Bolsas mundiais operam em queda após Fed rever perspectiva de inflação

Por aqui, temos o segundo dia de votação da MP de privatização da Eletrobras no Senado.

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Um dia depois da decisão do Fed de manter a política monetária acomodatícia nos Estados Unidos, os futuros americanos abriram em queda nesta quinta-feira, 17. As bolsas europeias caminham no mesmo sentido de aversão ao risco, enquanto as asiáticas fecharam com resultados variados entre si. 

A decisão do Federal Reserve era esperada:  manter os juros entre 0% e 0,25% até 2022 e a compra de ativos na casa dos US$ 120 bilhões, pelo mesmo período. O mudou foram as projeções da autoridade monetária americana.





O presidente, Jerome Powell, reconheceu os riscos da inflação e afirmou que as autoridades já começaram uma discussão sobre a redução no ritmo de compra de ativos, porém deixou claro que não deve acontecer aumento imediato nos juros. 

Com isso, a nova posição do Fed indica alta de 1 p.p. na inflação de 2021, para 3,4%. Já para 2022, a perspectiva aponta para 2,1%, ante 2% projetado anteriormente. Outro ponto é o adianto no aumento das taxas. Até então a posição era de subir somente em 2024, agora, eles cogitam aumentar o juros entre 0,25% e 1,25% ao final de 2023. 

Leia também: Fed decide manter as taxas de juros e a compra de ativos

Vale lembrar que o índice de preços ao consumidor de maio já indicou um acumulado de inflação em 12 meses de 5%, maior do que o novo teto. Ou seja, é esperado uma queda da inflação no segundo semestre. 

Leia também:   Cade libera venda da Copel Telecom à Bordeaux

Na agenda econômica do dia temos a divulgação dos pedidos de seguro-desemprego semanal dos EUA e o índice de atividade industrial do Fed de Filadélfia mensal.

Do outro lado do mundo, a China mexe com os preços das commodities. Na quarta-feira, o país anunciou que liberará a exploração de metais industriais de suas reservas naturais como forma de regular o preço das commodities. Isso quando o dia já tinha sido intenso com a queda do minério de ferro devido ao aumento da oferta por produtores.





Depois de seis altas consecutivas, o preço da commodity perdeu força e caiu 3,51% no porto chinês de Qingdao. Mesmo assim, a valorização ao longo do ano segue superior a 30%. 

Leia também:   Petróleo nas alturas e bolsas mundiais sem direção nesta terça

Já o petróleo, mantém suas altas a todo o vapor. Ontem, o Departamento de Energia americano (DoE) divulgou que os estoques caíram em 7,3 milhões de barris, quando o esperado era 2,9 milhões. Com isso, o óleo tipo Brent fechou com valorização de 0,54%, embora o WTI tenha fechado estável (+0,04%). 

Cenário interno 

No brasil, o Banco Central promoveu sua terceira alta consecutiva na taxa básica de juros, a Selic, nesta quarta-feira, 16. Conforme o previsto, o Copom deliberou um aumento em 0,75 p.p., que elevou a Selic a 4,25% ao ano.

Em comunicado, o BC mostrou a intenção de dar sequência ao aperto monetário, com uma nova alta da mesma magnitude na próxima reunião, em agosto. 

Leia também:   Mercado asiático fecha em alta com dados da economia chinesa; bolsas europeias seguem mistas

Enquanto isso, na votação da MP de privatização da Eletrobras novos jabutis foram acréscidos à proposta, com conclusão adiada para hoje. Caso não seja aprovada pelo Congresso Nacional até a próxima terça-feira, 22, a medida perderá a validade.

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp