Navegue:
Bolsa brasileira ensaia recuperação e sobe impulsionada por ações do setor de transporte; veja mais

Bolsa brasileira ensaia recuperação e sobe impulsionada por ações do setor de transporte; veja mais

Após iniciar o mês em queda, a Bolsa ensaia uma recuperação e sobe impulsionada por ações ligadas ao setor de transporte

Sede da Bolsa Brasileira

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

A Bolsa brasileira ensaia uma recuperação neste segundo pregão de maio, após encerrar o dia de ontem em queda. Por volta de 12h50 (de Brasília), o Ibovespa subia 0,15%, aos 106.799 pontos, impulsionada por ações de aéreas e locadoras, que reverberam recuperação após queda por alta do petróleo e divulgação de balanço pela Localiza (RENT3).

No horário acima, a maior alta do dia era exatamente da locadora de veículos que via suas ações subirem 4,23%. Na avaliação de Leandro Petrokas, analista da Quantzed, a elevação do papel da empresa animou o setor, que ajudava na alta de 3,69% nas ações da Locamerica (LCAM3).

A Localiza divulgou seu balanço financeiro do primeiro trimestre de 2022 na noite de segunda-feira (2). No período, a companhia registrou lucro líquido de 7,3% na comparação anual, para R$ 517,4 milhões.

De acordo com a companhia, as iniciativas de produtividade e de gestão de custo iniciadas no ano passado foram as motivadoras dos números positivos. A empresa afirmou que eles “têm compensado parcialmente as limitações ao crescimento devido à escassez de carros novos”.

No primeiro trimestre, o preço médio do carro vendido subiu 34,9% em comparação anual, para R$ 71,5 mil, refletindo os aumentos nos preços dos veículos novos e o mix de venda no seminovos.

Com isso, o faturamento líquido com a venda de carros seminovos caiu 32,4% no primeiro trimestre, para R$ 1,039 bilhão, enquanto a receita com aluguel teve alta de 35,6% e totalizou R$ 1,3 bilhão.

Além da Localiza, as aéreas também subiam em bloco no pregão, com Gol (GOLL4) valorizando 3,36% e Azul (AZUL4) crescendo 3,19%, após registrarem perdas no pregão anterior, refletindo a alta do preço do combustível. 

Veja mais:

Ações de Gol (GOLL4) e Azul (AZUL4) sobem após despencarem por alta do combustível

A elevação nos preços, segundo a Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas), é consequência dos efeitos da guerra na Ucrânia e das sanções econômicas impostas à Rússia. O fato pressionou as ações das companhias no pregão de ontem.

Para o analista da Quantzed, o pregão é misto, com destaque para as ações da Vale (VALE3) que subiam 1,24% e ajudavam a performance positiva do Ibovespa pelo seu peso no índice, apesar do feriado da China nesta terça, que deveria desacelerar a atividade das ações da empresa no dia.

Ainda no campo positivo, as maiores altas tinham a Petz (PETZ3), que subia 4,19%, CSN (CSNA3) com alta de 3,50% e SLC Agrícola (SLCE3), que tinha alta de 3,33%.

Na outra ponta do principal índice da B3, quem liderava as perdas era a JHSF (JHSF3), que recuava 3,92%. Petrokas, da Quantzed, analisa o movimento como natural, com a empresa devolvendo parte dos ganhos obtidos na sessão anterior. Ontem, as ações da construtora encerraram com uma alta de 5,03%.

Magazine Luiza (MGLU3), que perdia 2,92%, Ultrapar (UGPA3), que caia 2,78% e Americanas (AMER3) que desvalorizava 2,75% fecham o top cinco.

Cenário Internacional

Nesta manhã, as reuniões de política monetária do Banco Central e do Federal Reserve, o banco central amerciano começaram, deixando a expectativa para a superquarta (4).

Amanhã os investidores saberão os próximos passos da subida de juros nos dois países. Por aqui, a expectativa é que a Selic suba a 12,75%, uma alta de 1 ponto percentual. Por lá, a expectativa é que haja um ajuste de 0,5 ponto.

Enquanto isso, os índices acionários de Wall Street operam com altas, com Dow Jones crescendo 0,61%, S&P 500 subindo 0,86% e Nasdaq valorizando 0,46%. Ainda no continente norte-americano, os investidores aguardam a divulgação dos balanços de Pfizer, Airbnb, AMD, Lyft e Starbucks.

Na Europa, o movimento também era de alta nas principais bolsas. Na Alemanha o DAX subia 0,45%, no Reino Unido o FTSE 100 crescia 0,11% e o índice Euro Stoxx 50, que reúne empresa de toda a Zona do Euro apontava em 0,41% para cima.

Compartilhe:

Compartilhe: