Resultado trimestral: Itaú (ITUB4) e outras empresas

fachada itau pedestre
Itaú (ITU3; ITUB4)

O Itaú Unibanco apresentou alta de 10,9% no seu lucro líquido recorrente do terceiro trimestre deste ano, fechando em R$ 7,156 bilhões. Em relação ao 3T18, o banco havia somado R$ 6,454 bilhões. O resultado ficou um pouco acima do esperado por analistas consultados pela Bloomberg.

O banco registrou ROE (retorno sobre o patrimônio líquido) de 23,5% entre julho e setembro de 2019 – mesmo número obtido no segundo trimestre deste ano –, o que representa um crescimento de 2,2% frente ao 3T18.

Sobre o desempenho, o Itaú destaca o aumento de do ritmo de crescimento das carteiras de crédito de pessoas físicas e de micro, pequenas e médias empresas e também a retomada do crescimento da carteira de crédito de grandes empresas após quatro trimestres.

“Essa evolução do crédito impulsionou o aumento de R$ 742 milhões na margem financeira com clientes”, informou o banco.

A instituição financeira ainda informou que fechará 400 agências até o final deste ano.

Os ativos preferenciais do Itaú registravam alta de 2% às 11h25 e lideravam as maiores altas do Índice Bovespa.

Itaú (ITUB4)
ITUB4, às 11h25, no TradeMap
BTG Pactual (BPAC11)

O BTG Pactual registrou lucro líquido ajustado de R$ 1,073 bilhão no terceiro trimestre de 2019, número 1,5 maior do que o somado no 3T18 (R$ 685 milhões). Em relação ao 2T19, o banco teve um desempenho praticamente estável (R$ 1,029 bilhão).

O ROAE (retorno sobre patrimônio líquido médio) anualizado ajustado do BTG foi de 20,8% no 3T19, frente 14,3% no comparativo anual.

Já o patrimônio líquido atingiu R$ 20,8 bilhões, aumento de 8,6% em relação ao terceiro trimestre de 2018.

BB Seguridade (BBSE3)

A empresa de seguros do Banco do Brasil, a BB Seguridade, reportou lucro líquido contábil de R$ 3,4 bilhões no terceiro trimestre deste ano, puxado por ganhos de desinvestimento no IRB. Já o lucro líquido ajustado foi de R$ 1,081 bilhão, cifra 21,3% superior frente ao mesmo período de 2018.

Telefônica Vivo (VIVT4)

A Telefônica Vivo apresentou lucro líquido de R$ 1,046 bilhão no 3T19, o que representa um resultado 67,1% inferior em comparação ao terceiro trimestre de 2018. O lucro contábil da companhia também enfrentou queda, para R$ 965 milhões (-%69,5).

De acordo com a Telefônica, o lucro líquido contábil caiu devido aos ganhos não recorrentes ocorridos no 3T18. Sem esses efeitos, o lucro contábil recorrente apresenta uma cifra inferior de 52,3%.

“A Receita Líquida Móvel cresceu 6,6% no 3T19. O crescimento deve-se à expansão da Receita de Dados e Serviços Digitais (+5,5% a.a), resultado do upsell da base de clientes para planos pós-pago com maior volume de dados e do incremento de preços dos planos aplicados durante o trimestre”, informou a companhia em seu release.

Banco Pan (BPAN4)

O Banco Pan obteve lucro líquido de R$ 134,6 milhões no terceiro trimestre de 2019, um aumento de 14% frente ao 2T19 (R$ 117,7 mi) e de 174% em relação ao 3T18 (R$ 49,1 mi). Já o lucro líquido acumulado foi de R$ 348,4 milhões, número 136% superior ante o mesmo período do ano passado.

“Encerramos o 3º trimestre de 2019 com 4,7 milhões de clientes sob gestão, recebemos por mês cerca de 550 mil solicitações de crédito (sendo mais de 700 mil em setembro) e capturamos 123 mil novos clientes mensalmente ao longo do terceiro trimestre de 2019”, informou o Banco Pan em nota.

Porto Seguro (PSSA3)

A Porto Seguro informou que registou lucro líquido de R$ 335,2 milhões no terceiro trimestre de 2019, crescimento de 5,3% frente ao mesmo intervalo de tempo em 2018. A receita total obteve aumento de 2,7%, para R$ 4,6 bilhões.

“A Porto Seguro retomou a expansão de suas receitas, explicado pelo crescimento de cinco dos seis maiores produtos em patamares próximos ou superiores a 10%”, informou a companhia em nota, acrescentando que seu lucro subiu pelo sétimo período consecutivo, decorrente principalmente da ampliação do retorno sobre as aplicações financeiras e da expansão da lucratividade dos negócios financeiros e serviços”.

Foto: Pilar Olivares/Reuters

Escrever um comentário