Mercado prevê Selic em 7% ao ano em 2021, aponta Boletim Focus

Para o ano que vem, o mercado manteve a previsão de 7% ao ano, após dois aumentos seguidos

Taxas - Fernando Frazão/Agência Brasil
Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

A projeção para a taxa básica de juros do Brasil, a Selic, no final de 2021 subiu de 6,75% ao ano para 7% ao ano, sendo a terceira alta consecutiva. Para o ano que vem, o mercado manteve a previsão de 7% ao ano, após dois aumentos seguidos.

As informações constam no Boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira, 26, pelo Banco Central e que traz as expectativas do mercado para os principais indicadores econômicos do país.

Hoje, a taxa encontra-se no patamar de 4,25% ao ano. O Comitê de Política Monetária (Copom) subiu a Selic em três reuniões seguidas neste ano após a taxa permanecer por quase seis anos sem sofrer aumento. O mercado entende que o objetivo da entidade é justamente conter a pressão inflacionária. A próxima reunião do Copom está marcada para o início de agosto.

“Para a próxima reunião, o Comitê antevê a continuação do processo de normalização monetária com outro ajuste da mesma magnitude. Contudo, uma deterioração das expectativas de inflação para o horizonte relevante pode exigir uma redução mais tempestiva dos estímulos monetários”, informou o comunicado à imprensa.

Inflação

Quanto à inflação oficial do país, a previsão é de que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fique em 6,56% em 2021, crescimento de 0,25 ponto percentual na comparação com a semana anterior (6,31%).

Leia também:   Analistas já acreditam em IPCA subindo quase 5% em 2022, teto da meta de inflação

Para 2022, a expectativa do mercado é que o indicador chegue ao patamar de 3,80%, enquanto na semana passada a projeção era de 3,75%.

Vale destacar que a meta de inflação de 2021, imposta pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), a ser perseguida pelo BC é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Dessa forma, a meta será considerada cumprida se ficar entre 2,25% e 5,25%.

Caso a inflação brasileira fique de fato acima da meta, como apontam as estimativas, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, terá que redigir uma carta aberta explicando os motivos para o descumprimento.

No próximo ano, a meta central de inflação é de 3,5%, também com o intervalo de tolerância de 1,5 p.p. para cima ou para baixo.

Leia também:   Governo prevê crescimento acima de 2% no PIB de 2023, mas mercado espera menos de 1%

PIB

A expectativa para o Produto Interno Bruto (PIB), indicador que mede o desempenho econômico da país, em 2021 passou de 5,27% para 5,29%, o que representa a oitava alta seguida. Para o próximo ano, a projeção foi mantida em 2,10%.

Dólar

Por último, os economistas consultados pelo Bacen esperam que a moeda norte-americana fique em R$ 5,09 no final de 2021. Na semana passada, a previsão era de que o dólar ficasse em R$ 5,05.

Para 2022, a projeção foi mantida em R$ 5,20, a sexta manutenção consecutiva.

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

BLACK

WEEK

tag
Dias
Horas
Min.
Seg.

Não vá ainda...
Olha só o que tá rolando!

Popup Banner Black Week 3 1