Navegue:
Ibovespa sobe com Vale (VALE3) e siderúrgicas, mas perde 1,15% na semana

Ibovespa sobe com Vale (VALE3) e siderúrgicas, mas perde 1,15% na semana

Bom humor externo também ajuda o índice a registrar alta nesta sexta-feira

O Ibovespa subiu pelo quinto dia seguido e terminou o pregão no maior patamar em mais de um mês, com a expectativa pelo Copom.

Foto: Pixabay

Por:

Gabriel Bosa

Compartilhe:

Por:

Gabriel Bosa

Seguindo o bom humor dos mercados ao redor do mundo, e com um empurrãozinho adicional das ações da Vale e de siderúrgicas, o Ibovespa fechou o pregão desta sexta-feira (24) em alta de 0,6%, aos 98.672 pontos, com R$ 15,87 bilhões em volume negociado.

A valorização, porém, não foi suficiente para anular as perdas dos últimos dias, e o saldo do índice na semana foi de queda de 1,15%. O balanço do mês de junho passou para baixa de 11,39%, enquanto a performance acumulada desde o início do ano é de recuo de 5,87%.

O dia também foi positivo para o exterior. Em Nova York, o S&P 500 teve alta de 3,06%, o Dow Jones subiu 2,68% e o Nasdaq avançou 3,34%. Na Europa, o índice Euro Stoxx 50 fechou com ganhos de 2,82%.

Por lá, o sentimento foi ajudado pela percepção de que o Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) poderá ser menos duro em seu ciclo de alta de juros, prevenindo uma desaceleração abrupta da economia.

Leia mais:
Até onde cai o Ibovespa? Atual ciclo de baixa é mais acelerado que o último, diz BofA

Petrobras segue penalizada

Os impasses em torno de medidas para lidar com a escalada nos preços dos combustíveis seguem no radar e pressionam os papéis da Petrobras, que caem apesar da alta do petróleo. O Brent fechou o pregão em alta de 2,8%, a US$ 109,10 por barril.

O papel ordinário da estatal (PETR3) fechou em baixa de 0,65%, enquanto o preferencial (PETR4) teve perda de 0,76%. As outras petroleiras listadas ficaram entre as maiores altas do dia: PetroRio (PRIO3) subiu 5,18% e 3R Petroleum (RRRP3), 4,24%.

O comitê de elegibilidade da Petrobras se reuniu, na tarde de hoje, para deliberar sobre a indicação de Caio Paes de Andrade à presidência da companhia. De acordo com reportagem do jornal Valor Econômico, a associação de acionistas majoritários da petrolífera notificou o comitê sobre inconsistências na nomeação.

“Também dispomos da opinião de que a indicação esbarraria em aspectos apontados no estatuto da companhia para nomeação de membros de seu conselho e aguardamos a decisão para termos uma visão mais clara sobre os próximos passos envolvendo a composição deste”, disseram analistas da Ativa Investimentos, em comentários ao mercado.

Ainda, o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) abriu um inquérito para investigar indícios de improbidade administrativa da Petrobras nos reajustes de combustíveis.

O minério de ferro também subiu, com alta de 1% na Bolsa de Dalian, a US$ 109,90 por tonelada, ajudando mineradoras e siderúrgicas – com destaque para CSN (CSNA3) e Gerdau (GGBR4), com altas de 5,18% e 3,95%, nesta ordem. A Vale (VALE3), ação de maior peso do Ibovespa, subiu 2,78%, sustentando o índice no positivo.

Impasses fiscais no radar

Ontem, Carlos Portinho, autor da PEC (Proposta de Emenda Constitucional) dos combustíveis, confirmou que os R$ 30 bilhões que seriam destinados para a compensação de estados que zerassem o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) de gás e diesel serão realocados para financiar o auxílio aos caminhoneiros e o aumento de valor do Auxílio Brasil e do vale-gás.

Já o relator da PEC, o senador Fernando Bezerra, disse que o impacto fiscal total da proposta deve ser de R$ 34,8 bilhões fora do teto de gastos, mais do que os R$ 29,6 bilhões previstos anteriormente.

“Em suma, a PEC perdeu o objetivo inicial e será modificada, não ampliando o buraco fiscal, mas ainda, aparentemente, com chances menores de progresso pela proximidade eleitoral, em trâmite normal, e potencial judicialização”, escreveu o economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez.

Em outra frente, o presidente Jair Bolsonaro sancionou o Projeto de Lei que limita a cobrança de ICMS sobre combustíveis, energia elétrica, transporte coletivo e comunicações.

Na visão da equipe de analistas da Genial Investimentos, esta é a melhor proposta apresentada até agora para reduzir os efeitos da aceleração da inflação e dos preços dos combustíveis. “As outras propostas que estão sendo discutidas, tais como o voucher caminhoneiro de R$ 1.000, aumento do Auxílio Brasil para R$ 600, entre outras, ainda que transitórias, irão exigir aumento dos gastos e rompimento do teto, o que fragiliza o regime fiscal, aumenta o risco e reduz o fluxo de recursos externos para o país”, afirmou a corretora, em comentários ao mercado.

Isso acontece porque, quando o risco de descontrole das contas públicas de um país se eleva, investidores passam a pedir taxas de juros bem maiores lá na frente para comprar títulos públicos. O medo em relação às contas públicas também faz o dólar ficar mais caro, o que acelera a inflação.

Altas e baixas do pregão

As maiores altas do pregão de hoje foram de Gol (GOLL4), PetroRio (PRIO3) e CSN (CSNA3), com ganhos de 6,71%, 5,18% e 5,18%, respectivamente.

A disparada da Gol segue a aprovação de uma nova regra pela Anac (Agência de Aviação Civil) que distribui novos slots no aeroporto de Congonhas. O slot é a permissão dada para que uma companhia aérea tenha direito de usar as pistas de um aeroporto para pousos e decolagens. A medida também impulsionou as ações da Azul (AZUL4), que subiram 4,69%.

A Suzano (SUZB3) também ficou entre as maiores altas, com ganhos de 4,87%. De acordo com informações do Bradesco BBI, a papeleira irá realizar um novo aumento de preços de celulose a parte de 1º de julho. O aumento na Ásia será de US$ 20 por tonelada, diz o banco, enquanto na Europa o valor deve subir US$ 30 por tonelada e na América do Norte, US$ 40 por tonelada.

Na outra ponta, as maiores baixas do dia foram de Petz (PETZ3), Grupo Soma (SOMA3) e Via (VIIA3), que perderam 5,54%, 4,87% e 4,22%, nesta ordem.

Em quarto lugar vem a CVC (CVCB3), que caiu 4,17% depois de informar ao mercado que a venda de novas ações da companhia, mais conhecida como follow-on, movimentou R$ 402,8 milhões, após a precificação do papel sair a R$ 7,70.

Em comunicado, a empresa disse que os recursos captados serão destinados para o desenvolvimento de sua estratégia de crescimento e para o pagamento de parte do saldo devedor em aberto de debêntures.

As outras quedas ficaram concentradas em ações ligadas ao varejo e a outros setores expostos à economia doméstica. Na visão de Flávio Aragão, sócio da gestora 051 Capital, essas quedas ocorrem após a divulgação dos números de inflação do IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) pressionarem a curva de juros brasileira.

Veja também:
IPCA-15 mostra queda lenta da inflação e mercado se prepara para juros a 13,75% ao ano em agosto

Com a alta nos preços dos planos de saúde, o índice acelerou em junho, subindo 0,69% na prévia do mês. O resultado representa um aumento de ritmo em relação a maio, quando a alta havia sido de 0,59%.

O número veio levemente acima do esperado pelo mercado, com analistas da Reuters apostando em um aumento de 0,62%.

Bitcoin

O mercado de criptoativos caminha para fechar a semana no campo positivo em meio à recuperação das Bolsas internacionais após os últimos choques de tensão causados pelo risco de recessão nas principais economias do globo.

Por volta das 16h45, o Bitcoin (BTC) registrava avanço de 1,9% em 24 horas, cotado a US$ 21,180. No acumulado de sete dias, o ganho era de 3,9%, segundo informações do CoinGecko.

O clima positivo também impulsiona as altcoins, como são chamados os ativos além do BTC, com ainda mais força.

O Ethereum, segunda maior criptomoeda em capitalização, tinha alta de 9,2%, enquanto a Solana (SOL) somava 8,7%, e Cardano (ADA) subia 6,2%.

Compartilhe:

Compartilhe: