Navegue:
Anbima: Investir na compra da casa própria é o principal desejo do público LGBTQIA+

Anbima: Investir na compra da casa própria é o principal desejo do público LGBTQIA+

Aquisição de imóvel é o destino das aplicações de 40% dos investidores LGBTQIA+, ante 28% dos heterossexuais

casal e bandeira LGBT

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

Os investidores que se identificam como LGBTQIA+ têm como um dos principais objetivos das aplicações financeiras a compra da casa própria e são mais propensos a utilizar os recursos das aplicações financeiras para fazer uma viagem ou outra atividade de lazer. É isso que mostra o 5º Raio X do Investidor Brasileiro, feito pela Anbima (Associação Nacional das Empresas dos Mercados Financeiro e de Capitais) em parceria com o Datafolha.

Comprar um imóvel é o destino das aplicações de 40% dos investidores LGBTQIA+, acrônimo para lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros e queer. No público heterossexual, a intenção de usar as aplicações para comprar um imóvel é menor, de 28% – mas se mantém como o principal destino das economias.

O investidor LGBTQIA+ também tem uma maior propensão para usar os recursos investidos para fazer uma viagem ou outra atividade de lazer, destino da aplicação de 12% desse segmento, ante 7% do público hétero.

Ter dinheiro guardado para emergências tem a mesma importância para ambos os grupos: 20%.

Fontes de informação

O levantamento aponta diferenças pontuais, o que indica que a classe social e faixa etária têm maior influência sobre as decisões de investimentos do que identidade de gênero e orientação sexual, segundo a Anbima, que pela primeira vez incluiu a população LGBTQIA+ no Raio X.

“É importante mensurarmos e darmos visibilidade a esses fatores na pesquisa para oferecermos informações que ajudem nas estratégias de representatividade, diversidade e inclusão dos mercados financeiro e de capitais”, disse, em nota, Marcelo Billi, superintendente de Comunicação da Anbima.

Leia mais:
Inflação menor? Itaú reduz previsão de alta do IPCA de 2022 após governo diminuir imposto

O levantamento mostra ainda que entre os LGBTQIA+, 53% responderam que pretendiam investir em 2022, ante 48% da população heterossexual.

Como fonte de informação para a tomada das decisões sobre investimentos, 35% utilizam os bancos tradicionais. A liderança também se repete entre o público heterossexual, mas com uma fatia maior, de 42%. Entre os LGBTQIA+, outras fontes relevantes de informação sobre investimentos são os portais (21%), bancos digitais (16%) e influenciadores (15%).

Nas respostas espontâneas, o digital ganha relevância. Entre o público LGBTQIA+, 45% usam o YouTube para buscar informações sobre investimentos, 35% a televisão e 32% o Instagram. Entre o público heterossexual, esses mesmos canais respondem por 37%, 34% e 25%, respectivamente.

O Raio X do Investidor realizou as entrevistas entre os dias 9 e 30 de novembro de 2021 com 5.878 pessoas de 16 anos ou mais. Desses, 1.761 declararam investir.

⇨ Acompanhe as notícias de mais de 30 sites jornalísticos de graça! Inscreva-se no TradeMap!

Compartilhe:

Compartilhe: