Cade aprova, sem restrições, a aquisição da Linx pela Stone

A operação movimentou cerca de R$ 6,7 bilhões

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira, 16, sem restrições, a compra da Linx, companhia de softwares para varejo, pela empresa de pagamentos Stone.  

“A operação merece ser aprovada sem restrições, conforme concluiu a SG [Superintendência Geral do Cade]”, afirmou o relator do processo, conselheiro Sérgio Ravagnani. 

No final de maio, Ravagnani havia solicitado um prazo de mais 90 dias para concluir a análise. 





Hoje, o relator frisou que o negócio não prejudica a concorrência, negando os recursos de concorrentes como a Cielo. 

Sérgio disse também que as companhias não têm capacidade de fechar mercado e que a Linx não possui “condições de influenciar soluções de adquirência contratadas pelos clientes” com a aquisição. 

“O mercado de software tem caminhado para convergência e deve continuar crescendo nos próximos anos em decorrência da competição acirrada. O Cade está e estará atento a esses mercados”, afirmou. 

A oferta de aquisição pela Stone foi aprovada pelos acionistas da Linx em novembro do ano passado.

A operação movimentou R$ 6,7 bilhões, R$ 700 milhões a mais que a oferta inicial feita pela empresa de pagamentos. 

*Com Estadão





 Foto: Stone/Divulgação

Leia também:   IRB Brasil tem lucro de R$ 7,5 milhões em maio

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp