Navegue:
Na contramão do exterior, Ibovespa se apoia nas ações ligadas a commodities e fecha em alta

Na contramão do exterior, Ibovespa se apoia nas ações ligadas a commodities e fecha em alta

Principal índice da B3 fechou em alta de 0,71%, aos 107.005 pontos, com R$ 18,86 bilhões em volume negociado

Telão mostra cotações do mercado

Foto: Shutterstock

Por:

Gabriel Bosa

Compartilhe:

Por:

Gabriel Bosa

Em um dia negativo para as Bolsas estrangeiras, o Ibovespa se apoiou nas ações ligadas a commodities metálicas e fechou em alta de 0,71%, aos 107.005 pontos, com R$ 18,86 bilhões em volume negociado.

Com isso, a desvalorização acumulada no mês de maio diminuiu para 0,81%, enquanto o saldo desde o início do ano é de ganho de 2,08%.

O dia não foi tão positivo para o exterior, que segue em modo de aversão ao risco. Em Nova York, o Dow Jones teve baixa de 0,75%, o S&P 500 caiu 0,58% e o Nasdaq teve perdas de 0,26%. Na Europa, o índice Euro Stoxx 50 fechou com recuo de 1,36%.

Commodities metálicas dão gás ao índice

O fator por trás da alta do Ibovespa em dia negativo para o exterior foram as commodities metálicas, que reagiram positivamente a notícias de alívio nas medidas de restrição na China, com moradores de Xangai sendo liberados para sair de suas casas para fazer compras.

Com isso, as maiores altas do Ibovespa foram de CSN Mineração (CMIN3) e CSN (CSNA3), com ganhos de 9,07% e 7,2%, respectivamente.

Além de surfar na onda do minério, CSN e a CSN Mineração reagiram ao anúncio de aprovação de novos programas de recompra, de até 58 milhões de ações para a primeira e até 106 milhões de papéis para a segunda.

No entanto, Gustavo Akamine, analista da Constância Investimentos, diz que a subida da Vale (VALE3) de 2,66% é quem mais contribui para a performance do índice, já que suas ações são a de maior peso no Ibovespa.

“De maneira geral, as commodities metálicas estão contribuindo positivamente para a Bolsa no dia”, acrescentou.

Além das commodities metálicas, as ações da Eletrobras também se destacaram entre as maiores altas no pregão, um dia depois de a estatal receber aval do TCU (Tribunal de Contas da União) para prosseguir com a privatização. Os papéis ordinários da companhia (ELET3) tiveram alta de 3,03%, e as preferenciais (ELET6), de 2,54%.

O aval da corte era necessário para afastar a hipótese de que a operação prejudicaria as contas públicas. Sem a chancela, o governo ficaria impedido de avançar com o plano de vender novas ações da estatal e reduzir sua participação na companhia de aproximadamente 70% para cerca de 45%.

No exterior, ‘mais do mesmo’

No exterior, a aversão ao risco segue a todo vapor, ainda em meio a preocupações com o aperto monetário.

A ata da última reunião do BCE (Banco Central Europeu), divulgada hoje, indica que os dirigentes do órgão estão preocupados com a escalada da inflação e com a guerra na Ucrânia, que deve desacelerar a recuperação econômica da União Europeia – dando sinais de que uma subida de juros está próxima.

Outro fator que pesou sobre o sentimento do mercado foram os resultados trimestrais de varejistas americanas Walmart e Target, segundo relatório da XP Investimentos, que mostraram forte pressão de custos proveniente dos preços de combustíveis mais altos e de uma demanda reduzida de consumidores por itens discricionários.

Ruído em Brasília

Por aqui, o clima em Brasília não amenizou. O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, afirmou que irá pautar um Projeto de Lei que limita em 17% o preço do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) de energia elétrica, combustíveis e telecomunicações.

Ainda que a medida tenha potencial de conter a inflação, a análise de Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, é que as chances de aprovação são muito baixas. “Em termos fiscais, a redução dos impostos desses produtos exigiria a elevação tributária em outros para que não haja um dano estrutural nas finanças”, diz o economista, em comentários ao mercado.

Outros destaques

Depois de CSN Mineração e CSN, as ações da Méliuz (CASH3) foram a terceira maior alta do dia, com ganhos de 5,64%, seguidas por Locaweb (LWSA3), que subiu 5,52%, refletindo a compra em bloco de papéis pela General Atlantic.

Na ponta oposta, as maiores quedas do Ibovespa foram de Petz (PETZ3), Hapvida (HAPV3) e WEG (WEGE3), com perdas de 5,2%, 4,11% e 3,41%, respectivamente.

Depois de fortes ganhos no pregão de ontem, a Hapvida voltou a ficar entre as maiores perdas na sessão, ainda repercutindo os resultados negativos para o primeiro trimestre.

 A companhia teve um prejuízo líquido de R$ 182 milhões no primeiro trimestre do ano, revertendo o lucro de R$ 151,8 anotado no mesmo período do ano passado. De acordo com a Hapvida, o principal fator por trás da queda no resultado foi a amortização do valor justo proveniente da combinação de negócios com a NotreDame Intermédica.

Em contrapartida à performance negativa na Bolsa, no mercado de dívidas, a Hapvida informou que concluiu uma liquidação financeira de sua terceira emissão de debêntures, numa oferta de R$ 2 bilhões.

A queda das ações de Weg e Petz, por sua vez, é um movimento de correção depois de altas recentes, de acordo com a equipe de analistas da Ativa Research.

Bitcoin

A despeito do mau humor nos mercados internacionais, o Bitcoin operou no campo positivo, mesmo que ainda abaixo da linha dos US$ 30 mil.

Por volta das 16h55 (de Brasília), o maior ativo cripto em capitalização registrava avanço de 2,33% em 24 horas, cotado a US$ 29.987, conforme dados da CoinMarketCap.

O clima de resiliência também impulsionou as altcoins. O Ethereum (ETH), tinha ganho de 0,7%, a US$ 1.995, enquanto o XRP subia 0,43%, cotado a US$ 0,41.

Compartilhe:

Compartilhe: