Navegue:
Ibovespa repercute risco fiscal e recessão global e inicia segundo semestre em baixa

Ibovespa repercute risco fiscal e recessão global e inicia segundo semestre em baixa

No radar dos investidores, os riscos fiscais envolvendo o governo brasileiro e a possibilidade de uma recessão global

Gráfico de ações

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

No primeiro pregão do segundo semestre de 2022, o Ibovespa estende o movimento visto no mês e semestre anterior, e opera em queda, reverberando os riscos fiscais envolvendo o governo brasileiro e a possibilidade de uma recessão global.

Por volta das 13h25, o principal índice da B3 caía 0,38%, aos 98.170 pontos. Quem liderava a ponta negativa era Fleury (FLRY3), que recuava 4,29%, devolvendo parte dos ganhos vistos nesta quinta-feira (30).

Ontem, a empresa encerrou a sessão em alta de 16,1% após anunciar que fechou um acordo para comprar o Hermes Pardini (PARD3), em uma operação de R$ 2,5 bilhões que envolverá troca de ações e pagamento em dinheiro. Os dois grupos estimam que a combinação aumente em até R$ 190 milhões o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) anual da companhia combinada.

Análise:
Com Hermes Pardini (PARD3), 18% do mercado estará nas mãos do Fleury (FLRY3)

As companhias acreditam que a combinação das duas operações representa uma excelente oportunidade de criação de valor, podendo beneficiar seus acionistas por aumentar competitividade no setor de saúde e medicina diagnóstica. As ações do Hermes Pardini fecharam em alta de 18,99% o pregão de ontem.

A segunda ação que mais caía nesta sexta-feira (1) era a da SulAmerica (SULA11), que recuava 4,19%. Na sequência, empresas ligadas a mineração e a siderurgia recuavam em bloco — CSN (CSNA3 -3,30%), CSN Mineração (CMIN3 -2,85%), Gerdau (GOAU4 -2,72%) e Vale (VALE3 -2,99).

A última, inclusive, ajuda a pressionar a queda do Ibovespa por ser a ação que mais negocia papéis na Bolsa, com cerca de 16%. Essas empresas caem acompanhando o recuo forte do minério de ferro no mercado internacional, ainda avaliando o real ímpeto da retomada econômica da China pós lockdowns.

Na bolsa de commodities de Dalian, também no gigante asiático, o preço da tonelada do minério teve baixa de 6,85%, sendo cotado a 747,50 iuanes, o equivalente a US$ 131,95.

Ontem, o Ibovespa encerrou o pregão somando 11,5% de perdas em junho. No trimestre, a queda é de 17,88%, enquanto a desvalorização desde o início do ano é de 5,99%.

Para Paula Zogbi, analista da Rico Investimentos, entre os “vilões do mercado em 2022” estão a “inflação persistente, elevação das taxas de juros e, mais recentemente, a possível consequência de uma recessão na economia dos Estados Unidos”.

Além disso, o Senado brasileiro aprovou, na noite de quinta, uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que autoriza o governo a gastar R$ 41,2 bilhões fora dos limites de despesas previstos em lei. O dinheiro será usado até o final deste ano para aumentar auxílios financeiros à população mais pobre e para diminuir o preço dos combustíveis a caminhoneiros e taxistas.

⇨ Acompanhe seus ganhos e gastos e cuide melhor do seu dinheiro. Baixe o GranaMap!

Altas do pregão

Na ponta positiva do principal índice da B3, o setor de frigoríficos subia em bloco. Marfrig (MRFG3) ganhava 4,46%, BRF (BRFS3) subia 3,83% e Minerva (BEEF3) valorizava 3,24%. Contudo, a ação que subia com maior intensidade era a da MRV (MRVE3).

A empresa da família Menin, que subia 6% no pregão, anunciou um novo programa de recompra de ações. A companhia vai comprar no máximo 6 milhões de ações ordinárias, cerca de 2% do total em circulação, para permanência em tesouraria ou para posterior alienação.

Além disso, a subsidiária americana da empresa do setor de construção civil, a Resia, antiga AHS Residential, concluiu a venda de dois empreendimentos por US$ 195 milhões, mais de R$ 1 bilhão na cotação atual.

Somado a isso, a MRV anunciou que recebeu R$ 349 milhões decorrentes da venda de créditos imobiliários da companhia para uma securitizadora.

Os créditos vendidos pela MRV são parte do chamado “pró-soluto”. O termo refere-se ao financiamento que o cliente contrata diretamente com a incorporadora quando o dinheiro que tem à mão e o empréstimo do banco são insuficientes para cobrir a compra do imóvel.

Segundo a MRV, este financiamento é concedido sem garantias reais à incorporadora e, embora geralmente corresponda a uma parcela pequena do volume total do negócio, deixa a companhia sujeita ao risco de inadimplência, por exemplo.

Cenário externo

As principais bolsas pelo mundo também recuam nas primeiras sessões do segundo semestre. Nos Estados Unidos, o S&P 500 teve o pior semestre desde 1970, recuando mais de 20%. Nesta quinta, o índice recuava 0,12% enquanto Dow Jones perdia 0,23% e o Nasdaq operava com estabilidade.

Na Europa, o movimento também era negativo próximo do fechamento. O índice Euro Stoxx 50 desvalorizava 0,11% e o FTSE 100 perdia 0,13%. Já o DAX, da Alemanha, seguia o sentido o oposto e subia 0,14%.

Por lá, o mercado repercute a divulgação da taxa anual de inflação ao consumidor (CPI, na sigla em inglês), que atingiu a máxima histórica de 8,6% em junho, superando o recorde anterior de 8,1% observado em maio.

Compartilhe:

Compartilhe: