Navegue:
Livro Bege, petróleo em alta e o que mais você precisa saber para investir bem hoje

Livro Bege, petróleo em alta e o que mais você precisa saber para investir bem hoje

Mercados internacionais operam mistos na manhã desta quarta-feira

Gráficos Cotações Bolsa

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

Após um maio em que a Bolsa brasileira se descolou do mercado internacional, fechando o mês em campo positivo, os investidores começam junho de olho no Livro Bege, um compilado de relatórios sobre a economia americana que embasa as decisões de política monetária da maior economia do mundo.

A publicação será divulgada pelo Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos, às 15h. Em duas semanas, no dia 15 de junho, a autoridade monetária deve anunciar um novo aumento nos juros básicos americanos – a maior parte dos analistas espera uma nova elevação de 0,50 ponto percentual, em meio às expectativas de que a inflação pode ter chegado ao seu pico em abril.

O documento que será publicado hoje é montado a partir de uma série de entrevistas com economistas e diretores de bancos e de empresas, e sai oito vezes por ano.

Saiba mais:
Ranking de investimentos: Ações são o destaque de alta de maio, enquanto Bitcoin lidera as perdas

Mercados internacionais

Os mercados internacionais operam mistos e próximos da estabilidade na manhã desta quarta. Por volta das 8h10, o Dow Jones subia 0,26%, o S&P 500 estava em queda de 0,01% e o Nasdaq  perdia 0,19%.

No mesmo horário, o EuroStoxx 500 operava em queda de 0,19%.

Já o petróleo está em alta na manhã desta quarta, com os mercados ainda impactados pela notícia de que a União Europeia irá barrar boa parte das importações da commodity da Rússia em reação pela guerra do país com a Ucrânia.

Outra notícia que impulsiona as cotações do petróleo é a informação de que a China está reduzindo as restrições à circulação em grandes cidades, em meio à política de Covid zero do país. Por volta das 8h, os contratos futuros com vencimento em setembro do petróleo tipo Brent operavam em alta de 1,3%, a US$ 114 o barril.

 

Compartilhe:

Compartilhe: