modalidade que teve aumento de demanda com a pandemia, além do maior número de pessoas em trabalho remoto.

O ofício enviado à pasta ainda revela que a receita com encomendas manteve o patamar de crescimento, com expansão de 9% sobre o ano cheio de 2019. Por sua vez, as receitas internacionais ultrapassaram R$ 1,2 bilhão – um valor nunca registrado antes, segundo a estatal.

Privatização a caminho

Vale lembrar que, em 24 de fevereiro, o presidente Jair Bolsonaro entregou em mãos o projeto de privatização dos Correios ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Já no dia 20 de abril, os deputados aprovaram requerimento de urgência para a proposta. Com isso, ela pode ser pautada a qualquer momento.

Leia também:   JSL compra Marvel por R$ 245 milhões e aumenta participação em alimentos

De acordo com o jornal, o texto não define qual será o modelo adotado de privatização, mas abre caminho para a venda dos Correios ao liberar à iniciativa privada a operação de serviços.





Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp