Projeção da inflação de 2021 sobe pela 25ª vez seguida, a 8,45%

Para o próximo ano, os analistas também elevaram a expectativa do IPCA em 0,02 ponto percentual, de 4,10% para 4,12%

Dinheiro, foto de João Geraldo Borges Júnior - Pixabay

Foto: João Geraldo Borges Júnior/Pixabay

Logo Trademap

Por:

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Por:

Os economistas do mercado financeiro subiram pela 25ª vez consecutiva a projeção para a inflação oficial do Brasil de 2021, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), passando de 8,35% para 8,45% – o que representa um avanço de 0,10 ponto percentual na comparação semanal.

Para o próximo ano, os analistas também elevaram a expectativa do IPCA em 0,02 ponto percentual, de 4,10% para 4,12%, sendo a 10ª alta seguida.

Os dados constam no Boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira, 27, pelo Banco Central e que traz as previsões do mercado para os principais indicadores econômicos do país.

Vale pontuar que a meta de inflação de 2021, imposta pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), a ser perseguida pelo BC é de 3,75%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Para o próximo ano, a meta é de 3,50%.

Leia também:   Expectativa x realidade: analistas projetavam um Brasil bem diferente em 2021; saiba o que mudou

Dessa forma, a meta deste ano será considerada cumprida se ficar entre 2,25% e 5,25%.

BF 27 de setembro de 2021

PIB

A previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2021 foi mantida em 5,04%. Para 2022, o mercado reduziu a expectativa de alta, saindo de 1,63% para 1,57%, sendo a 4ª queda seguida.

O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve, sobretudo, para medir a evolução da economia.

Selic

Quanto à taxa básica de juros, a Selic, os analistas mantiveram as projeções de 2021 e de 2022, em 8,25% e 8,50% ao ano, respectivamente.

Na última quarta-feira, 22, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa em 1 ponto percentual, para 6,25% ao ano. Desde março, a autarquia vem aumentando a Selic como forma de combater a alta da inflação.

Leia também:   Mercado brasileiro está barato e poderá ter rali se incerteza fiscal de 2022 diminuir, diz Figueiredo, ex-BC

Câmbio

Em relação ao câmbio, os analistas mantiveram a previsão de R$ 5,20 para este ano. Já para 2022, o mercado subiu a estimativa do dólar, passando de R$ 5,23 para R$ 5,24.

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

Compartilhe:

Compartilhar no twitter
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp

BLACK

WEEK

tag
Dias
Horas
Min.
Seg.