Navegue:
3R Petroleum (RRRP3) lidera perdas após frustração com balanço, enquanto Eletrobras (ELET3) sobe com avanço em privatização

3R Petroleum (RRRP3) lidera perdas após frustração com balanço, enquanto Eletrobras (ELET3) sobe com avanço em privatização

o custo operacional médio da 3R para extrair cada barril de petróleo subiu no quarto trimestre

Imagem ampliada de cotações da Bolsa de valores

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

A 3R Petroleum, que publicou balanço na noite de terça-feira (22) com os resultados do quarto trimestre, frustrou o mercado e vê a sua ação ter a maior desvalorização do dia entre as empresas que fazem do Ibovespa.

Por volta das 13h30, o papel caía 8,26% e contribuía para que o principal índice da Bolsa operasse em queda de 0,39%, após ter começado o pregão em alta.

A empresa anotou lucro líquido de R$ 19,7 milhões no quarto trimestre e conseguiu reverter o prejuízo de R$ 147,5 milhões que havia registrado em igual período do ano anterior.

Contudo, alguns números do resultado não agradaram os investidores. Para Jansen Costa, sócio-fundador da Fatorial Investimentos, o mercado não gostou do resultado pelo lifting cost, o custo operacional médio para extrair cada barril de petróleo. O valor subiu entre os terceiro e o quarto trimestre, passando de US$ 8,49 por barril para US$ 9,64.

A 3R atribui o aumento ao fato de ter assumido operações de ativos recém-adquiridos e menos eficientes, além dos altos custos de energia registrados entre outubro e dezembro do ano passado.

A equipe de analistas do BTG Pactual também chamou atenção para fato de que o Ebitda (lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado do quatro trimestre ficou 13% abaixo do esperado, a R$ 82,6 milhões, que também é uma queda de 21% em relação ao terceiro trimestre. “Os lucros também ficaram abaixo da nossa estimativa devido a despesas financeiras acima do esperado”, complementa o banco.

Outra empresa que divulgou seu balanço do quarto trimestre foi a Gerdau (GGBR3), que caía 3,70%, também apesar de ter registrado uma melhora no resultado líquido. A empresa siderúrgica, líder em produção de aço no Brasil, registrou lucro líquido de R$ 3,56 bilhões no quarto trimestre do ano passado, alta de 237% em relação a igual trimestre do ano anterior.

Altas do dia

A sinalização positiva para a privatização da Eletrobras (ELET6), que recebeu sinal verde dos acionistas para seguir com o processo, fez as ações subirem e liderarem as altas do Ibovespa, subindo 4,13%.

Leia mais:

Eletrobras (ELET6) recebe sinal verde dos acionistas para privatização

A expectativa é de que a operação aconteça no primeiro semestre deste ano e seja grande o suficiente para reduzir a participação do governo federal na companhia de 70% para 45%. O apoio dos acionistas era um dos passos necessários para a privatização da Eletrobras. O próximo é a aprovação, pelo TCU (Tribunal de Contas da União), do modelo desenhado pelo governo federal para a venda da estatal.

Na avaliação de Jansen Costa, a capitalização torna a companhia “privatizável”. “Na verdade, esse processo não é uma privatização como conhecemos, mas sim uma capitalização. O governo conseguiu aprovar tudo o que queria, então vamos ver uma mudança importante no mercado de energia. Os subsídios na conta de energia para uma conta mais barata devem ser suspendidos e o mercado de energia livre deve mudar de patamar”, afirma.

Após três dias fora do ar, o site da Americanas (AMER3) voltou a funcionar de forma gradativa na manhã desta quarta-feira (23) e impulsiona as ações da empresa na bolsa. Às 12h20, os papeis da varejista subiam 1,18% e lideravam as maiores altas do dia, depois de ter caído mais de 10% nos dois pregões anteriores.

Em relação ao site da Americanas, a agência de classificação de risco Fitch apontou que o evento pode ter consequências futuras, a depender da severidade e de quanto tempo os sites ficarem fora do ar.

“As vendas online ficaram suspensas nos últimos três dias e existe a possibilidade de algum dano reputacional”, disse a Fitch. “A liquidez da empresa é forte, e pode segurar uma eventual pressão temporária sobre as vendas”, acrescentou. De acordo com estimativas da Americanas, as vendas pelos seus canais virtuais correspondem a cerca de 60% do faturamento.

Na segunda-feira (22), a Americanas disse não haver evidências de comprometimento das bases de dados dos usuários. “A companhia atua com recursos técnicos e especialistas para avaliar a extensão do evento e normalizar com segurança o ambiente de e-commerce o mais rápido possível”, disse a Americanas na ocasião.

Cenário internacional

As principais bolsas externas operam sem direção definida nesta quarta, enquanto os investidores internacionais continuam a acompanhar as tensões envolvendo Rússia e Ucrânia.

No Velho Continente, as bolsas operavam em alta. Em Londres, o FTSE 100 crescia 0,07% e, na Alemanha, o DAX operava com estabilidade. Já o Euro Stoxx 50, que reúne empresas de toda Europa, caía 0,23%.

Em Wall Street, o movimento é de queda. Enquanto Dow Jones caía  0,36%, o S&P 500 recuava 0,59% e o Nasdaq tinha queda de 0,81%.

Com a possibilidade de uma invasão russa no país vizinho, as sanções prometidas por outros países já começaram a serem feitas.

A Alemanha interrompeu a aprovação do gasoduto Nord Stream 2 e a União Europeia fez acordo para sanções atingindo centenas de parlamentares russos, enquanto EUA e Reino Unido lançaram medidas visando algumas das maiores instituições financeiras da Rússia.

Pela Europa, os investidores acompanham a divulgação do principal índice de inflação da zona do euro, o CPI, que avançou 0,3% em janeiro. O CPI final de janeiro da zona euro ficou em 5,1% no comparativo anual, acima dos 5% de dezembro, e em linha com as estimativas do mercado.

Compartilhe:

Compartilhe: