Navegue:
Apesar da alta de Cielo (CIEL4), Ibovespa cai puxado por Braskem (BRKM5)

Apesar da alta de Cielo (CIEL4), Ibovespa cai puxado por Braskem (BRKM5)

Após semana positiva para o índice, a bolsa permanece em queda desde a abertura do pregão. Cielo puxa as altas enquanto Braskem as baixas

Maquina de pagamentos da CIelo
Por:

Compartilhe:

Por:

Após o Ibovespa fechar a semana passada em alta de 4,1%, alcançando quase 107 mil pontos e apresentando sua melhor semana nos últimos dez meses, o índice apresenta queda nesta segunda. Às 14h05, caía 0,48%, operando aos 106.415 pontos.

Para o economista e estrategista da RB Investimentos, Gustavo Cruz, o movimento é de reajuste. “Como a semana passada foi forte e muito positiva, faz parte termos um pouco de ajustes. Além disso, o volume de negócios hoje é menor. As ações negociadas estão próximas de 20 bilhões, enquanto na sexta foi de 30 bilhões”, afirma o economista.

A principal alta do dia é da Cielo (CIEL3), que sobe 4,46%, a  por volta das 14h10, a R$ 2,11. A performance positiva vem no mesmo dia em que foi divulgado o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA). Segundo dados divulgados, houve crescimento de 3% nas vendas no varejo de dezembro de 2021.

“Embora o índice não leve somente em conta as vendas realizadas por meio da maquininha de cartão, o ICVA acima do esperado é positivo para a companhia. Essas vendas no varejo devem repercutir diretamente sobre o volume total transacionado (TPV) da Cielo”, afirma Murilo Breder, analista da Nu Invest.

Para Breder, um maior TPV impacta de forma direta também no Ebitda, lucro antes de impostos, juros, amortizações (Ebitda) da companhia. Esse número acima do esperado fez com que o mercado reagisse de forma positiva em relação ao papel.

Outro setor que apresenta altas é o de serviços médicos. HapVida (HAPV3) tinha alta de  2,52%, a R$ 10,57, figurando entre as maiores altas no horário. A exceção do setor é a Rede D’Or (RDOR3), que caía 2,61%, a R$ 39,88. Para Cruz, da RB Investimentos, o que pode explicar essa queda são as recentes notícias de que a rede de hospitais está com testes de Covid-19 em falta.

Dentre as quedas, quem lidera a lista é a Braskem (BRKM5), caindo 3,16%, a R$ 49,38. O recuo, que vem desde a última semana, é acentuado hoje após a divulgação que a Petrobras (PETR4) pretende negociar sua participação na empresa. Em pedido junto à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a companhia anunciou que quer realizar uma oferta pública para negociar as 75.704.061 ações preferenciais de classe A (PNA) da petroquímica.

Greve

As notícias de possíveis greves do funcionalismo público também estão no radar dos investidores. A primeira de três paralisações de servidores públicos está marcada para esta terça-feira, 18. Os fóruns e associações que organizam os atos representam ao menos 1,2 milhão de servidores em todo o país e reivindicam reajustes salariais. Essa situação está gerando um atrito entre o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Economia Paulo Guedes.

Para o economista da RB Investimentos, essa crise não é positiva, e pode se arrastar até o ano que vem, independentemente de quem ganhe a eleição. “Essa crise de reajuste é uma herança, ela fica para frente. O Brasil chegou num nível de endividamento em que é delicado garantir reajustes. Com isso, é complicado para rolar a dívida do país”, afirma Gustavo.

Mercados externos

Os mercados norte-americanos estão em recesso hoje, devido ao feriado do Dia de Martin Luther King Jr. Com isso, as bolsas de Wall Street não funcionam nesta segunda-feira. Contudo, os contratos futuros dos principais índices acionários do país estão em alta de 0,15% a 0,20%.

Já na Europa, os principais índices começaram a segunda-feira em alta, impulsionadas pelo bom humor do mercado asiático após a divulgação de um crescimento acima do esperado na economia da China no quarto trimestre.

O FTSE 100, de Londres, subia 0,88%. O DAX, da Alemanha crescia 0,36%. Já o Euro Stoxx 50, índice que reúne diversas empresas da zona do euro, apontava crescimento de 0,73%.

Compartilhe:

Compartilhe: