Navegue:
Amazon (AMZN34) vende mais que o esperado no 2º trimestre e ações disparam no after market

Amazon (AMZN34) vende mais que o esperado no 2º trimestre e ações disparam no after market

Entre abril e junho, a varejista teve um prejuízo de US$ 2 bilhões ante o mesmo intervalo do ano anterior

Fachada Amazon varejo Brasil EUA

Foto: Shutterstock

Por:

Compartilhe:

Por:

Em continuidade à agitada semana de balanços corporativos nos Estados Unidos, a Amazon (AMZN34) apresentou números considerados sólidos após o pregão desta quinta-feira (28).

A varejista apresentou um prejuízo de US$ 2 bilhões no segundo trimestre deste ano, mas o que chamou a atenção foi o crescimento de 7% nas vendas totais, para US$ 121,2 bilhões, em um ano. Por volta de 17h30, os papéis da Amazon subiam 13% no after market da Nasdaq.

Na visão dos investidores, que passam a digerir a segunda perda trimestral consecutiva da empresa, o crescimento da receita é um ponto positivo em meio ao ambiente inflacionário e de aumento de custos.

A companhia sediada em Seattle, com isso, frustra no resultado líquido, mas bate a expectativa de Wall Street, que esperava que a Amazon tivesse uma receita de US$ 119 bilhões no segundo trimestre.

Vale ressaltar, entretanto, que na comparação com o mesmo trimestre de 2021, o crescimento do faturamento ficou abaixo da inflação no período, que atingiu 9,1%. Ou seja, não houve crescimento real.

No início do ano, a empresa revelou que esperava enfrentar US$ 4 bilhões em custos adicionais no primeiro trimestre, mais US$ 2 bilhões no segundo trimestre, como resultado da queda da produtividade da operação em função da conjuntura mais difícil.

Leia também: 
Amazon ou Magazine Luiza? Diferenças e oportunidades do varejo brasileiro e americano

O CEO da companhia, Andy Jassy, afirmou, em comentário no resultado, que os negócios foram impactados pelo aumento dos preços na economia. 

“Apesar das contínuas pressões inflacionárias nos custos de combustível, energia e transporte, estamos progredindo nos custos mais controláveis, principalmente melhorando a produtividade de nossa rede de atendimento”, comentou o ex-presidente-executivo da Amazon Web Services (AWS). 

AWS segura a barra da Amazon – mais uma vez

A divisão do serviço de computação em nuvem mais uma vez não decepcionou.

Entre abril e junho, as vendas líquidas da AWS cresceram 33%, para US$ 19,73 bilhões. O crescimento foi maior do que o das despesas, que avançaram 31%, para US$ 14,02 bilhões. Com isso, o lucro operacional somou US$ 5,71 bilhões, alta de 36,2% na comparação anual. 

⇨ Quer acompanhar as cotações das suas ações na B3 em TEMPO REAL? Inscreva-se no TradeMap!

Aqui, as vendas da vertical da Amazon superaram a expectativa dos analistas, que aguardavam US$ 19,56 bilhões. O lucro, porém, ficou abaixo, uma vez que era esperado em US$ 6,04 bilhões.

Percebe-se, com isso, que o mercado subestimou a capacidade de crescimento das vendas da Amazon durante um período mais difícil da economia americana – que acaba de entrar em recessão técnica, quando o PIB cai por dois trimestres consecutivos.

As contas dos analistas, entretanto, foram mais amenas em termos de custos e despesas do que o reportado pela varejista. O que sustenta o ponto da resiliência do negócio – embora, no fim das contas, a companhia tenha dado prejuízo.

O balanço do segundo trimestre também aponta para a perda de US$ 3,9 bilhões relacionada ao investimento na Rivian Automotive (RIVN), empresa americana de carros elétricos. No ano, as ações da empresa caem 67%.

Os papéis da varejista também passam por uma montanha-russa. No acumulado do ano, até o fim da sessão desta quinta, a baixa era de 29%. Nos últimos dois meses, porém, ensaiam uma recuperação, com alta de mais de 30%.

Segundo dados compilados pela Refinitiv, apresentados na plataforma do TradeMap, o preço-alvo mediano para as ações da Amazon, segundo 51 analistas, é de US$ 170, upside de 22%.

Fonte: TradeMap
Fonte: TradeMap

Compartilhe: