Banco Mundial eleva projeção do PIB brasileiro para 4,5%

No relatório de perspectivas econômicas, a instituição prevê que o consumo das famílias brasileiras será influenciado por uma nova rodada de pagamentos do auxílio emergencial

Equipe TradeMap

Equipe TradeMap

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

O Banco Mundial elevou sua projeção para o crescimento da economia brasileira em 2021, passando de 3% para 4,5%.

No relatório de perspectivas econômicas divulgado nesta terça-feira, 8, a instituição prevê que o consumo das famílias brasileiras será influenciado por uma nova rodada de pagamentos do auxílio emergencial.





Por outro lado, o banco ressalta que as transferências previstas para este ano devem ficar em um patamar bem menor do que em relação a 2020.

Para 2022, o Banco Mundial acredita que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil fique em 2,5% – mesma projeção do último relatório disponibilizado pela entidade.

Economia global

O documento revela ainda que a instituição financeira espera que a economia mundial suba para 5,6% ao final de 2021. O crescimento se deve, principalmente, à rápida recuperação de alguns países.

Leia também:   Produção industrial salta 34,7% em um ano, mas cai 1,3% em abril

Contudo, muitos mercados emergentes e economias em desenvolvimento continuam sofrendo com os impactos negativos da pandemia de covid-19.

“Embora haja sinais de recuperação global, a pandemia continua a infligir pobreza e desigualdade às pessoas em países em desenvolvimento em todo o mundo”, disse em nota o presidente do Banco Mundial, David Malpass.





Entre as principais economias, a expansão dos Estados Unidos deve chegar a 6,8% em 2021, refletindo o apoio fiscal em grande escala e a redução das restrições à pandemia.

Já para a China, a expectativa é de que o PIB do país suba para 8,5% ao fim deste ano, em reflexo à liberação da demanda reprimida, segundo a entidade.

Foto: Getty Images

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp