Julgamento sobre exclusão do ICMS do PIS/Cofins pode impactar ações

O julgamento deve acontecer nesta quinta-feira, 29

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Em carta aberta divulgada nesta terça-feira, 27, dez associações que representam o mercado de capitais informam sobre as possíveis consequências que o julgamento sobre a exclusão do ICMS do PIS/Cofins poderá gerar para a economia nacionalO julgamento está marcado acontecer nesta quinta-feira, 29, no Supremo Tribunal Federal (STF). 

Na carta, as entidades pedem que o STF se posicione contra o pedido da União a fim de minimizar os efeitos do julgamento de março de 2017, que excluiu o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) da base de cálculo do PIS (Programa de Integração Social)/Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) por não ser considerado receita ou faturamento. 





Segundo o texto, a mudança acarretaria em perdas financeiras para as empresas que estão na Bolsa de Valoresfundos e investidores (sejam eles grandes ou pequenos aplicadores), e influenciaria na arrecadação pública. 

“Teria um efeito grave sobre as cotações das ações das companhias que têm esses ativos nos seus balanços. E podemos dizer que elas representam uma boa parte da bolsa brasileira”, disse Eduardo Lucano da Ponte, o presidente-executivo da ABRASCA. 

Na quinta-feira, deverá ser julgado o recurso apresentado pela União contra a decisão tomada há quatro anos. O Governo Federal solicita a aplicação do entendimento somente de agora em diante, sem efeitos retroativoscom o propósito de evitar um prejuízo de 258,3 bilhões de reais para os cofres públicos. 

As entidades afirmam que, juridicamente, não existiriam motivos para a modulação de efeitos no caso. 

Do outro lado, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) defende que tal modulação de efeitos é fundamental por conceber a decisão de 2017 como “disruptiva”.  

O que é ICMS? 

O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) é um tributo estadual com valores definidos pelos estados e Distrito Federal. 





É o imposto que incide sobre: 

  • Prestação de serviços de telecomunicação;  
  • Aquisição de mercadorias; 
  • Importação de mercadorias do exterior; 
  • Prestação de serviço de transporte entre municípios e/ou estados; 
  • Serviços prestados no exterior. 

As 10 entidades 

  • Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (ABRAPP) 
  • Associação Brasileira das Companhias Abertas (ABRASCA) 
  • Associação Brasileira de Private Equity e Venture Capital (ABVCAP) 
  • Associação de Investidores no Mercado de Capital (AMEC 
  • Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (ANBIMA) 
  • Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários, Câmbio e Mercadorias (ANCORD 
  • Associação dos Analistas e Profissionais do Mercado de Capitais (APIMEC) 
  • Conselho Federal de Contabilidade 
  • Grupo de Estudos Tributários Aplicados (GETAP) 
  • Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (IBRACON) 

Foto: Lorenzo Cafaro/Pixabay 

Leia também:   Projeção para PIB em 2021 sobe para 3,09%, aponta Boletim Focus

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp