Navegue:
Safra corta preços-alvo para Locaweb (LWSA3) e Totvs (TOTS3) em até 32%, mas avisa: recomendação segue de compra

Safra corta preços-alvo para Locaweb (LWSA3) e Totvs (TOTS3) em até 32%, mas avisa: recomendação segue de compra

Corretora atualizou cobertura para o setor de tecnologia, incorporando taxas de desconto mais altas em suas premissas

Totvs divulgacao

Foto: Divulgação

Por:

Compartilhe:

Por:

Considerando a mudança na curva de juros de longo prazo no Brasil — reflexo do cenário macroeconômico, que tem impactado as empresas de tecnologia — e os balanços mais recentes das companhias, a Safra Corretora atualizou sua cobertura para o setor, incorporando taxas de desconto mais altas em suas premissas.

Como resultado, a corretora revisou para baixo seus preços-alvo para as ações de Locaweb (LWSA3) e Totvs (TOTS3), embora tenha mantido a visão otimista para as empresas, com recomendações de compra para ambas.

A corretora observou, em relatório publicado na segunda-feira, 27, uma redução de múltiplos do setor de tecnologia no mundo todo, sob impacto do movimento de ajuste dos juros futuros americanos. As empresas brasileiras, no entanto, estão descontadas em relação a seus pares internacionais, sinalizando oportunidades de investimento interessantes.

Locaweb (LWSA3)

O Safra reduziu em 32% o preço-alvo para as ações da Locaweb no fim de 2022, de R$ 31 para R$ 21, mantendo recomendação de compra.

“Continuamos a ver a Locaweb como um dos nomes mais bem posicionados na B3 para capturar a história digital do SMB [segmento de pequenas e médias empresas]”, diz a equipe da corretora, em relatório.

O Safra aponta que, ainda que as estimativas de Ebitda e margem venham sendo pressionadas pelas aquisições recentes e pelo aumento nas despesas de marketing, as expectativas de receita seguem altas.

Outros pontos de força da empresa, segundo o Safra, são o domínio em um segmento fragmentado; a oportunidade de penetração em um mercado amplo; o modelo de negócios com forte fluxo de receitas e base diversificada de clientes; a extensão do portfólio de produtos, que gera oportunidades de venda cruzada; a capacidade de aumentar a base de clientes e expandir a receita por usuário; a relação atrativa entre valor do usuário ao longo do tempo e seu custo de aquisição; a divisão voltada ao e-commerce, que deve mostrar tendência de crescimento no longo prazo; e possíveis fusões e aquisições.

Além disso, a recente queda das ações, de cerca de 30% no ano, acaba com o problema de múltiplos esticados que a corretora enxergava anteriormente.

A visão de que as ações estão baratas não é exclusividade do Safra – a própria empresa acredita que a cotação tem potencial para voltar a subir e viu no preço mais baixo uma oportunidade para recomprar uma parte das ações. Na segunda-feira, a companhia e seus executivos anunciaram a recompra de 5,5 milhões de papéis.

“Esse movimento mostra que acreditamos muito no potencial da companhia. A decisão de recompra foi unânime e todos envolvidos na alta gestão apostaram nessa estratégia, pois acreditamos no longo prazo da Locaweb” afirmou Fernando Cirne, CEO da Locaweb, em nota.

Os maiores riscos para a empresa, por outro lado, são uma eventual deterioração na capacidade de reter clientes; o ambiente competitivo acirrado; a dependência de inovação constante; a possível redução de demanda por sites próprios diante da força do modelo de marketplace; e a falha da estratégia de M&A em atender expectativas, segundo o Safra.

Totvs (TOTS3)

A Totvs também teve seu preço-alvo rebaixado pelo Safra, de R$ 45 para R$ 37, e a recomendação de compra foi igualmente mantida.

“Ainda estamos otimistas com as perspectivas de longo prazo da Totvs, visto que vemos um enorme potencial vindo das novas iniciativas em alguns negócios complementares, como marketing digital e serviços financeiros”, aponta a corretora, em relatório. À medida que os dois negócios ganham força, a expectativa é que a margem suba.

O Safra chama atenção ainda para o preço das ações, que considera baratas, além de outros pontos fortes, como a posição de liderança em um mercado pouco penetrado; a forte rede de distribuição; o portfólio amplo e flexível de serviços; novas oportunidades de crescimento; receitas recorrentes crescentes; capacidade de aumento de preços; e um balanço patrimonial robusto, que deve permitir novas aquisições.

Os maiores riscos para a empresa, por outro lado, são a competição acirrada de grandes players internacionais; a obsolescência de software; riscos de execução em M&As; e a dependência macroeconômica.

Compartilhe: