Navegue:
Governo Central registra déficit primário de R$ 20,9 bi em maio

Governo Central registra déficit primário de R$ 20,9 bi em maio

Apesar de negativo, o resultado veio acima das projeções do Ministério da Economia de déficit de R$ 49,7 bilhões

PIB - Brasil (Foto de Agência Brasil)
Por:

Compartilhe:

Por:

Após dois meses positivos, as contas do Governo Central reportaram déficit primário. Em maio, o resultado foi negativo em R$ 20,947 bilhões, de acordo com dados publicados pela Secretaria do Tesouro Nacional nesta terça-feira, 29.  

No mês anterior, foi registrado um superávit de R$ R$ 23,257 bilhões. 

Enquanto isso, em maio de 2020, houve déficit de R$ 126,636 bilhões, reflexo dos gastos extras em medidas para o combate à covid-19. 

O déficit primário ocorre quando as despesas ultrapassam as receitas com tributos e impostos. Nessa conta, não se consideram os gastos do governo com pagamento de juros de dívida pública.   

Apesar de negativo, o resultado veio acima das projeções da pesquisa Prisma Fiscal do Ministério da Economia, que previam um déficit de R$ 49,7 bilhões. 

No acumulado do ano até o mês em análise, o resultado primário foi positivo em R$ 19,911 bilhões, o melhor resultado para o período desde 2015, quando fechou em R$ 5,027 bilhões. 

Já no mesmo período do ano anterior, o resultado foi negativo em R$ 222,493 bilhões. 

Receitas  

A receita líquida do Governo Central cresceu 93,4% em termos reais no mês de maio na comparação com o mesmo mês do ano passado, para R$ 112,876 bilhões. 

No acumulado do ano, a receita líquida subiu 26,9% em termos reais contra 2020, somando R$ 621.448,1 bilhões. 

“Foi uma melhora muito significativa”, enfatizou Jeferson Bittencourt, secretário do Tesouro Nacional, durante entrevista. “As receitas vêm tendo uma performance bastante expressiva.”

O aumento do indicador no mês é resultado do aumento das receitas administradas (+R$ 40,4 bilhões), receitas não administradas (+R$ 12,3 bilhões) e arrecadação líquida para o RGPS (+R$ 11,6 bilhões), compensado pelo crescimento nas transferências por repartição de receita (+R$ 9,8 bilhões). 

Despesas 

As despesas totais registraram queda de 31,4% na mesma comparação, já descontada a inflação pelo IPCA, totalizando R$ 133.823,4 bilhões.  

Em 2021 como um todo, recuaram 17,3% em termos reais no comparativo aual, chegando a R$ 601.536,6. 

Foto: Agência Brasil

Compartilhe: