Navegue:
MRV (MRVE3) vende parte da carteira de empréstimos e fica entre as maiores altas do Ibovespa

MRV (MRVE3) vende parte da carteira de empréstimos e fica entre as maiores altas do Ibovespa

MRV vende parte da carteira de "pró-soluto", que ao fim do primeiro trimestre representava quase um terço das vendas da companhia

tela de celular com logotipo da empresa MRV

Foto: rafapress / Shutterstock.com

Por:

Compartilhe:

Por:

A MRV (MRVE3) aparece entre as maiores altas da Bolsa nesta sexta-feira (1) após divulgar que recebeu R$ 349 milhões decorrentes da venda de créditos imobiliários da companhia para uma securitizadora.

Os créditos vendidos pela MRV são parte do chamado “pró-soluto”. O termo refere-se ao financiamento que o cliente contrata diretamente com a incorporadora quando o dinheiro que tem à mão e o empréstimo do banco são insuficientes para cobrir a compra do imóvel.

Segundo a MRV, este financiamento é concedido sem garantias reais à incorporadora e, embora geralmente corresponda a uma parcela pequena do volume total do negócio, deixa a companhia sujeita ao risco de inadimplência, por exemplo.

⇨ Quer conferir quais são as recomendações de analistas para as empresas da Bolsa? Inscreva-se no TradeMap!

A empresa considera que o pró-soluto pode ter um “relevante efeito adverso” nos resultados operacionais se os clientes deixarem de pagar o financiamento.

Quando estes créditos são securitizados – ou seja, transformados em títulos de dívida e vendidos a investidores -, o risco é transferido a quem fica com os papéis.

Nos 12 meses até março deste ano, o pró-soluto da MRV era equivalente a quase um terço das vendas da companhia.

Fonte: MRV

Na operação divulgada pela MRV, foram securitizados R$ 396,2 milhões de pró-soluto, divididos em dois CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários) distintos. A MRV ficará responsável pela cobrança dos empréstimos e pela administração dos créditos imobiliários.

Por volta das 12h20, as ações da companhia subiam 4,48%, para R$ 8,16. De acordo com dados disponíveis na plataforma TradeMap, todas as 11 instituições financeiras consultadas pela Refinitiv recomendam a compra do papel.

Compartilhe:

Tags:

Compartilhe: