Petrobras (PETR4) lidera recomendações nas carteiras de ações para dezembro; commodities e bancos concentram preferências

Ação da estatal foi sugerida por oito de 13 casas; Vale e Gerdau também lideram indicações

Petrobras - Tânia Rêgo/Agência Brasil
Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

Os papéis de empresas do setor de commodities e financeiro predominam nas carteiras de ações recomendas por corretoras e casas de análise em dezembro.

A ação da Petrobras (PETR4) foi a mais recomendada para este mês, ao ser sugerida por oito das 13 casas pesquisadas pela Agência TradeMap.

Fonte: Ágora, Banco Inter, BB Investimentos, BTG Pactual, Elite Corretora, Genial Investimentos, Guide, Mirae, Órama, Safra Corretora, Santander Corretora (Carteira Ibovespa+), Terra Investimentos e Toro Investimentos
Ações mais recomendadas para dezembro Número de indicações
Petrobras (PETR4) 8
Vale (VALE3) 7
Gerdau (GGBR4) 6
Multiplan (MULT3) 5
Itaú Unibanco (ITUB4) 5

A Petrobras anunciou em novembro um novo plano estratégico para 2022-2026, prevendo um investimento total de US$ 68 bilhões, com expectativa de aumentar a produção de petróleo de 2,1 milhões para 2,6 milhões de barris por dia (bpd) até 2026, acima dos 2,3 milhões de barris da previsão anterior.

“Acreditamos que as capacidades de produção e exploração da empresa, lideradas por seus ativos de alta qualidade do pré-sal, permanecerão em vigor, apesar das incertezas no Conselho Administrativo”, aponta a equipe do Santander, em relatório.

A Petrobras ainda anunciou uma nova política de pagamento de dividendos para prever pagamentos trimestrais e estabelecer uma remuneração mínima para os acionistas de US$ 4 bilhões por ano quando o preço médio do petróleo tipo Brent ficar acima de US$ 40 o barril. O valor poderá ser maior se a empresa tiver lucro e a dívida bruta ficar abaixo da meta.

A forte geração de caixa, com a alta do preço do petróleo e a venda de ativos, no terceiro trimestre, ajudou a empresa a reduzir a dívida bruta para US$ 59,6 bilhões, abaixo da meta de US$ 60 bilhões, o que levou a Petrobras a aprovar mais US$ 6 bilhões em dividendos.

“O valor veio abaixo da meta de dívida de US$ 60 bilhões, o que deve permitir à empresa implementar sua política de dividendos para pagar 60% do fluxo de caixa como dividendos a partir de 2022”, destaca a Terra Investimentos, em relatório.

O principal ponto de atenção segue sendo a possibilidade de interferência na política de preços da Petrobras. “Acreditamos que esse risco é limitado, uma vez que a legislação e o estatuto da empresa trazem alguma proteção contra interferência política”, aponta a Safra Corretora, em relatório.

Confira relatório completo sobre a Petrobras elaborado pelo TradeMap.

Vale e Gerdau também lideram recomendações

Ainda no segmento de commodities , Vale (VALE3) e Gerdau (GGBR4) estão entre os papéis mais indicados nas carteiras de ações em dezembro, com sete e seis indicações, respectivamente.

Apesar da queda do preço do minério de ferro, as corretoras seguiram com o papel da Vale nas carteiras recomendadas, de olho em um preço em níveis atrativos para a ação.

“Mantemos nossa visão construtiva no médio e longo prazo para os setores de mineração e siderurgia, pois ainda enxergamos as empresas brasileiras do setor, a exemplo da Vale, como bem-posicionadas no mercado interno e externo, com fluxos de caixa fortes, alavancagem controlada e, em sua maioria, boas pagadoras de dividendos”, afirma o Santander, em relatório.

O Santander aponta que, com os preços do minério de ferro acima de US$ 100/tonelada no médio prazo, a Vale pode anunciar mais dividendos extraordinários ou novos programas de recompra de ações.

A Vale informou, em novembro, nova recompra de 200 milhões de ações nos próximos 12 meses (4,1% do total de ativos em circulação da companhia).

O Banco Inter ainda vê como positivas as iniciativas da empresas para descarbonização da cadeia apresentadas no “Vale Day”. “Essas iniciativas devem trazer vias de crescimento em uma indústria cada vez mais desafiada pela evolução da economia verde e das cobranças de responsabilidade socioambientais”, aponta o Inter, em relatório.

Entre os riscos para o papel estão a queda do preço do minério de ferro, a desaceleração da China e o aumento significativo de passivos relativos ao rompimento da barragem de Brumadinho.

Já a Gerdau deve se beneficiar do plano de infraestrutura de US$ 1,2 trilhão nos EUA, com operações da siderúrgica naquele mercado. “Acreditamos que a empresa possa promover elevações no preço do aço, indo de encontro com as outras siderúrgicas que já anunciaram elevações”, afirma a Terra Investimentos.

O BTG destaca que as ações embutem hoje um desconto muito grande, refletindo uma queda do preço do aço já em 2022. “Em nossa visão, os preços internacionais do aço devem seguir sustentados no curto/médio prazo”, diz o banco, em relatório.

Itaú é preferido no setor financeiro

Com a alta da taxa Selic, as ações dos bancos voltam a ganhar atratividade. O Itaú Unibanco (ITUB4) é o preferido entre as corretoras e casas de análise, com cinco recomendações.

O investimento em canais digitais do banco, como o Iti, e a alta margem financeira bruta são citados como fatores diferenciais.

“A temporada de resultados decentes combinada com um cenário mais difícil de taxas de juros/inflação mais altas (um cenário em que os grandes bancos costumam navegar bem) e discussões sobre assimetria regulatória [com possível aumento de regulação das fintechs] melhora o momentum para as ações de bancos incumbentes em nosso setor de cobertura”, destaca o BTG.

Entre os riscos para o papel, o Santander cita o menor crescimento da economia, com impacto sobre a carteira de crédito e a inadimplência, e a concorrência com as fintechs.

Além do Itaú, os papéis do Bradesco também tiveram destaque nas recomendações para dezembro, incluídos nas carteiras de quatro casas.

Multiplan deve se beneficiar do avanço da reabertura da economia

A ação da Multiplan (MULT3) é a preferência das corretoras e casas de análise para o segmento de shopping centers, que devem mostrar recuperação com a reabertura da economia, apesar do crescimento menor do PIB.

Com maior foco nos públicos A e B, seu portfólio se destaca pela dominância e pela boa localização nas principais cidades brasileiras, com alto índice de vendas, mix de lojistas desconcentrado e com baixa inadimplência, o que lhe confere maior barganha na negociação de aluguéis, destaca a equipe do Banco Inter. O banco retirou o papel da Hospital Mater Dei (MATD3) da carteira em dezembro para incluir Multiplan.

A companhia vem expandindo sua operação, inaugurando unidades. “Ainda que o cenário atual seja de cautela, continuamos confiantes na capacidade da companhia em capturar bons resultados por meio do aumento nas vendas, lançamentos e expansões no segmento em que atua”, aponta o BB Investimentos, em relatório.

Entre os riscos para o papel, o Santander destaca o anúncio de novas medidas restritivas por conta de uma piora da Covid-19, a concorrência com o comércio eletrônico e a perda do poder aquisitivo da população.

No TradeMap, você encontra as carteiras recomendadas de ações de casas de análises parceiras. Acesse a plataforma aqui.

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Rolar para o topo
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais