Navegue:
Corte no Orçamento, China reduz juros e o que mais você precisa saber para investir bem hoje

Corte no Orçamento, China reduz juros e o que mais você precisa saber para investir bem hoje

Investidores ainda estão de olho no encontro entre o presidente Jair Bolsonaro e o bilionário Elon Musk

Gráficos de ações

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

A semana termina com os investidores acompanhando diferentes assuntos: a atualização da programação orçamentária para o ano, redução de juros pela China para estimular a economia do país e uma reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e o bilionário americano Elon Musk, que acontece pela manhã no interior de São Paulo.

O Ministério da Economia divulga nesta sexta-feira (20) às 14h30 o Relatório de Receitas e Despesas, documento em que o governo divulga o quanto vai contingenciar (represar) ou liberar de gastos no Orçamento de 2022.

De acordo com informações do Estadão e do Valor Econômico, a área econômica prepara um bloqueio de cerca de R$ 10 bilhões, montante que será separado para acomodar despesas com o reajuste salarial de 5% para os servidores e o plano-safra.

Saiba mais: 
Reajuste de 5%? Alta salarial a servidores custa caro e não resolve greve; entenda

Segundo os jornais, esse valor ainda não foi totalmente definido, já que Bolsonaro estuda se dará um reajuste diferenciado aos policiais. Se isso acontecer, crescerão as pressões das demais categorias por um aumento salarial maior que 5% – muitos servidores já consideram esse patamar de reajuste insuficiente.

Os gastos com o funcionalismo são a segunda maior despesa da União, e totalizaram R$ 350 bilhões em 2021, de acordo com dados do Tesouro Nacional. Isso mexe com o mercado porque em um cenário de descontrole fiscal, os investidores pedem juros cada vez mais elevados para investir nos títulos públicos do governo.

China reduz juros

O mercado ainda repercute a decisão do PBoC (Banco do Povo da China, o BC chinês) de reduzir sua taxa de juros para empréstimos de longo prazo, que foi reduzida de 4,60% para 4,45%.

A decisão tem como objetivo estimular a economia chinesa, que vem sendo fortemente afetada pelos rigorosos lockdowns decretados pelo país para conter o espalhamento de novos casos de Covid-19.

Leia mais:
Novo surto de Covid-19 na China põe em cheque fim da escassez de semicondutores

Na avaliação de analistas de mercado, a medida tende a beneficiar o mercado imobiliário, que vem sofrendo por causa da queda de demanda e elevadas dívidas do setor.

Musk e Bolsonaro

Logo mais, por volta das 10h, o presidente Jair Bolsonaro deve se encontrar com o bilionário americano Elon Musk, dono da Tesla e em negociação para comprar o Twitter, no interior de São Paulo, na cidade de Porto Feliz.

O encontro ocorre em meio ao “Conecta Amazônia”, evento que tem como objetivo discutir marcos regulatórios relacionados à Amazônia e conectividade nas escolas.

Mercados internacionais

Após uma semana de intensa volatilidade, os índices futuros americanos operam em alta na manhã desta sexta. Por volta das 8h10, o Dow Jones subia 0,86%, o S&P 500 estava em alta de 1,04% e o Nasdaq ganhava 1,34%.

No mesmo horário, o EuroStoxx 500 operava em alta de 1,74%.

 

Compartilhe:

Compartilhe: