IPCA sobe 0,53% em junho, puxado por alta da energia elétrica

Para os analistas consultados pela Refinitiv, a expectativa era de que a inflação de junho apresentasse alta de 0,59% no comparativo mensal

Equipe TradeMap
Equipe TradeMap
Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Influenciado pela alta da energia elétrica, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, subiu 0,53% na passagem de maio para junho, de acordo com dados divulgados nesta quinta-feira, 8, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com isso, apesar de apresentar uma desaceleração frente à alta de 0,83% em maio, esse é o maior resultado para o mês desde junho de 2018, quando registrou avanço de 1,26%.





Para os analistas consultados pela Refinitiv, a expectativa era de que a inflação de junho apresentasse alta de 0,59% no comparativo mensal.

O indicador acumula crescimento de 3,77% no ano e 8,35% nos últimos 12 meses.

Leia também:   Equatorial Energia vence leilão de saneamento no Amapá por R$ 930 milhões

Segundo o IBGE, a variação acumulada em 12 meses é a maior desde setembro de 2016, que foi de 8,48%. Em junho de 2020, a taxa mensal reportou expansão de 0,26%.

Grupos

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito tiveram alta no mês anterior.

O maior impacto (0,17 p.p.) foi do grupo habitação (1,10%), principalmente, por causa da energia elétrica (1,95%). Embora tenha desacelerado em relação ao mês anterior (5,37%), a conta de luz teve o maior impacto individual no índice do mês (0,09 p.p.).





“A energia continuou subindo muito por conta da bandeira tarifária vermelha patamar 2, que passou a vigorar em junho e acrescenta R$ 6,243 à conta de luz a cada 100 quilowatts-hora consumidos”, explicou o analista da pesquisa, André Filipe Guedes Almeida.

→ Leia também: Aneel aprova reajuste de 52% na bandeira vermelha patamar 2

Leia também:   Conta de luz mais cara: Aneel cria bandeira tarifária de escassez hídrica

Na sequência, vieram alimentação e bebidas (0,43%) e transportes (0,41%), ambos com o segundo maior impacto no índice (0,09 p.p). A alimentação no domicílio passou de 0,23% em maio para 0,33% em junho, puxada pelas carnes (1,32%), que subiram pelo quinto mês consecutivo e acumulam alta de 38,17% em 12 meses.

No lado das quedas, destacam-se a batata-inglesa (-15,38%), a cebola (-13,70%), o tomate (-9,35%) e as frutas (-2,69%).

No grupo dos transportes (0,41%), os combustíveis subiram 0,87% e acumulam alta de 43,92% nos últimos 12 meses. Mais uma vez, o maior impacto (0,04 p.p.) veio da gasolina (0,69%), cujos preços haviam crescido 2,87% em maio. Os preços do etanol (2,14%) e do óleo diesel (1,10%) e do gás veicular (0,16%) também registraram alta em junho.

Leia também:   Caixa reduz taxas de juros para o financiamento imobiliário

Para ler a pesquisa na íntegra, acesse aqui.

Foto: Pixabay

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais

Mais 1000 vagas Liberadas! 🤩

Banner Popup 2