Navegue:
Depois de quatro dias de queda, Ibovespa tem dia de alívio e sobe 2,4%

Depois de quatro dias de queda, Ibovespa tem dia de alívio e sobe 2,4%

Índice subiu com sinais de possível solução diplomática entre Rússia e Ucrânia

Gráfico de mercado no TradeMap

Foto: João Tessari/TradeMap

Por:

Compartilhe:

Por:

Após quatro quedas consecutivas, o Ibovespa deu um respiro nesta quarta-feira (9), em meio a sinais que indicam uma possível solução diplomática para a guerra entre a Rússia e a Ucrânia, que já se arrasta por duas semanas.

O principal índice da Bolsa de valores brasileira teve alta de 2,43%, aos 113.900 pontos, com R$ 29,17 bilhões em volume negociado. No ano até aqui, o saldo é de avanço de 8,66%, enquanto o balanço desde o início de março é de alta de 0,67%.

As Bolsas internacionais também subiram com as últimas notícias do leste europeu. Em Nova York, o Nasdaq subiu 3,59%, o S&P 500 teve alta de 2,59% e o Dow Jones avançou 2%. Na Europa, o índice Euro Stoxx 50 teve alta de 7,44%.

O alívio das Bolsas veio com a percepção de que o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, estaria disposto a negociações, tendo afirmado, durante a tarde de ontem, que havia desistido de insistir na entrada da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte).

Sinais vindos da Rússia também alimentaram as expectativas de uma solução diplomática para a guerra, com Moscou alegando não ter intenção de derrubar o governo ou ocupar a Ucrânia, segundo declaração da porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.

Há, porém, uma série de tensões relativas ao conflito. O conselheiro do Ministério do Interior da Ucrânia, Vadym Denysenko, acusou a Rússia de ter quebrado um cessar-fogo para impedir a retirada de centenas de milhares de civis por meio de alguns corredores humanitários.

Além disso, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse que suas expectativas para as negociações com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, são limitadas. A conversa irá ocorrer na quinta-feira.

Depois de o petróleo ter disparado ontem, com os Estados Unidos impondo sanções ao petróleo russo, a percepção atual é que a medida pode não ter efeitos tão expressivos, uma vez que apenas 3% do petróleo importado pelos EUA vem da Rússia.

Com isso, e com as esperanças de alívio das tensões, o petróleo tipo Brent fechou o pregão de hoje em baixa de 13,16%, a US$ 111,14 por barril.

As petroleiras figuraram entre as poucas baixas do pregão de hoje. PetroRio (PRIO3) liderou as quedas do Ibovespa, com perdas de 6,44%, seguida de 3R Petroleum (RRRP3), que recuou 4,35%. Petrobras (PETR4), por sua vez, teve leve alta de 0,31%.

Ainda assim, o petróleo segue em patamares elevados, gerando temores de pressões inflacionárias pelo mundo. Diante deste cenário, o governo brasileiro vem debatendo medidas para limitar a alta nos preços dos combustíveis. Na noite de ontem, o ministro da Economia, Paulo Guedes, descartou o congelamento dos preços.

Além disso, foi aprovada na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) uma audiência pública para a Petrobras prestar informações sobre a distribuição de aproximadamente R$ 101 bilhões em dividendos a seus acionistas. O requerimento foi motivado pela notícia de que a empresa distribuiria os dividendos bilionários a seus acionistas, em meio a um período de alta dos preços dos combustíveis.

O preço do minério também caiu no dia, fazendo com que a Vale (VALE3), empresa mineradora que mais negocia ações na B3, recuasse 2,64%, na terceira maior baixa do Ibovespa. Na Bolsa de Dalian, na China, o preço da commodity caiu 3,85%, sendo negociado por 812,50 iuanes, o equivalente a US$ 128.

Empresas varejistas e companhias aéreas, por outro lado, dominaram as altas do pregão, seguindo o alívio na curva de juros e a queda dos preços das commodities. Para o especialista em renda variável da Renova Invest, Nicolas Farto, as ações que sofreram nos últimos dias se recuperam nesta quarta, e impulsionam o Ibovespa.

Leia mais:
Como a alta das commodities deve afetar as empresas do varejo, na visão da XP

No fechamento, as três maiores altas eram de CVC (CVCB3), Natura (NTCO3) e Banco Inter (BIDI11), que subiram 16,97%, 16,25% e 15,18%, respectivamente.

Para Farto, as notícias recentes sobre a guerra na Ucrânia fizeram com que os juros futuros brasileiros caíssem, ajudando ações expostas ao mercado doméstico que sofreram nos últimos pregões a performar de forma positiva hoje.

Além disso, existe uma sensação de que esses papéis estão bastante descontados, pois apanharam recentemente. “Num momento em que o juros futuros aliviam, pode ser um bom movimento para comprar as ações”, comenta o especialista.

A escalada das ações de tecnologia seguiu a mesma tendência, subindo em bloco, seguindo também seus pares na Nasdaq. Os destaques positivos, além de Inter, foram as ações de Méliuz (CASH3) e Locaweb (LWSA3), que ganharam 8,78% e 7,22%, respectivamente.

A melhora do humor global também ajudou os grandes bancos, que fecharam em alta. Itaú (ITUB4) teve alta de 4,98%; Banco do Brasil (BBAS3) subiu 5,66%; Santander (SANB11) avançou 8,79%; e Bradesco (BBDC4) ganhou 6,41%.

Compartilhe:

Compartilhe: