Sofia Abreu Colunista TradeMap2

Por Sofia Abreu

Colunista de renda fixa da Agência TradeMap

Graduada em Direito e servidora pública desde 2012, já atuou como bancária do Banco do Brasil e atualmente é servidora do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região. Publica conteúdo financeiro em seu canal do Youtube – Servidor que Investe – e em seu instagram.

O que é o CDI e como ele pode interferir na rentabilidade dos seus investimentos

Setas

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Provavelmente, você já deve ter ouvido falar em “taxa DI” ou em “CDI” quando foi se informar ou estudar sobre algum investimento de renda fixa. Mas o que significa dizer que um produto como um CDB ou uma LCA rende 100% ou 110% do CDI?

Se você não sabe ao certo o que é o CDI e qual sua relação a com os investimentos, acompanhe este artigo até o fim!

O que é CDI?

Todos os dias, bancos emprestam e captam dinheiro no mercado.

Eles emprestam recursos aos clientes pessoas físicas por meio de empréstimos e financiamentos e captam dinheiro por meio da oferta de produtos financeiros, como títulos de capitalização, poupança, CDBs, LCIs e LCAs.

Contudo, todos os dias úteis, os bancos encerram as atividades com uma diferença entre o volume de dinheiro captado e o que foi emprestado. Tem dias que o banco capta mais recursos do que empresta e outros nos quais empresta mais do que consegue captar.

Em virtude de questões regulatórias determinadas pelo Banco Central, nenhum banco pode encerrar o dia “devendo” dinheiro, isto é, emprestando mais do que o valor captado. Mas na prática, você deve imaginar que é praticamente impossível um banco fechar o dia “zerado”, tendo emprestado exatamente o mesmo volume de recursos levantado.

Um dia, o saldo será positivo; em outro, negativo…. E é exatamente nesses momentos em que o saldo diário do banco fecha no vermelho que o CDI entra em cena.

Leia também:   Como aproveitar a Black Friday de ações na Bolsa?

Quando essa situação acontece, para que a regra imposta pelo Banco Central não seja desrespeitada, os bancos privados fazem empréstimos entre si, de curto prazo, para fechar o dia no “zero a zero”. Esses empréstimos são feitos por meio da emissão de Certificados de Depósito Bancário (CDI). E a taxa cobrada entre os bancos para realização dessas operações de curtíssimo prazo é a chamada taxa DI ou CDI.

Tecnicamente, o CDI (ou a taxa DI) é a média ponderada entre as taxas dos Certificados de Depósitos Bancários negociados entre os bancos em um determinado dia. Ela é calculada pela B3, a Bolsa brasileira, e expressa em termos anuais. Ela tende sempre a andar muito próxima da Selic, a taxa básica de juros da economia brasileira.

Então, sempre que você ouvir falar em CDI ou em taxa DI, saiba que ela traz consigo uma variação muito próxima à da Selic.

Como o CDI interfere nos seus investimentos?

O CDI é um dos principais indicadores de rentabilidade da renda fixa.

Hoje, o mercado oferece inúmeros investimentos que têm sua rentabilidade atrelada ao CDI, como CDBs, LCIs, LCAs, CRIs, CRAs e debêntures.

Leia também:   Bitcoin: reserva de valor agora ou nunca?

Dessa forma, a oscilação diária do CDI interfere diretamente na rentabilidade dos investimentos de renda fixa atrelados a essa taxa que, como já dito, anda muito próxima à Selic.

Se o CDI cair, sua rentabilidade também diminui. Se o CDI subir, sua rentabilidade também aumenta. E justamente por causa dessa flutuação é que os investimentos atrelados ao CDI são chamados de pós-fixados, uma vez que não temos conhecimento predeterminado de qual é será a taxa exata do CDI no futuro.

Então, quando você ouvir falar em alguma aplicação que renda 100% do CDI, saiba que a rentabilidade corresponderá a 100% da taxa DI, utilizada nas operações de empréstimos entre os bancos para fecharem seu caixa.

Se você tiver curiosidade em saber o processo matemático para o cálculo da taxa DI, clique aqui.

Como já dito, a taxa DI sempre anda muito próxima à taxa Selic. Por isso, é importante ter em mente que as subidas ou descidas da Selic interferem diretamente nas taxas praticadas pelos bancos nos empréstimos interbancários, o que afeta diretamente a taxa DI e a rentabilidade dos seus investimentos.

Logo, sempre que você vir nos noticiários que a Selic subiu, saiba que a taxa DI também aumentou e que seus investimentos atrelados ao CDI vão render mais dali em diante.

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp
Baixe o App Footer Post
Baixe o App Footer Post 0003 Carteira

Carteira consolidada

Baixe o App Footer Post 0002 historico de Dividendos

Histórico de dividendos

Baixe o App Footer Post 0001 Acompanhamento

Acompanhamento em tempo real

Baixe o App Footer Post 0000 IBOV

Comparação com IBOV, CDI, Dólar e mais

Não vá ainda...

Baixe o nosso App!

O maior hub do mercado financeiro
na palma da sua mão!

Popup out planos