Navegue:
Petroleiras e shoppings dão o tom no último pregão do mês e Ibovespa sobe; veja mais

Petroleiras e shoppings dão o tom no último pregão do mês e Ibovespa sobe; veja mais

No campo positivo, os destaques são PetroRio, que sobe após adquirir campos da Petrobras, enquanto a Multiplan reflete dados do balanço

Sao,Paulo,,Brazil,,March,14,,2016.,Bovespa,Stock,Brokers,Trading

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

Impulsionado pelas petroleiras e pelo setor de shoppings centers após o balanço de Multiplan (MULT3), o Ibovespa se valoriza no último pregão da semana e do mês e sobe 1,11%, aos 111.123 pontos, por volta de 13h15 (de Brasília).

A ação que liderava as altas do pregão era a da PetroRio (PRIO3), que subia 5,50% no mesmo horário. Para Leandro Petrokas, analista e sócio da Quantzed, a subida dos papéis é uma reação positiva do mercado ao anúncio de que a empresa comprou o campo de Albacora Leste, da Petrobras, por US$ 2,2 bilhões.

O campo possui uma área de 511,56 quilômetros quadrados e está situado na área norte da Bacia de Campos. Segundo estimativas, a produção média diária de Albacora Leste de janeiro a março deste ano, foi de 25,4 mil barris de óleo por dia.

Empresas ligadas ao petróleo cresciam em bloco nesta sexta-feira (29), com a 3R Petroleum (RRRP3) valorizando 5,67% e a Petrobras, que subia em 3,44% nas ações preferenciais (PETR4) e 3,60% nas ordinárias (PETR3).

A subida das empresas acompanha uma valorização diária no preço do petróleo tipo Brent, que serve como referência no mercado internacional. Segundo dados da ICE, a commodity era avaliada em US$ 109 nesta sexta, uma alta de 2% na comparação intradia.

No setor de shoppings, em destaque nesta sexta, a Multiplan estava entre as principais altas do dia, subindo 4,85%, após divulgar seu balanço financeiro do primeiro trimestre deste ano na noite de quinta-feira (28). A administradora de shoppings registrou lucro líquido de R$ 171,5 milhões no período, um aumento significativo de 270,5% em relação ao mesmo período de 2021.

Petrokas, da Quantzed, avalia que o mercado gostou do resultado pelo impulsionamento do lucro líquido, que foi causado pelo crescimento de 57,9% nas receitas no mesmo comparativo, atingindo R$ 420 milhões. As vendas cresceram 68,3% no trimestre, o que acabou impulsionando a receita.

Além da Multiplan, o setor também reverbera a combinação de negócios entre brMalls (BRML3) e Aliansce Sonae (ALSO3). Os papéis das companhias sobem 3,09% e 2,51%, respectivamente.

A Aliansce irá incorporar todas as ações da adquirida, entregando aos acionistas da companhia mais de 326 mil ações ordinárias, com um valor de R$ 0,39 por ação. Além disso, a empresa fará um pagamento em dinheiro de R$ 1,25 bilhão.

Relembre a história:

A novela que nunca acaba: saiba em que pé está a negociação entre brMalls (BRML3) e Aliansce Sonae (ALSO3)

“A Aliansce Sonae foi informada que o conselho de administração da brMalls aprovou, por maioria, a celebração do protocolo e justificação, bem como recomendou a aprovação da operação pelos seus acionistas”, declarou a compradora em fato relevante publicado nesta manhã.

Dentre as poucas quedas no pregão, destaque para Locaweb (LWSA3) que liderava a ponta negativa caindo 2,36%, Cielo (CIEL3) recuava 2,20% e Yduqs (YDUQ3) perdia 2,16%.

Bancos sobem mesmo após aumento nos impostos

Após três quedas sucessivas causadas após o balanço do Santander (SANB11) trazer números altos de inadimplência e causar um temor sobre os resultados das outras instituições, os papéis do setor sobem em bloco nesta sexta.

Santander, que foi quem mais caiu nos últimos dias, subia 2,27%, enquanto Banco do Brasil (BBAS3) crescia 1,15% e Itaú (ITUB4) valorizava 0,80%.

Contudo, os bancos estão no centro das atenções do noticiário após o presidente Jair Bolsonaro alterar uma MP (medida provisória) elevando a tributação sobre bancos e instituições financeiras para custear a abertura do programa de renegociação de dívidas de empresas do Simples Nacional, órgão do governo dedicado aos microempreendedores.

Após a decisão, o presidente da Febraban (Federação Brasileira de Bancos), Isaac Sidney, afirmou que a incidência de mais impostos pressiona o custo do dinheiro no país, particularmente em um momento em que a sociedade está suportando a subida da taxa básica de juros para conter a escalada da inflação.  

“O governo erra ao aumentar, mais uma vez, a alíquota para os bancos, onerando consumidores, famílias e empresas, com crédito mais caro”, diz Sidney.

“Apesar da notícia de aumento nos impostos para os bancos, como as ações do segmento já vinham muito depreciadas, o mercado acabou não dando muita bola para a notícia”, comentou Petrokas, da Quantzed, justificando a alta das ações do setor.

Bolsas internacionais

Os mercados globais operam sem direção única no último pregão da semana. Nos Estados Unidos, os investidores continuam acompanhando a divulgação de balanços e de dados econômicos como o Core PCE, que indica o sentimento do consumidor americano. O índice é observado de perto pelo banco central do país.

Em Wall Street, os principais índices acionarios caíam nesta sexta, com Dow Jones recuando 1,01%, S&P 500 caindo 1,58% e Nasdaq perdendo 1,64%. Já na Europa, o movimento era positivo, com o índice Euro Stoxx 50, que reúne empresas de todo o continente, crescia 0,74%, DAX valorizando 0,84% e o FTSE 100 apontando em 0,47% para cima.

Compartilhe:

Compartilhe: