Navegue:
Mais imposto para bancos, desemprego e o que mais você precisa saber para investir bem hoje

Mais imposto para bancos, desemprego e o que mais você precisa saber para investir bem hoje

Investidores ainda repercutem queda de big techs nos EUA e acompanham indicador de inflação americana

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

O mês de abril vai chegando ao fim, e esta sexta-feira (29) promete ser agitada para os mercados. Os investidores repercutem o aumento de impostos cobrados dos bancos e a queda de ações de big techs nos Estados Unidos, além de acompanharem dois indicadores importantes aqui e lá: a taxa de desemprego brasileira e dados sobre a inflação americana.

Na noite de ontem, o presidente Jair Bolsonaro editou uma medida provisória elevando a tributação sobre instituições financeiras como forma de custear a abertura do programa de renegociação de dívidas de empresas do Simples.

Saiba mais:
O que o mercado vai analisar com lupa nos próximos balanços de bancos, na visão do UBS-BB

A CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) para bancos subirá de 20% para 21% até o final do ano, enquanto que a alíquota para as demais instituições financeiras, como corretoras, aumentará de 15% para 16%.

Além disso, logo mais, às 9h, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) informa a taxa de desemprego de março, mostrando o desempenho do mercado de trabalho no Brasil no mês passado. Ontem, o Ministério do Trabalho e Previdência apontou para uma desaceleração nas vagas formais no final do primeiro trimestre, com a criação de 136,1 mil empregos com carteira.

A expectativa de analistas ouvidos pela Reuters é de uma taxa de 11,4% –o trimestre encerrado em fevereiro mostrou um desemprego de 11,2%.

Nos Estados Unidos, os olhos estarão divulgados para a divulgação do PCE (Índice de Preços para Despesas com Consumo Pessoal), principal índice acompanhado pelo Federal Reserve (o banco central americano) para decisões de política monetária.

Leia mais:
PIB dos EUA cai 1,4% no 1º trimestre, mas pressão para alta de juros pelo Fed se mantém

A expectativa é de um avanço de 0,30% no indicador. O dado sai às vésperas da reunião do Fed, que na quarta-feira da semana que vem decide os juros americanos –a expectativa é de um aumento de 0,50 ponto percentual na taxa.

Bolsas internacionais

Os mercados internacionais operam mistos na manhã desta sexta, com os futuros americanos em queda, impactados principalmente pela queda das ações das big techs.

A Amazon informou ontem um prejuízo que surpreendeu o mercado, e suas ações recuaram cerca de 9%, enquanto que a Apple superou as projeções, mas ao mesmo tempo indicou que sua receita do terceiro trimestre pode ser mais fraca por causa dos choques globais de oferta.

Por volta das 8h, o Dow Jones recuava 0,50%, o Dow Jones caía 0,89% e o Nasdaq afundava 1,17%. Já na Europa, o EuroStoxx 50 subia 0,42%.

Veja abaixo a agenda completa: 

Às 9h, o IBGE divulga a taxa de desemprego de março.

Às 9h30, sai o dado de renda e gasto pessoal nos EUA em março, além do deflator do PCE (Índice de Preços para Despesas com Consumo Pessoal).

Compartilhe:

Compartilhe: